Sítio Solidão, sinônimo de bom gosto, sabor e qualidade

Nos últimos anos, a produção de queijo artesanal, de vaca, cabra ou ovelha, na região Sul fluminense, ganhou um grande incentivo, graças a uma boa fase do mercado no país. O Brasil não tinha, ao contrário dos países europeus, uma cultura queijeira, mas, com um mercado em crescimento, criou-se um momento propício para educar o paladar do consumidor e cresceu a aceitação dos produtos derivados do leite de vaca, cabra e ovelha. Fato que estimulou a produção dos derivados do leite, visando um mercado promissor.

Acreditando neste mercado e com um espírito empreendedor foi que no ano de 1983, em Miguel Pereira, o casal Mônica e Luiz e família, a partir da uma pequena criação de cabras que forneciam leite, deram inicio à produção de queijos de forma artesanal. Produção que abastecia as principais delicatessens do Rio de Janeiro.

A partir desta iniciativa, a produção de queijos foi se expandindo, havendo assim uma necessidade de que a fábrica passasse por uma modernização em sua infraestrutura para atender o aumento da produção e, por conseguinte, a melhoria da qualidade de seus produtos. A fábrica hoje recebe em torno de 15 mil litros de leite diariamente para a produção de queijos.

São produzidos no sítio mais de 25 tipos de queijos. Produz artesanalmente o queijo similar ao Serra da Estrela, de Portugal, o famoso queijo minas frescal, o queijo curado de massa cremosa, e o queijo de cabra tipo Caprino Romano, entre outras variedades. Todos os queijos têm sua própria receita desenvolvida para quem tem o bom hábito de uma alimentação saudável.

O Sítio Solidão tem um bistrô em Miguel Pereira (Ladeira Quatro de Fevereiro, 73), onde os visitantes são recebidos para degustação de seus produtos reconhecidos pela sua qualidade artesanal e pelo seu sabor. Você pode conhecer todos os seus produtos pelo site − www.sitiosolidao.com.br.

EDITORIAS