Higiene capilar na pandemia

Foto: Pixabay

Higiene pessoal é algo indispensável para nossa saúde. E em tempos de pandemia, essa prática pode ser a diferença entre estar saudável e estar doente. Muito tem se falado sobre os perigos dos vírus se alojarem nas roupas, calçados e também nos cabelos e barbas.

Desta forma, a higiene dos cabelos, que é essencial para mantê-los saudáveis, torna-se ainda mais importante neste período onde o vírus se espalha de forma descontrolada e invisível.

Sabemos que usar produtos adequados ao tipo de cabelo, que não causem alergias e ressecamentos, é uma tarefa muitas vezes árdua. Os adeptos das técnicas No e Low Poo decidiram retirar os surfactantes, presentes na maioria dos shampoos, de suas rotinas de higiene capilar, o que deixa os fios mais expostos à ação dos vírus. Isso porque é a ação do sulfato, presente nos higienizadores, que promove a destruição do vírus presente nas superfícies.

Assim, os shampoos são responsáveis por limpar os fios. Retiram a oleosidade, o suor, a descamação das células do couro cabeludo, os resíduos de poluição e de outros produtos capilares. Eles dilatam as cutículas dos fios para que o tratamento penetre com mais eficácia, desequilibrando o pH para que o mesmo voltem a ser equilibrados pelo condicionador ou pela máscara de tratamento.

Os principais componentes do shampoo são detergentes ou tensoativos, estabilizadores de espuma, condicionadores, conservantes, agentes corretivos, fragrâncias e corantes. Os shampoos com mais qualidade e tecnologia possuem também ativos complementares para direcionar sua ação, seja controladores de oleosidade, hidratantes e substâncias anti-inflamatórias, entre outros.

Outro fator determinante na limpeza dos cabelos é o tipo de cabelo e a região na qual se vive. Isso porque existem fatores individuais e ambientais que influenciam na oleosidade e ressecamento dos fios. Em regiões mais úmidas, como Rio de Janeiro, por exemplo, as pessoas podem lavar os cabelos todos os dias, especialmente aquelas que têm a raiz oleosa e fios finos. Pessoas mais maduras, mulheres na pós-menopausa, aquelas com cabelos cacheados e crespos e as que possuem fios ressecados, em geral, lavam menos, pois o sebo não se distribui uniformemente da raiz à haste, seja pela baixa produção ou pelo formato do fio ser encaracolado.

Em tempos normais, é importante evitar o excesso de detergente que os shampoos contêm, bem como devemos evitar a aplicação do produto diretamente nos fios, nos concentrando apenas no couro cabeludo e levando a espuma para o comprimento. Mas em tempos de pandemia é essencial o uso dos surfactantes também na extensão do cabelo para garantir que os mesmos estão livres da presença de vírus.

.
EDITORIAS