Palavras ao vento, população ao relento

Foto: Agência Brasil

Da Redação

A cada semana uma história. A política no Brasil parece coisa de novela. Há sempre um personagem falando coisa que nem de longe é o que a população – e seu eleitor – gostaria de ouvir. São assuntos e posicionamentos que até Deus duvida. Isso em todos os âmbitos.

Uma das últimas pérolas do prefeito Marcello Crivella foi dizer que a população em parte tem culpa de ocorrerem enchentes no Rio quando a chuva é intensa, porque muitos optam por morar perto de talvegues (linha mais profunda no leito de um rio). “As pessoas gostam de morar ali perto porque gastam menos tubos para colocar cocô e xixi e ficar livre daquilo”, declarou ele nas redes sociais.

Já o governador Wilson prefere direcionar seu discurso para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, que teria usado seu celular pessoal para distribuir mensagens convocando para manifestações que ocorrerão em 15 de março, em apoio ao governo e pedindo o fechamento do Congresso Nacional. Bolsonaro nega a divulgação de mensagens. O governador do Rio, por sua vez, também se vê às voltas com um pedido de impeachment contra ele mesmo protocolado na Alerj. Ele é acusado por sete deputados do PFL de montar um esquema para espionar a vida de 70 parlamentares.

Enquanto os mandatários do poder público – municipal, estadual e federal – trocam farpas e acusações, a população segue à míngua lidando com hospitais sem as mínimas condições de atendimento, falta de segurança e ‘balas perdidas’, ruas alagadas e vidas perdidas por conta das ‘surpreendentes’ chuvas de fevereiro e março… Haja paciência!

pt Português
X
EDITORIAS