Obra Social Emmanuel: assistência às famílias

Por Claudia Mastrange

Voltada basicamente para atender as famílias, a Obra Social Emmanuel funciona em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, há 28 anos. Entre as atividades para as crianças, divididas em turmas de zero a 12 anos, estão as aulas de reforço escolar, informática, música, inglês e evangelização. Além disso e das cestas básicas mensais para as famílias, são muitas as campanhas realizadas ao longo do ano, como as de Natal, de distribuição de kit escolar, de vestuário e doação de alimentos.

“As famílias que nos procuram são avaliadas por psicólogos e assistentes sociais, todos voluntários, que detectam as necessidades e fazem o cadastro. Temos 150 famílias assistidas”, informa Maria Efigênia Henriques Moutinho, voluntária que atua na área de assistência jurídica. Esse setor, aliás, é bastante requisitado. “Entramos com ações de investigação de paternidade, requisição de pensão alimentícia, regulamentação de visitas… São muitas demandas”, explica.

Os atendimentos da obra social são feitos semanalmente, aos sábados, de 8h às 13h. Enquanto as crianças estão nas salas de aula, as mães assistem as palestras sobre os mais diversos temas. De violência doméstica a questões de cidadania, passando por vacinação ou pontos do Estatuto da Criança e do Adolescente. “E no último sábado de cada mês é distribuído também um sopão, não só para as famílias cadastradas, mas para a população necessitada de modo geral”, afirma Efigênia.

No momento, a instituição está empenhada em uma nova campanha, que pode significar sua sobrevivência: a Obra Social Emannuel precisa arrecadar R$ 180 mil até 30 de novembro para continuar no terreno em que está instalado. “O terreno pertence a um centro espírita e há uma dívida trabalhista pendente.

Precisamos angariar esse valor, equivalente a uma entrada do valor total do imóvel, para não sermos desalojados. Já arrecadamos R$ 12 mil”, conta Efigênia. As doações podem ser feitas pelo site da instituição − obrasocialemmanuel.com.br/doacao-sede-propria.

Foto: Divulgação

pt Português
X
EDITORIAS