Michel Petrucciani: é preciso ser forte para fazer com que o piano se sinta pequeno

Por Claudio Camillo

Michel Petrucciani nasceu em 28 de dezembro de 1962, em Orange, no sul da França. Cresceu em Montelimar, em uma família de músicos. O pai, Antoine Petrucciani, e o irmão mais velho eram guitarristas e o mais novo tocava contrabaixo.

Nasceu deficiente físico, em decorrência de uma forma grave de osteogênese imperfeita − a “doença dos ossos de vidro” ou “ossos de cristal”.

Começou tocando bateria aos quatro anos, mas se apaixonou pelo piano ao ver Duke Ellington pela primeira vez num especial sobre ele na televisão. Pediu aos pais um piano igual ao de Ellington, porém ganhou um de brinquedo. Em um ataque de raiva destruiu o presente. Finalmente ganhou um velho piano abandonado em uma antiga base militar. Nele, Petrucciani se identificou com o grande músico que viria a ser.

Aos sete anos, já se apresentava em clubes imitando o estilo de Bill Evans, Art Tatum, Keith Jarret, Oscar Peterson e outros, o que atraiu a atenção dos amantes do jazz. Deixou o sul da França indo para Paris onde gravou, em 1978, seus primeiros discos, ‘Flash’ e ‘DarnThat Dream’, com seus irmãos Philippe (guitarra) e Louis (contrabaixo). Foram dois grandes sucessos! No segundo, gravou pela primeira vez uma música brasileira, ‘Corcovado’, de Tom Jobim, o início de uma paixão.

Tinha que ser carregado até o palco e seu piano era especial para permitir que alcançasse os pedais. Se tornou um dos maiores pianistas do jazz contemporâneo, com um estilo único e, ao mesmo, tempo intimista, lírico e impetuoso. Petrucciani foi um dos raros músicos europeus de jazz que fez sucesso nos Estados Unidos e no Canadá. Esteve uma vez no Brasil, em 1987, se apresentou no Free Jazz.

Tocava como estivesse em transe. Dizia ele: “é preciso ser forte para fazer com que o piano se sinta pequeno”.

A música brasileira foi parte importante em sua arte. Através da pianista Tania Maria, mulher de Eric Kressmann, seu empresário, conheceu Milton Nascimento, Laurindo de Almeida, João Gilberto, Johnny Alf e Hermeto Pascoal. Compôs ‘Regina’ em homenagem a Elis, por quem ficou encantado assim que a ouviu cantar.

Petrucciani achava que o jazz atual vivia uma crise de identidade e que ainda não havia encontrado totalmente seu espaço, mas amava o bebop, que considerava um estilo clássico e que era como uma obra de arte. Seu sonho era criar uma escola internacional de jazz na França, mas infelizmente não foi possível. Morreu aos 36 anos, em 6 de janeiro de 1999, no hospital Beth Israel, de Nova Iorque, vitima de uma infecção pulmonar fulminante.

Vai aí um link para os amantes da boa música:
https://www.youtube.com/watch?v=h5Xv95khsUY&t=4s

Foto: Reprodução da internet

 

 

pt Português
X
EDITORIAS