Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Fim da pobreza é um dos objetivos da ONU para um desenvolvimento mundial sustentável

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Da Redação

Plano de ação para um mundo melhor. Assim é a Agenda 2030: um compromisso que líderes de 150 países, reunidos na sede das Organização das Nações Unidas, em Nova York, assumiram em prol de um planeta com menos desigualdades e mais prosperidade, equilíbrio social e ambiental. São 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas que devem ser implementados por todos os países até 2030.

E o primeiro dos objetivos é ’acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares’. O documento que discrimina esse plano de ação reconhece que a erradicação da pobreza em todos os seus aspectos e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o chamado desenvolvimento sustentável. A proposta é, nos próximos 11 anos, reduzir pelo menos à metade a proporção de homens, mulheres e crianças, de todas as idades, que vivem na pobreza, de acordo com as definições nacionais.

E de que forma? Implementando, em nível nacional, medidas e sistemas de proteção social adequados. Assim, cada país deve buscar garantir que todos, particularmente os pobres e vulneráveis, tenham direitos iguais aos recursos econômicos e também acesso a serviços básicos, propriedade, recursos naturais, novas tecnologias, entre outros itens.

Sofrimento de mais de 1,3 bilhão de pessoas

Não é uma tarefa fácil. A edição de 2019 do Índice Global de Pobreza Multidimensional elaborado pelo PNUd (Programa da Nações Unidas para o Desenvolvimento ) e pela Iniciativa pelo Desenvolvimento Humano de Oxford (OPHI) informa que existe 1,3 bilhão de pessoas multidimensionalmente pobres nos 101 países de renda baixa e média. E elas sofrem carências relacionadas à saúde, educação e qualidade de vida. São quase o dobro dos 736 milhões considerados extremamente pobres, que vivem com menos de 1,90 dólar (cerca de R$ 7,07) por dia.

“Para combater a pobreza precisamos saber onde vivem as pessoas pobres. Elas não estão distribuídas uniformemente em cada país, nem mesmo dentro das casas. Dois irmãos podem viver sob o mesmo teto, um desnutrido e outro não”, explicou Achim Steiner, administrador do PNUD durante o lançamento do estudo. “O Índice Global de Pobreza Multidimensional de 2019 oferece as informações detalhadas que os responsáveis políticos necessitam para tomar medidas mais bem direcionadas e eficazes”, declarou, ressaltando que os países que o fizeram “conseguiram progressos significativos. Um belo exemplo é a Índia: em uma década (2006-2016), 271 milhões de pessoas saíram da pobreza naquele país.

Pobreza extrema aumenta no Brasil

No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2016 e 2017, a pobreza passou de 25,7% para 26,5% da população. Dados do Cadastro Único do Ministério da Cidadania mostram que a pobreza extrema (aqueles que vivem com menos de R$ 140 mensais) no país aumentou e já atinge 13,2 milhões de pessoas. Nos últimos sete anos, mais de 500 mil pessoas entraram em situação de miséria. A região com pior cenário é o Nordeste. As maiores taxas a cada 100 mil habitantes são do Piauí (14,087%), Maranhão (13,861%) e Paraíba (13,106%).

Mas no Sudeste o cenário também não é favorável. O Rio de Janeiro, ao lado de Roraima, teve o maior crescimento da extrema pobreza, com incrementos de 10,4% e de 10,5%, respectivamente, no período que abrange junho de 2018 a junho de 2019.

Foto: Pixabay

pt Português
X
Open chat