“A sua polícia matou uma família inteira”, diz pai de João Pedro a Witzel

O pai de João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, assassinado nesta segunda-feira (18), culpou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), pela morte do menino. “Senhor governador, a sua polícia não matou só um jovem de 14 anos com um sonho e projetos, a sua polícia matou uma família completa, matou um pai, matou uma mãe, matou uma mãe e o João Pedro. Foi isso que a sua polícia fez com a minha vida”, disse Neilton Pinto, em entrevista à TV Globo.

João Pedro foi morto em casa, durante uma operação das Polícias Federal e Civil no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na noite desta segunda-feira (18). De acordo com relatos, os policiais jogaram granadas e atiraram contra a casa. A versão da Polícia Civil afirma que o adolescente foi atingido durante confronto na comunidade enquanto agentes federais e civis atuavam na região. Ele morava na Praia da Luz, no bairro de Itaoca.

“Um jovem de 14 anos, um jovem com um futuro brilhante pela frente, que já sabia o que queria do seu futuro. Mas, infelizmente a polícia interrompeu o sonho do meu filho. A polícia chegou lá de uma maneira cruel, atirando, jogando granada, sem perguntar quem era”, lamentou o pai.

João Pedro também foi levado no helicóptero da polícia, sem o consentimento da família, que só teve conhecimento da morte do rapaz na manhã desta terça-feira (19). Após uma busca em diversos hospitais, o corpo do adolescente foi encontrado no Instituto Médico Legal (IML) de São Gonçalo.

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) instaurou inquérito para apurar a morte do adolescente. Foi realizada perícia no local e duas testemunhas prestaram depoimento. Os policiais foram ouvidos e as armas apreendidas para confronto balístico.

Com  informações RedeBrasil

 

pt Português
X
EDITORIAS