Em análise

Foto: Reprodução

Completando quase 5 meses de quarentena é inadmissível, assistir diariamente o cotidiano de milhares de brasileiros, ainda nas filas para receber a primeira parcela do auxílio emergencial. Um benefício criado polo governo federal, cujo objetivo principal era matar a fome da população durante a pandemia, virou um pesadelo para muitos.
O projeto anunciado em março, atenderia cerca de 65 milhões de brasileiros, porém até o momento, ainda existem 850 mil trabalhadores informais e desempregados aguardando informações e justificativas pelos mais variados erros no sistema. Para muitos, o processo ainda continua em análise ou inadimplência, no cadastro, que por muitas vezes é improcedente.
Por outro lado, 620 mil brasileiros receberam indevidamente o auxílio, dentre eles 400 mil funcionários públicos. Outra parte, eram militares, presidiários e brasileiros que moram no exterior.
Na quarta-feira (22), o governo anunciou que excluiu do auxílio emergencial 565 mil pessoas. Na lista estão presos e brasileiros que moram no exterior. O grupo de quem recebeu indevidamente tem quase 400 mil funcionários públicos.
Em 22 de julho, foi liberado o pagamento da 4ª. Parcela, que muitos ainda almejam receber a primeira. A falta respeito com o cidadão, ultrapassa todos os limites da ética e da cidadania. A fome tem urgência para , centenas, milhares que além de não estarem nos cálculos da estatística do país, continuarão passando despercebidos e sofrendo na pele, todas as inconsequências das políticas de governo do Brasil, que busca favorecer somente aos bilionários esquemas de corrupção, liderados por meia dúzia de políticos influentes do país.

pt Português
X
EDITORIAS