Em meio à crise, comunidades são alvos de atenção

Foto: Reprodução

Por Franciane Miranda

As comunidades cariocas são alvo de preocupação do governo neste momento de pandemia devido à falta de estrutura social. A proximidade das casas possibilita a conversa entre vizinhos, parentes e amigos. Em uma comunidade de Santa Teresa, bairro central do Rio de Janeiro, os moradores continuam circulando. As crianças seguem brincando nas vielas, jogando bola na quadra e frequentando o comércio local. Tudo parece seguir na normalidade.

O alerta de sirenes no local pedindo para que as pessoas evitem sair de casa parece não ser suficiente para conscientizar a todos. Uma atitude preocupante, pois até o fechamento desta edição 53 bairros registravam casos confirmados de Covid-19. Os entrevistados detalham que estão bem informados e seguem as orientações. É notável que todas as instruções não estão sendo seguidas pela maioria da população. Com relação ao distanciamento, considerado essencial para combater o vírus, na prática nem todos seguem à risca.

Já falamos várias vezes sobre a importância do isolamento, quarentena e distanciamento social. Mas você sabe o que isso significa? Vamos detalhar para você! O isolamento é prescrito pelo médico quando a pessoa foi diagnosticada com o vírus. Já a quarentena é recomendada para quem manteve contato com alguém doente e todos que estavam próximos precisam ficar em quarentena para constatar se apresentam sintomas. Já o distanciamento envolve todas as atitudes que você toma para diminuir o risco de transmissão. É importante evitar o contato entre as pessoas, assim você não vai correr o risco de ficar em quarentena e, desta forma, limitará as chances de terminar do pior modo: no isolamento.

A dona de casa Verônica Neci é hipertensa e afirmou que não está recebendo amigos em sua residência, apenas os seus familiares, mas acredita que o vírus vai chegar onde mora, pois muitos trabalhadores saem todos os dias e isso representa um risco para todos. “Não devemos sair porque em comunidades a chance de pegar é muito maior”. Ela nos diz que segue as principais recomendações de higiene para evitar o contágio.

O faxineiro José Clovis Santos contou sentir medo, pois continua trabalhando normalmente. Ele disse que faz a sua parte seguindo as orientações e alerta. “Não é apenas um ‘resfriado’, é algo preocupante para todos nós. Devemos ter consciência da gravidade e nos preocuparmos para que esses números não aumentem , argumenta José.

Secretaria orienta moradores

Reunião entre secretário estadual de Saúde Edmar Santos e líderes comunitários (Foto: Maurício Bazílio/SES)

A falta de estrutura social que estas áreas enfrentam favorece a proliferação da doença. Para conscientizar a população, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) nos informou que segue esclarecendo. “Equipes orientam para que as pessoas evitem sair de casa, se possível, e detalham a correta higienização pessoal e do ambiente, como o uso de água sanitária para a limpeza da casa”, detalha. A SMS especifica que a Atenção Primária está encarregada pelo atendimento das ocorrências simples, orientação e entrega de atestados para isolamento, quando necessário. Atualmente a rede atende 4,6 milhões de pessoas.

A comunidade Cidade de Deus localizada próximo da Barra da Tijuca, um dos bairros mais afetados do Rio, foi a primeira a registrar um caso da doença. Quando ocorre a contaminação, a SMS orienta que seja reservado um cômodo da casa para o paciente e, caso o espaço seja pequeno, todos precisam manter “pelo menos um metro de distância dos demais moradores”.

No dia 25 de março, Edmar Santos, secretário estadual de Saúde, recebeu 40 representantes de comunidades para dialogar sobre iniciativas voltadas para as pessoas mais necessitadas. Entre as medidas discutidas está a entrega de cestas básicas e ações para não haver corte de serviços básicos, como água e luz. Estas são consideradas essenciais para ajudar no combate ao Covid-19. O secretário também destacou entre as propostas a possibilidade de abrigar moradores classificados nos grupos de risco em navios da Marinha.

EDITORIAS