Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Anjos existem

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Natal, época de fé. Quem tem fé, tudo alcança. Motivação que muitos encontram para seguirem em frente, em especial após um ano de pandemia e muitas tristezas.

Fé, esperança e amor. Assim nasceram sonhos, metas de Annie Caroline Praça Arcanjo, de 29 anos, hoje 3º Sargento do Corpo de Bombeiros. Iniciou a carreira na corporação aos dezoito,seguindo o exemplo do pai, Capitão da reserva, fez o juramento de “sacrificar a própria vida” para salvar o seu próximo, uma missão de amor.

Formada em engenharia civil, atualmente trabalha no Centro de Atividades Técnicas, no setor de prevenção de combate a incêndio urbano e pânico. E, neste dia vinte e cinco, foi promovida por “ato de bravura” por seu brilhante heroísmo.

O episódio se passou na folga de Annie Arcanjo, que estava em casa, e,foi ao resgate de vizinhos em meio a uma terrível enchente que transbordou o Ribeirão do Prata, pelos quais se arriscou a morrer no local de cabos e portões energizados.

Annie Caroline Praça Arcanjo é a primeira mulher promovida por “ato de bravura” em 109 anos de história do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, onde mulheres ocupam apenas 10% das vagas (o ato de bravura está descrito no Decreto Estadual 44.557/ 2007, na seção IV, artigo 21).

Recompensada por mérito de sua atitude altruísta, abençoou vários pela sua coragem e determinação, elementos principais no êxito da operação que deu a chance de recomeçar às vítimas da catástrofe natural.

Assim perseveram muitos no avançar de 2021. Aqueles que decidiram reter o que há de bom, sem permitir que dores e sofrimento ocorrido nesta pandemia lhes domine, apenas ensine. Os que diante do caos escolhem agir em benefício da restauração do equilíbrio, não admitem que o medo lhes controle, enfrentam-no em busca de dias melhores.

Se todos somos vulneráveis, nossa postura diante das adversidades é o que define quem sobrevive. A força da autoconfiança em prosseguir e conquistar é maior do que a das correntes impostas pela ausência de oportunidade.  Esta se faz por quem a persegue, aprimora-se e se prepara para ela, e assim a cria.

Annie Arcanjo atribui seu sucesso a Deus, a quem dedica sua missão. Ao arriscar a própria vida se viu fraca, e aí é que se tornou forte, e tudo pôde naquele que a fortalece. Para alguns, como ela, não há limites que cerceiem sua gana em evoluir, ninguém calará a voz que ecoa em si para continuarem a lutar em serem melhores a cada dia. Faça a sua voz ser ouvida!

Foto: Corpo de Bombeiros / MG

Sabrina Campos

Advogada e árbitra

[email protected]

pt Português
X
Open chat