Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Trump não faz promessa sobre tarifas, mas diz que EUA amam Bolsonaro

Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Sandro Barros

Donald Trump jantou lado a lado com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no dia 7 de março. O encontro foi na Flórida, no complexo de férias de Mar-a-Lago, a que o mandatário estaduniense gosta de se referir como “a Casa Branca do sul”. Numa mesa grande, com outros participantes, como o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Trump colocou Bolsonaro ao seu lado e trocou afagos públicos, afirmando que o Brasil e os EUA “amam” o mandatário brasileiro. Donald Trump elogiou Bolsonaro e disse que “amizade” entre os dois “países está mais forte do que nunca”. Entretanto, ao ser perguntado por um repórter estaduniense se os EUA iriam impor novas tarifas ao aço e alumínio brasileiros, ele disse que não poderia fazer “promessas”.

O comunicado da Casa Branca, que detalhava a pauta do encontro antes do jantar, não mencionava essas tarifas. Em comunicado conjunto, eles anunciaram que ”trabalham por um pacote bilateral de comércio este ano, visando à intensificação da parceria econômica entre os seus dois países”, e especialmente, a reiteração de apoio dos Estados Unidos ao início de processo de entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Trump disse ainda que o Brasil estava “fazendo as coisas bem” e tinha dado uma “virada” com Bolsonaro. O presidente brasileiro respondeu então que “se inspirava em algumas coisas” em Trump.

Quarto encontro entre os presidentes

No campo diplomático, os dois países reiteraram o apoio ao papel de Juan Guaidó como presidente da Venezuela, além do apoio “aos esforços da Bolívia para a realização de eleições livres e justas”, diz comunicado conjunto dos dois países. A crise na Venezuela é uma prioridade da administração Trump na América Latina. O Brasil está alinhado à estratégia de Washington de isolamento total ao regime de Nicolás Maduro. Os dois também assumiram compromisso com a paz no Oriente Médio.

Esta é a quarta viagem de Bolsonaro aos EUA desde que assumiu a presidência. Essa também é a quarta vez que Trump e o presidente brasileiro se encontram. Em março de 2019, Bolsonaro foi recebido na Casa Branca; em junho, os líderes se reuniram no Japão, na cúpula do G20; e, em setembro, na Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

Para Bolsonaro, a viagem também foi uma oportunidade de se reunir com empresários à procura de investimentos. O Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 de 1,1% (contra 1,3% em 2018 e 2017) anunciado no dia 4 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a ameaça de uma queda global provocada pelo coronavírus, ameaçam levar o país a grave crise econômica, superando inclusive a recessão de 2015 e 2016. (com informações de agências)

pt Português
X
Open chat