Técnicas de no poo e lowpoo, você conhece?

Foto: Pixabay

Por Helainy Araujo*

As técnicas que mudaram a forma de cuidar dos cabelos e que são cada vez mais populares entre as onduladas, cacheadas e crespas, foram popularizadas por LorraineMassey, criadora da marca Deva Curl e escritora do livro “Curly Girl Method”. Elas defendem a extinção do uso surfactantes fortes, que são detergentes mais agressivos e estão presentes na maioria dos shampoos.

O sufixo “poo” significa shampoo, e os prefixos “no” e “low” significam o grau de shampoo que se utiliza nas lavagens. Em razão da retirada dos “sulfatos fortes”, os adeptos das técnicas devem abolir o uso de produtos com “petrolatos” (parafina, óleo mineral, vaselina), ingredientes presentes em alguns condicionadores, máscaras e cremes de pentear, uma vez que estes componentes precisam de mais poder tensoativo para saírem dos nossos fios (função que cabe aos detergentes fortes).

O principal objetivo das técnicas é remover menos hidratação, massa e oleosidade natural dos fios durante a lavagem, pois os chamados “sulfatos fortes”, além de retirarem a sujeira e os resíduos depositados nos fios, também retiram os componentes necessários à saúde capilar.

Lowpoo (shampoo suave)
Nesta técnica se utiliza shampoo, porém com surfactantes mais suaves, com capacidade de limpeza eficiente, sem ressecar os fios ou danificá-los ao longo do tempo.

No poo (nenhum shampoo)
Nesta técnica, é abolido o uso de qualquer shampoo e, no seu lugar, se usa condicionadores de limpeza (“cowash”).

As indústrias do setor já se renderam à força desse movimento e hoje o mercado está repleto de produtos denominados “liberados” para as técnicas, que se opõem aos chamados “proibidos”. Isso facilita o acesso aos seguidores das mesmas, que antes precisavam saber ler os rótulos e conhecerem os significados das fórmulas.

Os adeptos das técnicas crescem a cada dia, demonstrando a revolução criada no modo de tratar os cabelos a partir do surgimento dessa verdadeira “ideologia capilar”!

O importante é conhecer seu próprio cabelo e saber do que ele precisa. E se surgir o desejo de aderir às técnicas, deve-se experimentar produtos indicados para seu tipo de cabelo e persistir, pois, em cosmética, os resultados aparecem com o cuidado frequente e consciente.

*Consultora de produtos capilares e advogada – E-mail: helainy.beleza@gmail.com

pt Português
X
EDITORIAS