Um Rio que desce ladeira abaixo

Foto: Reprodução

Por Alessandro Monteiro

Funcionários do Hospital Estadual Anchieta, organizado para ser referência no tratamento da Covid-19 voltaram a denunciar a falta de salários, auxílio transporte, medicamentos e condições básicas para atendimento aos pacientes infectados.

Parece um caminho sem fim, a incompetência dos governos Estadual e Municipal, quando assunto é Gestão Pública. Além dos esquemas de corrupção denunciados e a dança das cadeiras nos cargos do secretariado público, é gritante as mazelas causadas a população nesses três meses de quarentena.

A falta de transparência de ambos também só gera mais polêmicas e sequelas ao povo que também sofre com o desemprego e fome. Na última semana, os dados oficiais do governo que emite o boletim diário da pandemia foram retirados do ar pela manipulação e a falta de transparência dos números divulgados.

Na última terça-feira (09), a Polícia Federal cumpriu 25 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de integrar novo esquema de fraudes em licitações do Fundo Municipal de Saúde. A investigação identificou que as fraudes ocorreram em despesas de licitação realizadas para aquisição de medicamentos, EPIs (equipamentos de proteção individual), testes rápidos para detecção do covid-19, locação de equipamentos e insumos hospitalares e contratação de empresa para montagem de hospital de campanha.

Até o momento, o prejuízo aos cofres públicos do estado já ultrapassa R$ 4,7 milhões de reais. Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na Prefeitura Municipal de Carapebus, na Secretaria Municipal de Saúde e no endereço do Fundo Municipal.
Crivella e Witzel parecem brincar com dinheiro público e elevar ainda mais a crise no Estado. Além de tudo que já falamos nas edições anteriores, essa semana também foram descobertas compras irregulares de medicamentos que conforme análise, não possuem eficácia por terem sido adulterados.

As Upas continuam entregues ao milagre. Nos bairros de Copacabana, Botafogo, Madureira e Barra, falta tudo, desde soro até profissionais para atendimento e consequentemente diagnósticos, exames e encaminhamentos. A falha também acontece nos testes para detecção do coronavírus que escassos, viraram o grande calcanhar de Aquiles do enfrentamento da epidemia pela baixa, comparada a outros países.

A Organização Social (OS) Instituto de Atenção Básico à Saúde (Iabas) foi afastada da construção de hospitais de campanha no Rio de Janeiro na quarta-feira (03), que por determinação de Witzel por meio decreto, anula o contrato e todos os termos aditivos suspeitos de irregularidades.

No início desta semana, 69 deputados da Assembleia Legislativa do Rio votaram favorável pela abertura de um processo de Impeachment com base nas denúncias contra o Estado até o momento e após reunirem novos dossiês na segunda-feira (08), que trazem mais irregularidades de superfaturamento, compras irregulares e desvio de verba pública.

A votação está prevista para aqui um mês e meio. Porém já surgem boatos nos corredores do Palácio Guanabara sobre uma possível renúncia do atual governador Witzel. Aguardamos então, as cenas dos próximos capítulos de mais um esquema milionário de corrupção no Rio.

.
EDITORIAS