Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Retrospectiva 2020: o ano em que um vírus parou o planeta

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Cláudia Mastrange

(colaborou Luhan Alves)

Um ano como nunca se viu. Ninguém poderia imaginar, na virada para 2020, o que iríamos ter pela frente. A pandemia do novo coronavírus devastou o planeta, matou mais de 1,6 milhão e colocou em suspenso a vida na Terra. Muitas lágrimas, famílias destruídas, economias quebradas, empobrecimento ainda maior da população. A Ciência, posta à prova, fez sua parte: a vacina contra a covid 19 – nossa maior esperança para 2021 – ficou pronta em tempo recorde. Com esse cenário, o Brasil seguiu vendo casos de corrupção e uso ilícito das verbas púbicas, com políticos presos, gente superfaturando até nos serviços de Saúde, ora mais que essenciais;  grandes devastações no meio ambiente e o desemprego atingindo índices alarmantes, assim como os assustadores casos de violência, feminicídio e racismo. Que  2021 seja um ano de cura e reconstrução!

A vida em tempos de pandemia

Foi em janeiro que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de emergência global por conta da disseminação mundial do novo coronavírus. A cidade de Wuhan, na China, foi o epicentro do vírus, que em pouco tempo, tomou todos os continentes. Um grupo de brasileiros fez o primeiro seqüenciamento do vírus na America Latina. Em fevereiro foi confirmado o primeiro brasileiro infectado e, em março, a primeira morte, também de um homem em São Paulo. A OMS declara pandemia em março, quando a disseminação do coronavírus já atinge 135 países.

A Itália, no pico d: pandemia: isolamento social e mortes

No Brasil, as medidas de isolamento e higienização se ampliam, os estados e municípios suspendem aulas e restringem atividades econômicas. O uso de máscaras é recomendado e passa a ser exigido por lei em junho. O Presidente Jair Bolsonaro lançou, em abril, o Auxílio emergencial, no valor de R$ 600,00  para socorrer trabalhadores autônomos,  informais , microempreendedores, desempregados e a população de baixa renda.

O Brasil já contabiliza mais de 193 mil mortos com a pandemia o coronavírus e lançou em dezembro o Plano Nacional de Imunização, mas a Anvisa ainda não finalizou os processos de autorização para as vacinas, que já estão sendo aplicadas em mais de 40 países. O Ministério da Saúde garantiu, no entanto, que a vacinação começará, no máximo, até 10 de fevereiro.

O Brasil na luta contra a “gripezinha”

Hspital de campanha para tratamento de covid-19 do Complexo Esportivo do Ibirapuera.

O ano começou com o Brasil repatriando brasileiros que estavam na China, epicentro do coronavírus.  Após o Carnaval, começaram os casos  de contaminação, enquanto o presidente Jair Bolsonaro declarava que era “apenas uma gripezinha”. Ele contraiu covid, em junho. Os embates na forma de informar e prevenir a população causaram a demissão dos Ministro Nelson Maldetta e, posteriormente, Nelson Teich.

Em abril, o ministro Sérgio Moro pede demissão e acusa Bolsonaro de interferir na Polícia Federal. O congresso cogita impeachment do presidente em junho e, na mesma semana, Fabrício Queiroz é preso. Flávio Bolsonaro é denunciado pela Ministério Púbico, em outubro. Novembro é marcado pelas eleições municipais em todo o Brasil e, em dezembro, é finalmente anunciado o Plano Nacional de Imunização. O IBGE divulga que o país tem 211 milhões de brasileiros.

Um Rio de corrupção

O governador o Rio Wilson Witzel foi afastado do cargo

Ano muito difícil para o Rio de Janeiro, com a denúncia da existência de um esquema criminoso de corrupção e superfaturamento na área da Saúde em plena pandemia. O secretário de Saúde do Estado, Edmar Santos e outros da equipe foram presos e, em 28 de agosto, o STF afastou o governador Wilson Witzel,  por suspeita de participar do esquema. O vice-governador, Claudio Castro, assumiu o governo do estado.

Enquanto isso, a cidade do Rio amarga o maior índice de mortes por coronavíirus, ultrapassando a marca de 25 mil mortos. Os leitos são insuficientes,  salários dos servidores estão atrasados, os transportes sucateados e lotados em plena pandemia. Todo esse caos somado  a um esquema criminoso de corrupção e extorsão que envolveu mais de R$53 milhões levou à prisão e afastamento do prefeito Marcello Crivella, apontado como líder da organização criminosa.. O presidente da câmara Jorge Felippe, assumiu o comando da cidade até a posse de Eduardo Paes.

Eleição de Biden e racismo pelo mundo

As eleições americanas marcaram o fim da era Trump, que contestou até o último voto a eleição de Joe Biden. Sua vice, Kamala Harris foi festejada como a primeira mulher negra a assumir a vice-presidência dos EUA.  O país também explodiu em protestos com a morte de Jeorge Floyd, que ficou mais de oito minutos com um policial branco ajoelhado no seu pescoço. O movimento  ‘Vidas Negras Importam ganhou’ o mundo e vários casos de racismo causaram revolta, como do brasileiro João Alberto, em um supermercado, no Brasil.

Consagração de Lewis Hamilton e despedidas

A pandemia mudou o mundo esportivo. Eventos realizados sem público, adiamento das Olimpíadas e muita tristeza, com a morte de ídolos como Kobe Bryant, Maradona, Paolo Rossi e a consagração do piloto britânico Lewis Hamilton, que se tornou o maior vencedor da história da F1.

Saudade: o cantor Tunai morreu, em casa, em 26 de janeiro

Fora do mundo do esporte, tivemos que dar adeus também a muitas personalidades, como a radialista Daisy Lucidi, os atores Chadwik Boseman, Sean Connery, Chica Xavier, Cecil Thire, Nicete Bruno, Flavio Migliaccio e Eduardo Galvão, Tom Veiga; o cantores cantores Tunai, Moraes Moreira, Claudia Telles e Vanusa; o guitarista Van Halen e o escritor Rubem Fonseca, entre outros.

Queimadas na Amazônia e no Pantanal

Ano devastador. Recordes de queimadas nos biomas, possível retorno do Fundo Amazônia, maior exigência da rastreabilidade… Além das chuvas e alagamentos – causando mortes pelo país – e estiagens, eventos climáticos incomuns, como o ciclone bomba  e a nuvem de gafanhotos, ambos no sul do país

Brigada de combate ao incêndio no Pantanal

No início do ano, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) alertou, para o risco maior de queimadas em 2020,  o que se confirmou. As queimadas também atingiram o Pantanal, que registrou o maior aumento desde 1998 e teve grande perda de biodiversidade.

Que em 2021 o planeta supere a pandemia e a humanidade cuide melhor de todos os seres vivos e do meio ambiente.

Fotos: Reprodução

pt Português
X
Open chat