Cirurgia Robótica – Especialista explica as vantagens em tempos de pandemia

Foto: Divulgação

Por Alessandro Monteiro

A cirurgia robótica na urologia é hoje uma técnica importante que reduz o tempo de permanência do paciente em um centro cirúrgico, é menos invasiva e garante uma recuperação mais rápida. O mercado de cirurgia robótica no país apresenta números importantes. No Brasil, em 2018, foram realizados mais de 8 mil procedimentos em todo o território nacional antes 450 cirurgias realizadas em 2011, aponta o estudo da Intuitive Surgical.

Especialista no assunto, o Dr. Raphael Rocha é um dos pioneiros da técnica no país. Rocha participou da implementação da cirurgia robótica no Hospital Samaritano, estabelecendo o pioneirismo da técnica no Rio de Janeiro. Hoje, acumula experiência de mais de 1.000 procedimentos robóticos realizados com total segurança para os pacientes.

  • Quais as aplicações da Cirurgia Robótica na medicina?

A cirurgia robótica hoje basicamente é utilizada para fazer as principais cirurgias das diversas especialidades médicas, entre elas ginecologia, cirurgia geral, coloproctologia, cirurgia torácica e na minha especialidade, a urologia. Essas cirurgias, as principais feitas por robô, são as cirurgias oncológicas e, na urologia, a principal de tratamento de próstata, que é a remoção feita por robô. Mas é uma tecnologia usada para remoção de outros tipos de câncer, como intestino ou útero e cirurgias reconstrutivas dentro da cavidade abdominal e dentro da cavidade torácica.

  •  Afinal, o Robô opera sozinho?

O robô não opera sozinho. Na verdade, ele é um instrumento tecnológico que reproduz com precisão todos os movimentos da mão do cirurgião na ponta de pinças bastante delicadas, além de prover uma visão tridimensional do campo cirúrgico, onde o cirurgião consegue enxergar dentro da cavidade abdominal ou torácica.

  • A Cirurgia Robótica pode ser utilizada em qualquer cirurgia da Urologia?

A cirurgia robótica pode ser usada em câncer de rins, próstata, bexiga, na cirurgia reconstrutiva. Hoje se consegue por meio da cirurgia robótica quase todas as cirurgias da urologia. As únicas que não são feitas por robô são as cirurgias de cálculo renal, que são feitas por via endoscópica.

  • Quais os principais benefícios do uso da Cirurgia Robótica?

Os principais benefícios da cirurgia robótica são, por exemplo, o de promover melhor efeito cosmético se comparado a uma cirurgia convencional, já que são feitos “furos” de oito milímetros no abdômen para o procedimento. Há, claro, o benefício médico, com menor sangramento e menor tempo de hospitalização, além de uma recuperação mais precoce e um retorno mais precoce às atividades laborais. Outro ponto positivo está no fato de haver menos dor, menos chances de hérnia. Nas cirurgias de retirada de próstata temos também trabalhos demonstrando melhor benefício em relação ao retorno precoce dos resultados funcionais.

  • Quais as limitações na utilização desse tipo de cirurgia?

As limitações para esse tipo de procedimento, do ponto de vista de acesso, seriam mais pelo fato de o paciente não ter um convênio que interne em um hospital que tenha o robô e também a limitação de um cirurgião. Existem cirurgias mais complexas e não são todos os cirurgiões aptos a fazer. No meu caso, faço todas as cirurgias que podem ser feitas por robô.

  • É possível destacar alguma outra tecnologia de ponta vindo por aí?

Em relação a tecnologias que estão vindo, vale dizer que o robô é uma plataforma integrativa e não só uma ferramenta cirúrgica. Há uma grande inteligência artificial vindo, plataformas de realidade aumentada, softwares programados para que o exame do paciente seja integrado dentro do robô, de forma que, durante a cirurgia, você consiga ver em tempo real e em sobreposição de imagens, por exemplo, o tumor do paciente, diminuindo a chance de complicações.

pt Português
X
EDITORIAS