Vipassana, uma arte de viver

de Vitor Chimento

Uma antiquíssima técnica de meditação indiana redescoberta ha bem mais de 2.500 anos por Sidarta Guatana. Essa técnica é conhecida como Vipassana, que em dialeto Pali significa “ver as coisas como elas são”. Considerada por seu redescobrido, como um remédio universal para males universais. Uma técnica que não esta relacionada a nenhuma religião e que visa a erradicação total das impurezas mentais e a resultante suprema da felicidade e da liberação completa. A cura, não é uma mera cura de doenças, mas a cura essencial do sofrimento humano, é o seu propósito.

Vipassana é um caminho de autotransformação que utiliza a auto-observação. Foca a profunda interconexão entre mente e corpo, que pode ser experimentada diretamente, pela atenção disciplinada às sensações físicas que, por sua vez, constituem a vida do corpo e continuamente se interconectam e permitem a vida da mente. É essa jornada de autoconhecimento baseada na observação − que objetiva a raiz comum da mente e do corpo − a responsável pela dissolução das impurezas mentais, resultando numa mente equilibrada, plena de amor e compaixão (S. N. Goenka).

As leis científicas que regulam os pensamentos, seus sentimentos, julgamentos e sensações, se tornam claras. Pela experiência direta, compreende-se a natureza de como se progride e regride, como se produz ou se liberta do sofrimento. A vida começa a se caracterizar por consciência, libertação de ilusões e paz cada vez maiores.

Vipassana é considerada um remédio para os seus adeptos. Ninguém irá contra um código de vida que respeita a paz e a harmonia dos outros. Ninguém pode se opor a desenvolver o controle da mente. Ninguém se oporá ao desenvolvimento da visão clara de própria natureza, por intermédio da qual é possível libertar a mente das negatividades. Vipassana é um caminho universal.

Observar a realidade como ela é por intermédio da observação interior − isso é, conhecer-se a si, mesmo direta e experimentalmente. Conforme a prática, a pessoa continua a se libertar do sofrimento das impurezas mentais. A partir da verdade aparente, grosseira, externa, pode-se penetrar na verdade íntima da mente e da matéria. Então, se transcende e experimenta-se uma verdade que está além da mente e da matéria, além do campo condicionado da realidade, a da libertação de todas as impurezas, de todo o sofrimento. Não importa o nome que se dê a verdade última, isso é irrelevante… esse é o objetivo final de todos.

Que todos experimentem essa verdade fundamental. Que todos se libertem do sofrimento. Que todos desfrutem a verdadeira paz, a verdadeira harmonia e a verdadeira felicidade. Que todos seres sejam felizes (S. N. Goenka).
Meditação Vipassana é um treinamento para focar a mente e condicioná-la a não reagir. Não ha nada nela de místico, transcendente ou sobrenatural.

A técnica de meditação é ensinada em retiros de dez dias, durante os quais os participantes aprendem os fundamentos do método e praticam o suficiente para experimentar seus bons resultados. Os cursos são gratuitos e todas as despesas são cobertas por doações de pessoas que, tendo completado um curso e experimentado os benefícios da meditação Vipassana, desejam dar aos outras a mesma oportunidade.

É num ambiente de beleza natural, recoberto em boa parte pela mata atlântica, que o Centro de Meditação Dhamma Santi Vipassana escolheu para se instalar. Está localizado em Sacra Família do Tinguá, Distrito da cidade fluminense de Paulo de Frontin.

Vitor Chimento, Biólogo e jornalista

MTb 38582 RJ

vitor.chimento@diariodorio.com.br

EDITORIAS