Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Preço da carne nas alturas exige criatividade na hora das compras

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Da Redação

O cidadão tomou um susto, nas últimas semanas, ao fazer suas compras e se deparar com o preço da carne. O valor foi às alturas, tornando um pouco mais salgada a cesta básica da população, que busca alternativas, como as carnes de frango ou suína. Do início de setembro para cá, o preço da carne bovina no atacado já subiu quase 50% e esse aumento foi repassado quase que integralmente para o varejo em alguns cortes de bovino.

A alta foi é motivada principalmente pelo aumento da exportação para a China, cuja demanda responde por 24,5% do total exportado pelo Brasil. De janeiro a novembro as exportações para esse país totalizaram 410.444 toneladas, 39,5% a mais do que o mesmo período do ano passado. O faturamento cresceu 59,7% ao chegar a US$ 2,171 bilhões.

Dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), divulgados em 10 de dezembro, dão conta que as exportações brasileiras de carnes bovinas devem fechar o ano de 2019 com 1,83 milhão de toneladas embarcadas e receita de US$ 7,5 bilhões, representando um crescimento de 11,3% e 13,3%, respectivamente, com faturamento que pode atingir US$ 6,748 bilhões.

Exportação em alta, associada à alta do dólar e ao aumento da demanda no fim do ano, além da sazonalidade da criação de gado não favorece o mercado interno, como explica o presidente da Abiec, Antônio Camardeli. Mas os preços devem se ajustar no início do ano. “O aumento da demanda provocou o desajuste dos preços, elevando o valor da carne, mas a expectativa é a de que haja uma acomodação. Os preços não vão ficar nos patamares do momento de oscilação maior [outubro e novembro], mas não vamos voltar aos preços ortodoxos de antes. Vai chegar a um ponto de equilíbrio”, completou.

Enquanto isso, para levar para casa o bife de cada dia, há que se pensar muito na hora de optar pela carne. Em um açougue do bairro da Tijuca, na zona norte do Rio, por exemplo, o quilo do filé mignon bovino, que há um mês custava R$ 68, agora está sendo vendido a R$ 79,90. A alcatra subiu 32%: passou de R$ 36,90 para R$ 48,90, o quilo. A picanha também ficou mais cara, subindo de R$ 37,90 para R$ 49,90.

Os donos de estabelecimentos contam que os clientes estão diminuindo as quantidades, substituindo a carne vermelha por outras e pela cartela com 30 ovos – que continua no patamar dos R$ 10 − e fazendo contas para definir o que comprar. Mais uma vez o consumidor se ‘vira nos 30’ para driblar os altos e baixos do mercado e colocar comida na mesa.

pt Português
X
Open chat