O projeto “InConto Marcado” comemora 10 anos disseminando a magia da literatura brasileira

Foto: Divulgação

Com patrocínio da Enel e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro através do Edital Enel de Seleção de Projetos Culturais e Esportivos Incentivados – RJ, chega ao Rio de Janeiro o projeto InConto Marcado. Criado em 2010 pela atriz Daniele Yanes, que iniciou a carreira artística interpretando a Narizinho do Sítio do Picapau Amarelo (1981-82, Rede Globo), o projeto inicia fazendo a história acontecer, literalmente.  Através da proposta de teatro itinerante de incentivo à cultura, já circulou por 25 municípios do Ceará, atingindo um público total de 35 mil espectadores – entre alunos e professores da rede pública de ensino, beneficiados com espetáculos de qualidade baseados em obras da literatura brasileira e oficinas de teatro gratuitos para professores.

Foto: Divulgação

Para este ano, o projeto sofreu algumas alterações devido à pandemia e foi dividido em duas etapas a serem trabalhadas no Estado do Rio de Janeiro: atividades online a partir do dia 21 de setembro deste ano e a circulação em seis cidades do Estado em 2021 – sem perder o conteúdo informativo e educacional do projeto. Todas as informações estarão na plataforma www.incontomarcado.com.br.  O projeto, que tem como principais focos a difusão artística, acessibilidade e democratização do acesso à arte, foi ganhador do Prêmio FUNARTE de Circulação Literária 2010 e de quatro edições do Edital Mecenas das Artes do Ceará, com o patrocínio da ENEL (2014 a 2017). Em 2019 o espetáculo mais recente do projeto, Plantou Palavra Colheu Poesia, foi contemplado pelo edital de ocupação da Caixa Cultural e realizado nas cidades de Fortaleza e Salvador, com patrocínio da Caixa Econômica.

As ações começam com a live de lançamento do projeto no dia 21 de setenbro com a Trupe do InConto Marcado, juntamente com o site interativo e o 1º episódio dos 6 vídeos que serão disponibilizados a cada semana, contando a história/narrativa do espetáculo Plantou Palavra, Colheu Poesia (uma adaptação do livro homônimo da escritora Socorro Acioli, vencedora do Prêmio Jabuti). O sexto e último episódio reserva um presente: será uma live especial de dia das crianças. O público poderá acompanhar as ações pelo canal do YouTube do projeto (https://www.youtube.com/incontomarcado) e no site  www.incontomarcado.com.br. E a partir do dia 02 de novembro começa o Curso Online de Teatro para professores. Serão 80 vagas por cidade a serem preenchidas pela Secretaria de Educação do Estado e a produção do projeto, ou através de cadastro no site. Estão no radar do projeto as cidades Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis, Bom Jardim, Santa Maria Madalena e Niterói.

Foto: Reprodução

A segunda etapa do InConto Marcado será em 2021 com a circulação do espetáculo Plantou Palavra, Colheu Poesia pelas cidades onde acontecerá o Curso de Teatro para professores – sem datas definidas, por enquanto. Sob direção de Daniele Yanes, mentora do projeto, roteirista e atriz, o espetáculo faz sua primeira imersão no sudeste do país e irá percorrer cidades da região serrana do estado. O espetáculo é uma bela oportunidade de absorver a cultura brasileira na sua essência. Os atores apresentam uma vibrante narrativa que exalta a cultura popular brasileira, destacando Patativa do Assaré, consagrado como um dos mais importantes poetas populares do mundo. O projeto é patrocinado pela ENEL, através da lei de Incentivo à Cultura.

Comemorando 10 anos do projeto, esta etapa fluminense do InConto Marcado reserva uma novidade: os músicos Carlos Malta e Rodrigo Sestrem produziram trilha sonora especialmente para o projeto. Sestrem, poeta, cantor e artista popular baiano, criou peças originais para o espetáculo como poemas e cordéis – além de letrar músicas já existentes do multinstrumentista, arranjador, compositor e educador carioca Carlos Malta. “A música tema do Cordel do InConto Marcado tem letra do Rodrigo e composição inédita e original do Malta. Já a música tema do Plantou Palavra Colheu Poesia foi feita a letra em cima de uma obra já conhecida do Malta, chamada Barrigada. E tem O Côco da Feira de Assaré, também inédita, entre outras”, diz Daniela.

Atuando também como arte-educadora, a curitibana Daniele Yanes conta que, de alguma forma, foi a vida profissional como atriz que a levou a pensar em um projeto que faz adaptações teatrais de grandes autores brasileiros para as crianças. Explica-se: com apenas 9 anos a atriz fez a personagem Narizinho do Sítio do Picapau Amarelo, da TV Globo, o que já era um grande projeto de incentivo à leitura sob o legado de Monteiro Lobato. Ainda na infância interpretou a escritora Zélia Gattai, na série “Anarquistas Graças a Deus” (TV Globo).

E, antes de tudo, é filha de leitores assíduos, o que credita que contribuiu muito na sua formação e consolidou a ideia de trabalhar com literatura e arte. “Sei e acredito no imenso poder de transformação e crescimento humano por meio dos livros e sabemos que o Brasil tem um dos mais baixos índices de leitores do mundo. E então senti que esse era meu interesse, seguir trabalhando com incentivo à leitura através do teatro e fazer a minha parte possível nessa cadeia de formar novos leitores. A partir dos anos 2000 comecei a dedicar mais ainda o meu trabalho para esse objetivo de colocar a arte à serviço da educação. Esse é meu foco e é nisso que deposito minha energia”, diz Daniele.

pt Português
X
EDITORIAS