A saúde global mudou à medida que as pessoas em países de baixa renda vivem mais

Segundo Justine Davies, da Global Health, Institute for Applied Research, University of Birmingham, até 2050 a maioria dos idosos do mundo estarão vivendo em países em desenvolvimento. Mas o envelhecimento da população significa doenças crônicas e a multimorbidade aumentará.

Com o envelhecimento, surgem muitos benefícios, incluindo liberdade, sabedoria e, em muitas culturas, o respeito. Infelizmente, a desvantagem é que o envelhecimento também traz doenças médicas. Muitas pessoas em países ricos têm várias condições crônicas coexistentes. Isso é conhecido como multimorbidade. Em 2016, as condições crônicas representaram mais de dois terços das mortes em todo o mundo onde muitas dessas pessoas tinham mais de uma condição.

O conceito de multimorbidade é bem conhecido pelos profissionais de saúde em países de alta renda, onde há um grande número de idosos. Nas partes mais pobres do mundo, como a África, as populações são mais jovens, onde é o foco da assistência médica, como doenças infecciosas e problemas de saúde materno-infantil.

Mas o mundo está mudando. O número de idosos em países de baixa renda está crescendo, mas os sistemas de saúde desses países não foram projetados para atender pessoas com condições crônicas.

O impacto da multimorbidade em indivíduos que vivem em países de baixa renda é substancial. O desenvolvimento do sistema de saúde precisará de habilidades, instalações, políticas e recursos médicos para cuidar de indivíduos com múltiplas condições crônicas.

Investimentos anteriores em desafios da saúde em países de baixa renda estão valendo a pena: menos mulheres estão morrendo no parto, mais crianças estão atingindo a idade adulta e as pessoas estão vivendo vida mais longa com o HIV. Entretanto, pesquisas mostram que a combinação de condições de saúde mental e condições físicas é mais comum entre mulheres do que homens.

A maioria dos fundos de pesquisa ainda se destina a doenças infecciosas e aquelas que afetam jovens, predominantemente mães e crianças pequenas. Grandes melhorias foram feitas no combate às doenças infecciosas e às que afetam as pessoas mais jovens. Porém, os países de baixa renda ainda estão lutando com essas condições, além de uma carga crescente de doenças crônicas e de multimorbidade. Esse duplo ônus da doença está sobrecarregando os serviços de saúde.

Isso é especialmente pertinente, uma vez que os serviços de saúde em muitos países em desenvolvimento não estão organizados para atender pacientes com múltiplas condições crônicas. Ainda faltam fatores de serviço de saúde ─ sistemas de acompanhamento e disponibilidade de médicos ou enfermeiros, por exemplo ─ necessários para cuidar de pacientes com multimorbidade. Existem também barreiras do lado do paciente para o atendimento ─ como, por exemplo, a compreensão das condições crônicas e seu tratamento. Esses fatores culminam em outras descobertas não publicadas de nosso estudo: que menos de 10% das pessoas com condições crônicas de hipertensão ou diabetes tiveram suas condições adequadamente gerenciadas.

O fato de que as condições não estão sendo adequadamente tratadas e a associação com os resultados que são importantes para os pacientes ─ qualidade de vida, função física e incapacidade ─ significam que, sem o rápido desenvolvimento de serviços de saúde adequados para prevenir e gerenciar, a multimorbidade será especialmente devastadora nesses locais.

Este artigo foi republicado da The Conversation sob licença Creative Commons. Leia o artigo original.

pt Português
X
EDITORIAS