Em Marechal Hermes, projeto M. Santos F. C. forma ‘pessoas do bem’

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Por Sandro Barros

Você sabe o que é poder contar com apoio amigo, interessado apenas em lhe ajudar? Aquele que não se cansa em dizer que, apesar das adversidades, é possível superá-las e ter uma vida digna? Nós encontramos isso e muito mais no projeto social M. Santos F. C., que atende crianças e adolescentes do Muquiço, uma comunidade onde há alto índice de violência e localizada em Marechal Hermes, subúrbio carioca.

Na praça da Rua Cabrália, pimo à linha do trem e onde o M. Santos F. C. se reúne todas as manhãs de sábado, a ideia é uma só: contribuir para formar ‘pessoas do bem’. Dessa forma, o projeto já atendeu mais de cinco mil jovens desde que começou, em 1989, então no bairro de Oswaldo Cruz. E o resultado tem sido gratificante, pois inúmeros dos seus ex-alunos, ao invés de caírem no caminho do crime, hoje são trabalhadores e empresários bem-sucedidos.

Valdemar, Marcelo, Bruno e Douglas: projeto que dá resultados

Com a dedicação de seus voluntários, o projeto funciona assim: antes dos jogos de futebol no campinho de areia são realizadas palestras de orientação social. Outra iniciativa é buscar encaminhar jovens, potenciais craques do esporte, para clubes de futebol. “O nosso intuito é unir famílias, proporcionar uma recreação para a criançada, para que possam desenvolver o que eles têm de melhor, que o seu talento. Esses garotos têm condições de ocupar espaços no mercado do futebol”, comenta Marcelo Santos, fundador do projeto que leva o seu nome.

E um desses talentos é Bruno Martins, 35 anos, ex-jogador profissional. Do campinho na praça, o M. Santos F. C. o levou para jogar na base do América. Depois foi para a base do Fluminense, voltou para o América e depois rodou vários clubes do Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, em times mineiros e até uma curta temporada no futebol alemão. Hoje, ele acompanha os seus dois filhos, que participam do projeto. “Ter estado aqui me ajudou muito na vida, como ser humano. Quando se chega aqui você se sente abraçado, acolhido, escutando sobre o que é certo e o que é errado. E isso eu passo para os meus filhos”, diz Bruno, emocionado.

E como o projeto consegue se manter? “A cada dia procuramos desenvolver nosso trabalho através de parcerias e de apoiadores, muitos deles ex-alunos. Algumas empresas colaboram e nos dão suporte, que é a compra de material para os jogos, um lanche. Com isso também conseguimos doar cestas básicas às famílias que necessitam e fornecer refeições aos moradores de rua da região”, esclarece Marcelo.

Torneio Diário do Rio

 

No dia 26 de outubro aconteceu, em parceria do jornal com o M. Santos F. C., o 2º Torneio Diário do Rio. Mais de trinta garotos participaram, todos alunos do projeto e com idades entre 10 e 11 anos. O evento foi acompanhado por familiares e ex-alunos e não faltou sequer um delicioso cachorro quente e refrigerante.

Com a bola rolando, três times — preto, verde e roxo — jogaram entre si. Como todas as partidas terminaram empatadas, a definição da disputa do título foi feita em cobranças de pênaltis, levando a melhor os times de preto e de verde. Na final, a equipe de preto foi impiedosa e mandou uma goleada de 5 a 0. Mas, ao final da competição, ficou mesmo a certeza de que o mais importante foi ter estado ali, acreditando que o melhor está por vir!

Fotos: Diário do Rio

pt Português
X
EDITORIAS