Tensão no Oriente Médio leva petróleo a 70 dólares

As reverberações das tensões no Oriente Médio já são sentidas nos mercados do mundo inteiro. Desde o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani por tropas norte-americanas, em 3 de janeiro, o preço do petróleo subiu quase 6%, com o barril de tipo Brent superando os 70 dólares (R$ 280). São 10 dólares a mais do que o Governo espanhol previa para este ano no último plano orçamentário enviado a Bruxelas. As Bolsas também foram arrastadas em um ano que começa marcado pela instabilidade.

O índice Ibovespa, da Bolsa de São Paulo, fechou a segunda-feira em queda de 0,7% — só não caiu mais porque as ações da Petrobras terminaram o dia com alta de 3,25%. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que enxerga tendência de estabilidade no preço dos combustíveis. “Reconheço que o preço está alto na bomba. Pelo que parece, a questão lá dos Estados Unidos e do Iraque, o impacto não foi grande. Foi de 5%, mas passou para 3,5%. Não sei a quanto está hoje em relação ao dia do ataque, mas a tendência é a de estabilizar”, disse o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada.

Na sexta-feira passada (3), Bolsonaro tinha demonstrado preocupação sobre o impacto da crise iraniana sobre o Brasil. O presidente brasileiro participou nesta segunda-feira, dia 6 de janeiro, de uma reunião no Ministério de Minas e Energia para discutir a questão. Após o encontro, reforçou que o Governo não tem intenção de intervir no preço dos combustíveis, mas sugeriu os Estados brasileiros abatessem suas cobranças de ICMS sobre a gasolina. Ele mesmo destacou, contudo, que os Estados “estão quebrados” e não devem ter espaço para fazer descontos em seus rendimentos.

A confusão tomou conta do debate sobre a presença de tropas dos EUA no Iraque depois que um rascunho de uma carta de um general do Exército dos EUA foi publicado nesta tarde de segunda-feira, anunciando que Washington realocaria suas tropas no Iraque em preparação eventual retirada do país. Na carta, endereçada ao número dois do comando militar iraquiano, o brigadeiro-general William Seely diz que as forças americanas da coalizão anti-jihadi serão “reorganizadas” diante de “uma retirada segura e eficaz do Iraque”. Um oficial americano confirmou ao The Washington Post a autenticidade da carta.

Retirada em falso

A confusão tomou conta do debate sobre a presença de tropas dos EUA no Iraque depois que um rascunho de uma carta de um general do Exército dos Estados Unidos foi publicado na tarde desta segunda-feira (6), anunciando que Washington realocaria suas tropas no Iraque em preparação eventual para uma retirada do país. Na carta, endereçada ao número dois do comando militar iraquiano, o brigadeiro-general William Seely diz que as forças americanas da coalizão anti-jihadista serão “reorganizadas” diante de “uma retirada segura e eficaz do Iraque”. Um oficial americano confirmou ao The Washington Post a autenticidade da carta.

“Respeitamos sua decisão soberana que ordena nossa partida”, acrescenta a carta, segundo a France Presse, um dia após o parlamento iraquiano aprovar uma moção para instar o governo a expulsar tropas estrangeiras, após o assassinato do general iraniano. “Por respeito à soberania da República do Iraque, e conforme reivindicado pelo Parlamento e pelo Primeiro Ministro, a Coalizão reorganizará suas forças para […] garantir que a retirada do Iraque leve a com segurança e eficácia”, prossegue.

Minutos depois que o conteúdo da carta foi publicado, o ministro da Defesa dos EUA, Mark Esper, apressou-se em negar qualquer intenção de se retirar, alegando ignorar a existência da carta. “Não houve nenhuma decisão de deixar o Iraque”, disse o chefe do Pentágono a repórteres. “Não sei o que é essa carta. Estamos tentando descobrir de onde vem e o que é. Mas nenhuma decisão foi tomada para deixar o Iraque. Ponto”.

A carta é autêntica, esclareceu o chefe do Estado Maior dos EUA, Mark Milley, aos jornalistas, mas foi enviada por engano. “Era um rascunho de carta sem assinatura”, disse. “É um erro cometido com toda a boa fé.”

Mercados

O dia de segunda-feira começou com um colapso da Bolsa de Valores do Japão de quase 2%. De manhã, os parques europeus foram pintados de vermelho com quedas que em Frankfurt eram de cerca de 1,5%, embora mais tarde moderassem abaixo de 1%. Em Madri, a punição foi limitada a 0,5%. Não são descidas excessivamente importantes. Mas mostram uma crescente inquietação sobre o que pode acontecer no Oriente Médio. Nova York fechou o dia com altas muito leves.

O analista Juan Ignacio Crespo acredita, no entanto, que, a menos que a tensão avance e que seja travado um verdadeiro conflito com os EUA, o aumento do preço do petróleo não deve continuar: ele acredita que é muito possível que tudo permaneça em banho-maria. “Em setembro, quando forças próximas ao Irã atacaram a principal refinaria saudita com drones, o petróleo subiu 20%, mas depois desinflou. A menos que algo extraordinário aconteça, meu cálculo é que o barril será mantido na faixa de 55 a 75 dólares ”, diz Crespo, consultor de um fundo Renta 4 em uma conversa por telefone.

As companhias de petróleo foram as únicas que aproveitaram o pregão, já que os investidores sabem que, quanto mais problemas houver nessa região, mais caro o barril de petróleo vai vender. Em Londres, a participação da BP foi reavaliada em 2% e a da Total da França, quase 1,5%. Pelo contrário, as companhias aéreas, muito dependentes do preço do combustível, sofreram grandes perdas.

O petróleo bruto não excedia os 70 dólares desde 16 de setembro. Nesse dia chegou aos 72, mas acabou abaixo desse nível. Para encontrar um momento em que o barril de referência na Europa terminará o dia acima de 70 dólares, você precisará voltar a maio passado.

Esse aumento de preço ocorre em um contexto de recuperação do setor nos últimos quatro anos, depois que o barril atingiu seu ponto inicial no início de 2016 abaixo de 30 dólares. Desde então, os países exportadores — encabeçados pela Arábia Saudita e pela Rússia — adotaram uma política de cortes de produção com a qual conseguiram obter o Brent no ano passado entre 60 e 70 dólares.

As tensões no Irã e no Iraque aumentam essa tendência, com efeitos difíceis de calcular por enquanto. Michael Pearce, economista da Capital Economics, acredita que os preços do petróleo subirão “muito mais” se o Irã se vingar da morte de Soleimani atacando as instalações de petróleo sauditas, como fez em setembro, ou tentando bloquear o estreito de Hormuz, onde circulam 20% da oferta global de petróleo, segundo disse ao Financial Times.

O Departamento de Estado dos EUA já alertou no domingo para o risco de Teerã se vingar da morte do homem que foi reverenciado em seu país como um herói atacando instalações de seu grande rival regional, a Arábia Saudita.

*Com informações do El País / Fotos: Reproduções

pt Português
X
EDITORIAS