Turismo traz conhecimento, diversão e acessibilidade

Fotos: Divulgação

Por Franciane Miranda

O estresse causado pelos grandes centros urbanos tem aumentado a busca pelo contato com a natureza. O turismo ecológico procura conciliar esta atividade com o meio ambiente, e ao mesmo tempo, desenvolver a consciência ecológica nas pessoas que desejam descansar e contemplar paisagens paradisíacas.

O Brasil se destaca por suas riquezas naturais e sua enorme extensão territorial. Com vários biomas riquíssimos em biodiversidade, torna o país o local ideal para prática do ecoturismo. Estes passeios, além de promover em o bem bem-estar, desenvolvem conhecimento sobre a fauna, flora, geografia, história e biologia. Estes roteiros também favorecem a economia das comunidades que ficam próximas às áreas de preservação.

A cidade do Rio de Janeiro é privilegiada com o Parque Nacional da Tijuca, a maior floresta urbana do mundo, recebendo anualmente mais de dois milhões de visitantes. A necessidade das pessoas se conectarem fez o parque levar o título de mais visitado do país. Ideal para quem quer aproveitar seu tempo livre em plena harmonia e contato com a natureza. Não só a capital do Rio, mas o Estado oferece várias opções de lazer com o verde.

Os guias Adriano Gomes e Charles Gomes, responsáveis pelo projeto Desbrava Rotas realizam passeios pela Pedra da Gávea, Pico da Tijuca, Travessia Petrópolis X Teresópolis e rapel na Cachoeira do Mendanha, descrevem que este turismo tem crescido cada dia mais. Os profissionais explicam que muitos dos participantes buscam tais passeios para relaxar, por apresentarem um estado de ansiedade, ou estresse. Eles dizem que as pessoas relatam melhoras ao final das atividades. Atriz e professora de teatro, Ana Luz Souza confirma os bons resultados: “Nesses lugares conseguimos nos abastecer e equilibrar nossas energias. A boa saúde mental é a fronteira para ter uma vida saudável”.

A prática de lazer ligada à natureza pode ser adotada por qualquer pessoa. É importante ressaltarmos que existem atividades com percursos mais complicados e outros mais simples. Estas podem ser praticadas até por crianças ou por alguém que tenha algum tipo de deficiência. Precisa avaliar de qual você gosta mais e buscar um guia capacitado que possa lhe auxiliar durante a jornada.

Outro tema fundamental trata da participação e acessibilidade das pessoas com deficiência nesses programas. Os montanhistas explicam o quanto é importante incluí-las nestas atividades turísticas. Eles falam que realizam roteiro adaptado para deficientes visuais e paraplégicos, com um rapel para cadeirantes no Morro da Urca. Estas ocupações os ajudam na inclusão social, além de levarem igualdade. Ana também reforça esse conceito de harmonia com o ambiente e as pessoas: “Conseguimos quebrar as barreiras sociais e o que importa é a sua presença”.

A preservação do meio ambiente tem sido uma das principais preocupações na atualidade. A equipe do Desbrava Rotas trabalha neste sentido e procura desenvolver a sensibilidade das pessoas. Contam com historiadores e biólogos que transformam a diversão em um momento de aprendizado. A experiência ajuda a criar a consciência ecológica em quem participa dos passeios. A também administradora Ana Luz, concorda: “Essas atividades são uma excelente oportunidade para o desenvolvimento da consciência ambiental. Além disso, o bem estar proporcionado o faz querer voltar. E, para voltar, temos que preservar esses locais”.

Segundo ele, o passeio educativo é comandado pela bióloga Joana Athayde, que participa de alguns roteiros específicos. O percurso é realizado em Niterói, no Parque da Cidade. A trilha é ótima para crianças, pois ao final elas podem fazer um rapel. Joana faz parcerias com algumas escolas levando alunos para realizar estes programas educativos. No percurso, mostra toda a parte biológica da fauna e da flora local.

Para os aventureiros que buscam trilhas mais complexas e longas, a turma do Desbrava Rotas faz um alerta sobre o quanto é essencial buscar um guia que possua conhecimento adequado para realizar determinado tipo de lazer: “Para atividades de rapel é necessário que o especialista tenha feito cursos específicos de primeiros socorros, escalada ou curso de montanhismo”.

No Rio, a trilha da Pedra da Gávea encanta por sua vista deslumbrante. Ela é uma das mais conhecidas do Rio com 842 metros de altitude. Infelizmente, conta com uma triste estatística: a montanha possui o maior índice de acidentes no Brasil, com alto número de mortes. A maioria ligada à negligência de muitos, que sobem sem experiência ou instrução adequada. A equipe faz um alerta para que as pessoas não se aventurem sem um profissional indicam.

É importante que você siga as regras do guia, preserve o meio ambiente e divirta-se!

.
EDITORIAS