Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Miguel Nicolelis, o neurocientista brasileiro mais premiado no mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Por Sandro Barros

Miguel Nicolelis nasceu em São Paulo em 7 de março de 1961, fez Medicina e doutorado na USP e pós-doutorado na HahnemannUniversity da Filadélfia (EUA). Em 2001, fundou o Centro de Neuroengenharia da Duke University (EUA), que dirige até hoje. Membro das Academias Francesa, do Vaticano e Brasileira de Ciências.

É o médico brasileiro considerado um dos vinte maiores cientistas em sua área no começo da década passada pela revista de divulgação para leigos Scientific American. Também é fundador e diretor científico do Instituto Internacional de Neurociência Edmond e Lily Safra, em Natal, no Rio Grande do Norte.

Nicolelis chama atenção da comunidade científica principalmente por seus estudos com primatas em pesquisas que buscam integrar o cérebro às máquinas, trazendo a esperança de que em breve seja possível fazer tetraplégicos voltarem a andar. O seu trabalho com as próteses neurais está na lista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) de tecnologias que podem mudar o mundo.

Lidera um grupo de pesquisadores da área de Neurociência na Universidade Duke (Durham, EUA), no campo de fisiologia de órgãos e sistemas. Com John Chapin, foi o idealizador da interface cérebro-máquina. Através dela, qualquer pessoa pode usar apenas a sua atividade elétrica cerebral para controlar os movimentos de braços e pernas robóticos e virtuais, ou colaborar mentalmente na execução de tarefas motoras. Usando essa tecnologia, um paraplégico brasileiro, Juliano Pinto, executou o chute de abertura da Copa do Mundo de Futebol de 2014, no Brasil.

Apaixonado por futebol e palmeirense roxo, ele também desenvolve estudos ligados a distúrbios neurológicos e psiquiátricos para o tratamento de doenças, como mal de Parkinson, epilepsia, esquizofrenia e défict de atenção.

Foto: Reprodução

pt Português
X
Open chat