Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Falta de controle financeiro do TSE incentiva a corrupção

Foto: TSE/Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Alessandro Monteiro

Em fevereiro, foi detectada nova falha no sistema de cobrança de multas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com sistema operacional arcaico e executado manualmente para alguns casos, o TSE não consegue deter o controle dos débitos em vigência. A falha é grave, pois não existe cobrança e controle de quem deve ou paga. Segundo informações, o orçamento do TSE para 2020, ano de eleições, é de R$ 2,1 bilhões.

Cabe ainda a este ramo da Justiça fiscalizar R$ 959 milhões do Fundo Partidário e outros R$ 2 bilhões do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Logo, se fosse imediata a regularização do sistema, os recursos estariam bem mais inchados para segurar os custos.

A falta nos controles de quem deve ou paga e a política do “clientelismo” também resulta na impunidade dos políticos brasileiros. ONGs, muitas vezes criadas como fachada para concessão de empregos, benefícios fiscais, doações e consultas médicas, estão na verdade ligadas diretamente à venda de apoio político em troca de algum favorecimento, neste caso, o voto. 2020 é ano de eleição, período em que essas relações de troca ocorrem com frequência.

Em 2018, um grupo de pesquisadores da FGV publicou um estudo mostrando que somente 0,6% dos crimes de políticos apurados no STF resultaram em condenação e 65% de todos os processos lá registrados sequer chagaram a ser julgados. Além dos crimes eleitorais prescreverem antes, eles também acabam esquecidos pelo fato dos envolvidos deixarem seus cargos públicos. A corrupção e escândalos que envolvem as esferas públicas do Brasil têm se tornado cada vez mais comuns e corriqueiras para nós.

Em 2010 foi criada a Lei da Ficha Limpa, que visa maior rigor para as candidaturas políticas e no combate à corrupção, ampliando de três para oito anos o veto às candidaturas de governadores e de prefeitos que perderam os cargos eletivos por violação à Constituição Estadual ou à Lei Orgânica do Município.

A impunidade parece estar associada a uma espécie de tolerância à corrupção, sendo necessário repensar a forma de como o país está sendo direcionando. Nas urnas, na fiscalização e na cobrança de maior efetividade da lei. Talvez assim voltaremos a ter um país mais saudável politicamente, com menos impunidade, violência e, consequentemente, corrupção.

pt Português
X
Open chat