Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Nélida Piñon, mulher de grande destaque literário

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Sandro Barros

Nélida Piñon nasceu em 1937 no Rio de Janeiro. Filha de Lino Piñón Muíños e Olivia Carmen Cuíñas Piñón, de origem galega, seu nome é um anagrama do nome do avô, Daniel. Formou-se em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, em 1956, e foi editora e membro do conselho editorial de várias revistas no Brasil e do exterior. Também ocupou cargos no conselho consultivo de diversas entidades culturais em sua cidade natal. Estreou na literatura com o romance ‘Guia-mapa de Gabriel Arcanjo’, publicado em 1961, que tem como temas o pecado, o perdão e a relação dos mortais com Deus.

Piñon é acadêmica correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e, em outubro de 2014, entrou para a Real Academia Galega. É professora catedrática da Universidade de Miami desde 1990 e doutor honoris causa das universidades de Santiago de Compostela, Rutgers e Montreal, entre outras.

Quinta ocupante da Cadeira 30 da Academia Brasileira de Letras, foi eleita em 27 de julho de 1989, na sucessão de Aurélio Buarque de Holanda. Em 1996-1997 tornou-se a primeira mulher, em 100 anos, a presidir a Academia, no ano do seu primeiro centenário.

A sua extensa produção literária – romances, contos, ensaios, discursos, crônicas e memórias – foi traduzida em diversas línguas e em mais de 30 países e lhe rendeu muitas premiações, tais como: Prêmio Walmap (1969) pela novela ‘Fundador’; Prêmio Mário de Andrade (1972) por ‘A Casa da Paixão’; Prêmio Internacional Juan Rulfo de Literatura LatinoAmericana e do Caribe (México, 1995); Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte e Prêmio Ficção Pen Clube, ambos em 1985, pelo romance ‘A República dos Sonhos’; Prêmio Iberoamericano de Narrativa Jorge Isaacs (Colômbia, 2001); Prêmio Rosalía de Castro (Espanha, 2002); Prêmio Internacional MenéndezPelayo (Espanha, 2003); Prêmio Jabuti para o melhor romance (Brasil, 2005) por ‘Vozes do Deserto’; e o Prêmio Literário Casa de lasAmericas (Cuba, 2010) por ‘Aprendiz de Homero’.

Em 2005 recebeu o importante Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras pelo conjunto da sua obra, sendo o primeiro escritor de língua portuguesa a consegui-lo. Em 2015 recebeu o Prêmio El Ojo Crítico Iberoamericano, concedido pela Rádio Nacional de Espanha.

Em entrevista concedida em maio de 2019, a escritora afirmou que a sociedade não tem apreço pela cultura em sua forma oficial, como a literatura, e acrescentou que falta formação educacional para compreender a leitura. “Aprendemos tudo pela metade no Brasil. E não aprendemos o que é mais essencial do projeto educacional: pensar”, criticou.

Foto: Reprodução da internet

pt Português
X
Open chat