Brechó está na moda

Por Franciane Miranda

Provavelmente você já deve ter visitado, comprado ou ter ouvido falar em brechó. Ele é o lugar certo para quem busca ótimos produtos e preços acessíveis. A preocupação com o meio ambiente e a sustentabilidade do planeta refletem no consumo consciente, que estão diretamente ligados. As pessoas estão mudando sua forma de ver estes locais e valorizando-os cada dia mais.

Proprietárias do Brechó da Bem Vestida, no Flamengo, Emiliana Mandarano e sua sócia Nilda Fernandes, confiam que o consumo neste ramo seja o futuro. Elas explicam que as vantagens de se comprar neste local são muitas, pois ao escolher um brechó você paga 80% a menos que em peças novas. Sem contar que você ainda pode conseguir mais um desconto extra, ao realizar o pagamento em dinheiro. O cliente também encontra uma enorme variedade de produtos em um só lugar como carteiras, óculos, lenços, chapéus, sapatos, bijuterias, bolsas e roupas para qualquer estação do ano.

Mesmo sendo em brechó, o cliente deseja comprar uma peça em ótima qualidade e, por isso, a escolha passa por um rígido processo de seleção e lavagem. Emiliana e Nilda explicam como é feito todo o procedimento ao receber os produtos: “após estarmos em posse das peças, estas são higienizadas, isto é, passam por um processo de lavagem ou lavagem a seco conforme a peça. Em seguida, elas são passadas com ferro a vapor”.

Cliente de brechós há quatro anos, Edineide Lontra conta que sempre adquire bolsas, pois encontra estes acessórios em ótima qualidade e valores acessíveis. “Gosto de comprar porque encontro peças de marcas por um bom preço”. Ela também reforça sua preocupação com o planeta. “Quanto menos desperdiça mais será melhor para o meio ambiente”, afirma.

Edineide Lontra (E) e Emiliana Mandarano: cliente e proprietária do Brechó Bem Vestida

Emiliana Mandarano e Nilda Fernandes também chamam à atenção para o consumo consciente, pois quando usamos uma roupa comprada neste comércio contribuímos para preservação da natureza, reutilizando matéria-prima e, consequentemente, o impacto das novas peças ao planeta. “Para produzir um quilo de algodão são gastos 120 mil litros de água e mais 300 litros no processamento e tingimento dos tecidos, além de toda energia gasta nesses processos. Além disso, o descarte de roupas e sapatos provoca mais um grande impacto ao meio ambiente, pois estes itens muitas vezes se acumulam em lixões ou em aterros sanitários, levando anos até serem totalmente degradados”, diz.

Shirley Torquato, doutora em Antropologia, explica que no Brasil a tradição de frequentar estes espaços vem ganhando força nos últimos anos. Para ela, esta moda em parte é graças às blogueiras e aos brechós de luxo com roupas seminovas, que ajudaram a desconstruir o imaginário popular de que os produtos deste universo não seriam de boa qualidade.

A comerciária Márcia Valéria Faria, moradora do Flamengo, relata que começou a frequentá-los, pois no bairro existem vários brechós em pequenas lojas e barracas nas ruas. Segundo ela, eles vieram para ficar e estão absorvendo uma importante fatia do mercado, pois oferecem preços competitivos e os itens possuem excelente qualidade e procedência. “Acho uma ótima sacada do mercado de varejo, bem diversificado e atual, não deixando nada a desejar para o mercado da moda usual”.

Vale a pena conferir e garimpar. Tenho certeza que vai encontrar algo no seu estilo. E você, topa fazer essa experiência?

Fotos: Diário do Rio

pt Português
X
EDITORIAS