A transformação começa em nós mesmos

Foto: Pixabay

Da Redação

Falamos o tempo todo sobre a falta de honestidade de muitas pessoas. Apontar os erros dos outros é uma tarefa muito fácil, difícil mesmo é reconhecer o nosso. O famoso ‘jeitinho brasileiro’ está enraizado na cultura do nosso país. E pode ser visto como algo positivo, ou negativo, dependendo da situação. Podemos, diariamente, com iniciativas positivas, mudar este conceito, dando bons exemplos para futuras gerações.

A empregada doméstica Claudete Maria Rosa da Silva foi detida em flagrante, no dia sete de fevereiro, após fingir estar com sintomas do novo coronavírus. A mulher, de 39 anos, buscou uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), em Copacabana. Em depoimento, contou que mentiu sobre a doença para ter preferência no atendimento. O famoso ‘jeitinho brasileiro’ não deve virar desculpa para falta de respeito ou honestidade com o próximo. Precisamos refletir sobre a importância do nosso papel para a construção de um mundo melhor.

Todos os dias presenciamos vários exemplos negativos relacionados à falta de ética e educação: não respeitar o assento preferencial, burlar a fila de poucos itens no supermercado, jogar o seu lixo na rua, furar a fila e não respeitar o pedestre. Necessitamos pensar sobre os motivos que nos fazem cometer tais erros. É necessário questionar nossa postura quando fazemos algo desta natureza e achamos que não está errado.

Vamos mudar este cenário fazendo nossa parte. Respeitar estas simples atitudes fazem toda diferença e podem ajudar a despertar o gatilho para o bom senso em outras pessoas. O meu direito começa, quando o seu termina! E enquanto muitas pessoas não desenvolverem esta consciência, haja paciência!

EDITORIAS