Chuva causa estragos e mortes no Rio

Por: Franciane Miranda.

O Rio amanheceu com vários bairros alagados. As fortes chuvas que atingiram a cidade deixaram mais uma vez, um rastro de destruição e mortes. A região segue em estado de alerta com previsão de mais chuva.

No total, quatro pessoas perderam suas vidas durante os temporais e uma segue desaparecida. Em Jacarepaguá, na Zona Oeste, onde as chuvas ocorreram com mais intensidade foram duas vítimas; uma em Mesquita, na Baixada Fluminense, e outra em Acari, na Zona Norte. A chuva deste domingo também desalojou 66 pessoas. Várias escolas suspenderam às aulas.

No último domingo (01), o prefeito Marcello Crivella se reuniu com secretários, no Centro de Operações Rio (COR-Rio) para criar um plano que diminuísse os efeitos do temporal. Na sede do COR, ele fez uma transmissão ao vivo pela social e afirmou que todos estavam empenhados para resolver os problemas de forma ágil.

Marcelo Crivella foi ao bairro de Realengo, um dos mais prejudicados pela chuva do domingo (1). Durante a entrevista, uma pessoa não identificada jogou lama no prefeito. Ele reclamou da quantidade de lixo jogada pela população nas ruas: “O importante hoje é que a prefeitura está agindo com todos os seus órgãos para tirar lixo e casas caíram aqui [Realengo]. Mas o mais importante, se vocês querem ajudar a nossa cidade, é conscientizar a população de que não pode jogar lixo nas encostas, não pode jogar lixo nos bueiros, não pode deixar lixo na rua. Esse é o grande problema do Rio de Janeiro”, afirma.

Há previsão de chuva fraca a moderada até quinta-feira (5). As temperaturas se manterão amenas, mas a qualquer momento do dia pode chover. Já na sexta-feira (6), um sistema de alta pressão vai diminuir a nebulosidade e não deve chover.

Trinta sirenes foram acionadas em 16 comunidades em área de risco. Foram elas: Rocinha, Alemão, Joaquim de Queiroz, Morro da Fé, Rua Frey Gaspar, Nova Brasília, Palmeiras, Parque Alvorada, Cariri, Vila Cruzeiro, Rua Mirá, Adeus, Piancó, Sítio Pai João, Comandante Luiz Souto e Espírito Santo.

O Centro de Operações (COR) havia registrado cerca de 150 ocorrências, entre quedas de árvores, alagamentos e bolsões d’água. Segundo a Defesa Civil do Município foram contabilizadas 349 ocorrências desde o início das chuvas no sábado (29) até segunda-feira (2), de março.

A maioria dos chamados aconteceu na Zona Oeste e Norte. No total foram 121 por desabamentos de estrutura; deslizamento de barreiras e encostas: 79; ameaça de desabamento de estrutura: 63; e imóveis com rachadura e infiltração: 31.

Confira a lista dos bairros mais atingidos:
Realengo com 62 ocorrências;
Taquara com 36 ocorrências;
Campo Grande com 31 ocorrências;
Bangu ocorrências 17 ocorrências;
Deodoro com 14 ocorrências;
Tijuca com 11 ocorrências.

Fique atento e siga às dicas em casos de alagamento:
Redobre a atenção ao dirigir e mantenha os faróis acessos;
Permaneça em local seguro e evite áreas com alagamentos;
Não caminhe pelas águas, pois há perigo de correnteza e de ferimentos com objetos, quedas em buracos sob a água, além de risco de doenças;
Não fique próximo à beira de córregos e rios;
Nunca force a passagem de carros em vias alagadas.

A Defesa Civil do Estado (Sedec-RJ) e o Corpo de Bombeiros do RJ  orienta que as pessoas sigam estas recomendações quando houver rajadas de ventos fortes quando você estiver em casa.

Preste atenção nas dicas em casa:
Feche as janelas, basculantes e portas de armários para evitar canalizações de ventos no interior de casa. Persianas, cortinas ou blecautes também devem estar fechados para evitar que estilhaços se espalhem no caso de alguma janela quebrar;
Aparelhos elétricos e registro de gás devem estar fechados. Dessa forma, não há agravamento em caso de queda de árvore;
Evite deixar objetos que possam cair em locais altos;
Mantenha as árvores do jardim ou do quintal sempre podadas e bem cuidadas;
Fique atento: se houver falta de luz, cuidado com o uso de velas para evitar incêndios.

As dicas, caso você esteja na rua:
Não se abrigue debaixo de árvores ou de coberturas metálicas;
Evite a prática de esportes ao ar livre, especialmente, no mar;
Evite ficar próximo a precipícios, encostas ou lugares altos sem proteção;
Evite passar sob cabos elétricos, outdoors, andaimes, escadas;
Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda;
Não queime lixo, não ateie fogo em terrenos para remover vegetação, não acenda fogueiras ou jogue bitucas de cigarros em estradas ou terrenos com mata;
Fique atento: caso haja queda de árvore, é possível que a rede de energia tenha sido rompida. Nesta situação, há risco de acidentes causados por raios.

Durante os temporais a recomendação é:
Adie compromissos;
Permaneça em local seguro;
Só se desloque se estiver em área de risco ou em caso de extrema necessidade;
Ofereça abrigo a amigos e familiares.

Lista dos telefones para emergência:
Bombeiros: 193
Polícia: 190
Ambulância: 192
Defesa Civil: 199

pt Português
X
EDITORIAS