Pandemia impõe cortes orçamentários no futebol

Foto: Reprodução

Por Sandro Barros

O futebol e o esporte como um todo serão fortemente impactados pelo Covid-19. De acordo com análise feita pelo Ibracon (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil), a dimensão dos danos será proporcional à duração da pandemia, causando pesados prejuízos a atletas e equipes. No futebol brasileiro, por ser o esporte mais popular e rico do país, o problema fica mais nítido.

“Avaliamos três cenários possíveis: um de curto prazo, com a quarentena durando um mês; um de médio prazo, caso se estenda até junho; e um de longo prazo, caso ultrapasse junho. Dependendo do cenário, o esporte será fortemente impactado, assim como diversos setores da sociedade. Por isso, neste momento, é fundamental as equipes reverem seus planos estratégicos e orçamentos”, explica Carlos Aragaki, coordenador do Ibracon.

Na análise feita pelo Ibracon, os cenários trazem impactos financeiros drásticos: contratos de TV, patrocinadores, programas de sócio torcedor, vínculos de atletas, bilheteria e premiações ficam sob suspense enquanto a bola não volta a rolar. “Apesar desse cenário desfavorável para as receitas, a solução virá nas renegociações de contratos e acordos. Contudo, questões envolvendo os custos serão mais difíceis de resolver, pois envolvem, por exemplo, renegociação de salários de atletas e impostos”, diz Aragaki.

No Rio, o Flamengo mantém o salário integral de abril e já informou que, caso a interrupção de jogos dure até três meses, o impacto não representará risco para as finanças do clube. O Botafogo, que do exercício de 2020 pagou só janeiro, decidiu que não mexerá no salário dos jogadores. O Vasco conseguiu finalmente, no início de abril, encerrar os compromissos relativos a 2019. Em relação aos salários, o clube diz que irá negociar com cada atleta. Quanto ao Fluminense, o clube fez um acordo com seu elenco: os jogadores vão receber 15% a menos em março. Já em abril, o pagamento será integral, pelas férias coletivas e, em maio, a redução será de 25% dos vencimentos.

pt Português
X
EDITORIAS