Chove chuva, chove irresponsabilidade

Da Redação

Início do ano. Alagamentos e deslizamento de terra no Rio de Janeiro matam sete pessoas na cidade. Agora, passados vários meses, a Câmara de Vereadores apresentou, no dia 17 de outubro, o relatório final da CPI das Enchentes, onde se pede o indiciamento do prefeito Marcelo Crivella (PSC) e de secretários municipais. A CPI foi instalada para investigar a contratação emergencial de empresas após os temporais de fevereiro.

No relatório, vereadores acusam Crivella de contingenciar recursos que seriam destinados à prevenção de desastres; reduzir a capacidade de prevenção e gestão de crises e de ser cúmplice da autorização de obras emergenciais sem publicidade.

Para a CPI, o secretário da Infraestrutura, Sebastião Bruno deve ser indiciado por contratação irregular de obras emergenciais, indícios de ‘cartelização’ nas obras, e falso testemunho. E sobre a identificação de indícios de cartel, a CPI relata que as empreiteiras contratadas atuaram de forma bem parecida, em relação a descontos concedidos sobre os valores estimados para as obras pela Prefeitura do Rio.

Lamentavelmente, é dessa forma que o povo carioca tem que conviver com as tragédias. Enquanto chora pelos seus mortos, se vê diante também de novos escândalos administrativos do governo municipal. E pior ainda: sem saber se algo está sendo feito para evitar que novas tragédias ocorram frente a novos temporais. Realmente, não nos resta nenhuma paciência!

Foto: Reprodução da internet

pt Português
X
EDITORIAS