Vigilância faz inspeção em supermercados e padarias no Rio

Objetivo é cumprir regras de prevenção e combate ao coronavírus

A Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses da Prefeitura do Rio de Janeiro começou hoje (20) a fazer inspeções em supermercados, mercados, hortifrútis e padarias. A intenção é o cumprimento das novas regras de prevenção e combate ao coronavírus previstas para o setor de alimentação.

Os fiscais vão verificar, por exemplo, se os estabelecimentos disponibilizam álcool 70% em gel já na entrada para a limpeza das mãos. Os locais precisam ainda manter lixeira apropriada para o descarte de máscaras usadas pelo consumidor. Os agentes vão orientar também sobre a higienização obrigatória dos carrinhos e das cestas. Deve ser evitado o autoatendimento na venda de pães.

O superintendente de Educação da Vigilância Sanitária, Flávio Graça, destacou que o órgão investiu em ações educativas, preparando os estabelecimentos para as medidas preventivas que serão agora supervisionadas pelas equipes.

Na última sexta-feira, foi realizada uma palestra online que para mais de 50 profissionais que atuam no ramo de alimentação, entre eles, representantes da associação de panificadoras do município, médicos-veterinários de cooperativas, responsáveis técnicos, nutricionistas e donos de comércio.

“A iniciativa foi muito bem recebida e já estamos organizando palestras para outros segmentos. Como tudo é novo em relação à covid-19, os protocolos de prevenção e combate acabam mudando, exigindo atualização constante”, disse o superintendente.

Entre as medidas específicas de rotina de higiene estão a limitação de acesso a uma pessoa por família; a demarcação do piso com sinalizadores para manter o distanciamento de um metro e meio entre os clientes; e o controle do número de pessoas para evitar aglomerações.

A coordenadora de Alimentos da Vigilância Aline Borges disse que as medidas são fundamentais para avançar na prevenção e minimizar os riscos de contaminação. Ela ponderou, entretanto, que precisam ser adotadas de forma correta, de acordo com os protocolos higiênico-sanitários.

“Para que o comércio se ajuste às novas práticas, começamos com orientações como as que envolvem a limpeza dos carrinhos e das superfícies, que são os pontos de maior contaminação, que exigem higienização constante.”

Com informações e foto da Agência Brasil

pt Português
X
EDITORIAS