Casa Roberto Marinho, um oásis da cultura aos pés do Redentor

de Alessandro Monteiro

Inaugurada em 1943 e localizada no bucólico bairro do Cosme Velho, foi durante cerca de sessenta anos palco de acontecimentos de música, literatura, artes plásticas e teatro. Atualmente a Casa abriga um acervo formado ao longo de 60 anos e é uma importante coleção de modernismo e abstracionismo informal no Brasil. Entre telas, gravuras e esculturas, começou com uma aposta em artistas da sua geração, como José Pancetti, Alberto da Veiga Guignard e Candido Portinari. Impossível não passar uma tarde lá.

EDITORIAS