Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Plataforma gratuita criada por brasileiros ajuda na busca por emprego

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Daniela Lana e Gregório Salles desenvolveram a plataforma online. (Foto: Divulgação)

Dois brasileiros que vivem na Austrália criaram uma plataforma digital gratuita que ajuda na busca por emprego e promove inclusão financeira e economia colaborativa, para amenizar os impactos da pandemia. A startup, chamada de “RestartUs – Recomeçando Vidas”, já iniciou sua fase de pré-cadastro no Brasil.

Inspirada em modelos como o do LinkedIn e já presente na Austrália, Portugal, Estados Unidos e Angola, a plataforma promoverá, em sua primeira fase, vagas de emprego, desenvolvimento de pequenos negócios e acesso a conteúdo de capacitação gratuito para a população carente.

Usuários, empresários e parceiros podem fazer o pré-cadastro no site: www.recomecandovidas.com.

Daniela Lana (fundadora e cientista social)

Uma das idealizadoras do projeto é a cientista social Daniela Lana, ex-sargento feminina da polícia militar brasileira. Ela faz questão de enfatizar que a plataforma não tem caráter exclusivo, mas sim inclusivo.

“Qualquer pessoa sabe que ali é um lugar sem julgamentos ou preconceitos, seja um jovem desempregado da periferia, uma pessoa de baixa renda querendo começar um pequeno negócio, uma mãe solteira com problemas financeiros, ou até uma empresa querendo contratar trabalho remoto, por exemplo”.

Para as próximas fases de lançamento da plataforma estão previstas soluções de apoio financeiro baseado no modelo Fintech e Blockchain, além de uma solução de Marketplace que facilitará a empreendedores e autônomos oferecerem seus serviços e produtos a toda a comunidade da plataforma. Para isso, a empresa está buscando atualmente investidores sociais e parcerias estratégicas.

Estudos conduzidos pela própria startup mostram que das cerca de 4,6 bilhões de pessoas atualmente conectadas na internet pelo mundo, mais de 3 bilhões não têm acesso a oportunidades de emprego e educação online.

Para mudar essa realidade, a ideia é usar os recursos de inteligência artificial, Blockchain, realidade virtual e Internet das Coisas (IoT) como facilitadores da transformação, inclusive em áreas que não têm acesso à internet.

A empresa também idealizou um programa de recompensas para o aumentar o engajamento dos participantes.

“Criamos um sistema de pontos que irá recompensar todos os envolvidos, que se ajudam mutuamente como em um videogame da vida real, elemento crucial para engajar os mais jovens também. Pretendemos ampliar a inclusão digital com parceiros de setor Telecom, já que a falta de um pacote de internet suficiente é a reclamação mais recorrente do grupo social que estamos beneficiando na plataforma”.

Gregório Salles (fundador e empreendedor)

Um dos idealizadores do projeto é Gregório Salles, um empreendedor com vasta experiência em startups de inovação social e tecnologia. Ele diz que, assim como sua sócia no projeto, percebeu que as atuais plataformas online não engajam a população de baixa renda.

“Eles se sentem intimidados pela sua classe social, escolaridade e até o local em que residem. Um jovem que mora em uma comunidade do Rio de Janeiro ou na periferia de Fortaleza muitas vezes precisa esconder de seu empregador o bairro onde vive, um fenômeno também recorrente na maioria dos países emergentes. Mesmo na Oceania e América do Norte, por exemplo, trabalhadores são rotulados por raça, sobrenomes estrangeiros ou até condições de saúde. Fora aqueles que tiveram algum problema com a justiça no passado,e acabam marcados e excluídos. São muitas famílias afetadas. Não resta mais lugar para isso no atual cenário global em que a força de trabalho e o empreendedorismo vão formar a matriz determinante para os países superarem a crise e seguirem crescendo com mais igualdade”.

Ainda conforme Salles, um levantamento da empresa apontou que cerca de 45% das empresas sofre com falta de mão de obra, seja qualificada ou não, e que falta entre as grandes empresas de tecnologia uma que seja voltada para o verdadeiro impacto social, com o intuito de mudar essa realidade.

“Nossa plataforma agiliza o caminho que conecta as duas pontas, para que os dois lados saiam ganhando num grande cardápio de recompensas. Ofereceremos também um conteúdo educacional gratuito que ajuda esses candidatos, por exemplo, preparando-os para o momento da entrevista, ou os fazendo conhecer um museu com óculos de realidade virtual. O que queremos é a realização pessoal de cada um que usa a plataforma, nos comprometendo a investir a maior parte do nosso lucro na realimentação desta rede de treinamento e desenvolvimento de capital social”.

pt Português
X
Open chat