Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Presidente de El Salvador manda Exército invadir Parlamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Sandro Barros

Sob ordens do presidente Nayib Bukele, militares e integrantes da Polícia Nacional Civil (PNC) de El Salvador invadiram, no dia 9 de fevereiro, a sala de sessões da Assembleia Legislativa do país para “pressionar” pela aprovação de um empréstimo de US$ 109 milhões para financiar um plano de segurança. A “sessão” que discutiria a medida havia sido convocada de forma extraordinária pelo próprio presidente para aquele dia. No entanto, poucos deputados apareceram, o que impediu a aprovação. Muitos deixaram a Casa no momento da entrada das Forças Armadas.

Após a invasão militar, Bukele fez um discurso aos apoiadores reunidos na frente do Congresso e “deu” uma semana “de prazo” para que os deputados aprovassem o empréstimo. Caso contrário, mandaria de volta o Exército para o Parlamento. O presidente disse também que os deputados, os quais classificou de “sem-vergonhas” e “delinquentes”, sairiam “pela porta dos fundos” da Assembleia nas próximas eleições, marcadas para fevereiro de 2021.

O financiamento do plano de segurança que, segundo o governo, será usado para combater “gangues” que agem no país, já havia sido rejeitado pelo Legislativo por ter tramitado em caráter de urgência, o que, segundo os deputados, não poderia ter acontecido – faltava o aval da comissão de Fazenda da Casa para tal, e Bukele não tinha os apoios necessários. Segundo os membros da comissão, o governo não explicou como o dinheiro seria gasto. Além disso, acusações de corrupção envolvem membros do gabinete de Bukele.

Com a negativa da Assembleia de aprovar o projeto, o Conselho de Ministros do governo emitiu uma resolução por meio da qual, invocando um artigo da Constituição, convocou a Casa de forma extraordinária para discutir o assunto. Ao mesmo tempo, Bukele convocou uma mobilização na frente do Palácio Legislativo para pressionar e exigir a aprovação do financiamento.

Essa mobilização, chamada de ‘cidadã’ por Bukele, foi convocada com base em um artigo constitucional que permite a “insurreição” como forma de exercer pressão sobre os deputados. Segundo a Constituição, o povo tem direito à “insurreição” para “restabelecer a ordem constitucional alterada pela transgressão de normas relativas à forma de governo ou ao sistema político estabelecido, ou por graves violações aos direitos consagrados na Constituição”.

Até deputados aliados reagiram com indignação à invasão do Parlamento. “Há que se reconhecer que, neste momento, se viram circunstâncias que não haviam sido vistas jamais na história do país”, disse, segundo o jornal La Prensa Gráfica, o deputado Mario Tenorio, do partido do presidente. O líder do PCN (Partido de Concertação Nacional), de orientação conservadora, afirmou, também segundo La Prensa Gráfica, que a agremiação apoia o empréstimo, mas rejeita o uso do Exército para pressionar a votação. “Jamais, nem na minha vida militar, nem durante o conflito armado, nem muito menos na minha vida como deputado, havíamos visto isso”, disse Antonio Almendaríz. (com informações de agências internacionais)

Foto: Reprodução

pt Português
X
Open chat