Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

O círculo vicioso da impunidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Alessandro Monteiro

Numa rápida análise, em 2007, na gestão do presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, quando o Brasil se candidatou para receber a Copa, apoiado pelo Ministro do Esporte da época, Orlando Silva, a dupla foi enfática ao relatar que os estádios seriam erguidos exclusivamente com dinheiro privado.

Estamos em 2020 e a realidade é cruel, muito distante do prometido. Mais de 8 bilhões de dinheiro público gasto na construção de arenas e tantas obras de recuperação que não havia necessidade de demolição, à exemplo, o Estádio do Maracanã, uma obra superfaturada em 211 milhões, que até hoje está passível de investigação e nada  e tantos outros milhões de reais desviados em OS’S de serviços.

A Cidade Olímpica se transformou num grande elefante branco, abrigando entulhos, sucatas e no verão servindo apenas vitrine para mega shows de axé e sertanejos, cujos valores jamais foram revertidos para melhorias da educação e saúde.

O elefante branco que se transformou a Cidade Olímpica, hoje abriga entulhos, que entregue as traças, servindo apenas para arena de mega shows, cujos valores arregrados pelo governo jamais foram destinados a educação e à saúde.

Enquanto o prefeito Marcelo Crivella transfere idosos   que moram em comunidades para muitos dos hotéis  particulares da cidade  onerando os caixas públicos , 04 anos após os Jogos Olímpicos, centenas dos apartamentos com toda infraestrutura da Ilha Pura, localizado também na Zona Oeste,  local escolhido para abrigar ser a Vila dos Atletas, permanece entregue as moscas.

Uma construção com mais de 3.000 apartamentos de 50 a 70 metrôs, 2, 3 quartos e muitas coberturas, completamente vazios. Em tempos de crise e recessão, será que não um acordo com a construtora Carvalho Hosken, empresa responsável pelo empreendimento?

Novamente a inconsequência, falta de planejamento financeiro e de gestão implicarão em sérios problemas futuramente. Enquanto isso, a verba que seria destinada à saúde, escoa pelo ralo da impunidade e da falta de fiscalização.

Preocupante também é o gasto atual do Governo do Estado do Rio, que já passa 1 bilhão de reais alegando o combate ao cornavírus. Os contratos fechados sem licitação, por estarem diretamente ligados a crise da saúde, geram grandes falhas na administração de OS’s, gerando mais prejuízo e desvio de verbas.

Logo, novamente estamos reféns do círculo vicioso e vergonhoso da corrupção e impunidade no Brasil.

Enfim, apertem os cintos, porque o momento é de incertezas, insultos ao ódio, liderados pela cobiça, e disputas de poder, cuja estimativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT),  6,7% das horas de trabalho desaparecerão no mundo durante o segundo trimestre de 2020, o que equivale a 195 milhões de empregos em tempo integral.

 

pt Português
X
Open chat