Categorias
Bichos & Cia Notícias

Como proteger animais de estimação do barulho dos fogos

 

Para tutores de cães e gatos, a queima de fogos de artifício costuma ser preocupante porque os clarões e barulhos provocados podem assustar os pets e provocar gatilhos de estresse e ansiedade, e danos irreversíveis na audição dos animais. Isso acontece porque eles têm uma capacidade auditiva muito maior do que a nossa. Enquanto somos capazes de perceber sons na faixa de 10 Hz a 20.000 Hz, os bichos conseguem ouvir até 40.000 Hz.

Então como proteger seu bichinho do barulho e evitar problemas maiores? O Dr. Edgard, do Hospital Popular de Medicina Veterinária (HPMV), deu algumas dicas de proteção para os animais neste período. “A melhor forma de protegermos nossos animais de estimação do barulho dos fogos é colocá-los dentro da nossa casa, fechar as portas e janelas, ligar a televisão ou música com um volume baixo e se colocar perto deles, passando toda segurança de que aquele momento, eles vão passar juntos daqueles que mais confiam, que no caso são os donos”.

Mais dicas do Dr. Edgard para esse momento de proteção aos pets:

*Não medicar os animais com tranquilizante e sedativos sem a recomendação e a consulta prévia ao um médico veterinário.

*Não deixe seu pet amarrado, encolerado, preso, no momento de fogos, pois para eles toda essa questão causa muita ansiedade e uma reação de fuga. Isso é bastante perigoso, podendo causar enforcamento.

*O lugar mais seguro e aconchegante para o seu animal é perto do dono, onde ele já está acostumado a estar.

Categorias
Economia Notícias

FEBRABAN dá dicas de como fazer as compras de natal sem cair em golpes virtuais

Quadrilhas aproveitam a correria das compras de final de ano para roubar dados pessoais e aplicar golpes. Tomar cuidado com as informações compartilhadas e mensagens suspeitas é a chave para evitar ser vítima de fraude

Conforme o mês de dezembro avança, aumenta a pressão para a realização das compras de natal. Quadrilhas especializadas em aplicar golpes online sabem disso e se aproveitam da distração e pressa dos consumidores em finalizar a lista de presentes para roubar dados pessoais dos clientes.

Eles usam engenharia social, que são estratégias para convencer as pessoas a fornecerem informações pessoais aos golpistas, como CPF, senhas e números dos cartões. Outra prática comum é levar as vítimas a fazerem transações em favor das quadrilhas, como transferências de dinheiro ou pagamentos via Pix para contas dos bandidos.

As quadrilhas têm se especializado nesse tipo de ação baseada na captura de dados pessoais, após conquistar a confiança de clientes desavisados. “Hoje, 70% dos golpes feitos no mundo digital estão relacionados a engenharia social”, alerta Adriano Volpini, diretor da comissão de Prevenção a Fraudes, da FEBRABAN, Federação Brasileira dos Bancos.

Sites e e-mails falsos, ligações e mensagens são algumas das artimanhas usadas pelos golpistas para enganar as pessoas e ter acesso a informações das vítimas. “As quadrilhas buscam obter informações pessoais dos clientes para poder realizar operações fraudulentas. Por isso é importante proteger esses dados e não os compartilhar de forma indevida”, explica Volpini.

“É preciso estar sempre atento, mas em épocas como o natal, em que o volume de compras é muito maior, o cuidado tem que ser redobrado”, diz o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

Para reduzir os riscos de ser vítima dos golpistas, a FEBRABAN destaca as seguintes orientações.

Ao fazer compras pelas internet:

• Tenha cuidado para não cair em um site falso;

• Nunca compre em lojas que não gerem confiança;

• Sempre pesquise a reputação da loja antes de comprar; e

• Verifique se as informações da aba “sobre” ou “contato”, como telefone, endereço do escritório, e-mail, canal de atendimento e CNPJ são verdadeiras.

Ao pagar:

• Nunca clique em links de ofertas muito boas para serem verdade;

• Para ver a oferta sempre digite o endereço da loja da barra do seu navegador;

• Antes de incluir o número do cartão, veja, na barra do navegador, se está na página certa e oficial da loja;

• Sempre use o cartão virtual; e

• Crie senhas com letras e números e lembre-se de ter uma senha diferente para cada conta.

Cartão físico

• Golpistas podem se aproveitar de distrações para trocar o seu cartão. Por isso, mantenha seu cartão fora do alcance de outras pessoas;

• Nunca perca seu cartão de vista;

• Sempre confira seu nome no cartão depois de usá-lo; e

• Para evitar que seus dados sejam usados em compras online sem você notar, nunca forneça senha, número e código de segurança do cartão em SMS, e-mail e WhatsApp.
Categorias
Notícias Pelos Bairros Rio Social

IRB Brasil RE doa 14 toneladas de alimentos para comunidades do Rio de Janeiro

Ação, em parceria com o movimento União Rio, começou pelo Complexo do Chapadão, zona Norte da capital, e distribuirá mil cestas básicas, beneficiando 5 mil pessoas em situação de vulnerabilidade social

Famílias do Complexo do Chapadão, conjunto de comunidades localizado em cinco bairros da zona Norte do Rio de Janeiro, foram as primeiras a receber hoje (18/12) alimentos doados pelo IRB Brasil RE à ação Rio Contra Corona, iniciativa do movimento União Rio. Ao todo, ainda nesta sexta-feira, 5 mil pessoas em situação de vulnerabilidade social de 46 comunidades das regiões Norte e Oeste da capital e de municípios da Baixada Fluminense, como Japeri e Duque de Caxias, serão beneficiadas pelas mil cestas básicas destinadas pelo ressegurador ao projeto.

“A companhia tem um histórico de promover ações sociais no fim de ano. Por causa da pandemia, este foi um ano atípico, e a covid-19 impôs desafios sem precedentes para toda a sociedade. Nós, que atuamos no mercado de seguros e resseguros, temos o papel primordial de dar suporte à sociedade em momentos de incerteza. É isso que estamos fazendo ao contribuir para minimizar a vulnerabilidade dessas famílias no fim de ano”, afirma a gerente de Marketing e Comunicação do IRB Brasil RE, Daniele Sibucs, lembrando que a empresa também está incentivando a doação direta dos colaboradores ao movimento União Rio.

A ação Rio Contra Corona, que é gerida pelo Instituto Ekloos, Banco da Providência e Instituto Phi, visa minimizar os impactos causados pela covid-19 por meio da arrecadação e distribuição de alimentos e itens básicos de higiene e limpeza. Entre os alimentos não-perecíveis doados pelo IRB estão arroz, feijão, sal, macarrão, fubá, açúcar e leite em pó. Para marcar o fim do ano, a cesta também traz um panetone. A expectativa é de que as 14 toneladas de alimentos que compõem as mil cestas garantam 200 mil refeições.

A presidente do Instituto Ekloos, Andrea Gomides, explica que o Rio Contra Corona já arrecadou R$ 24,7 milhões e conta com mais de 7 mil doadores. “Começamos a campanha no início da pandemia, em março, e, até o mês passado, contabilizamos a doação de mais de 4 mil toneladas de alimentos e mais de 1 milhão de litros de materiais de limpeza e higiene que chegaram a cerca de 310 mil famílias de 237 comunidades de todo o estado”, conta ela, reforçando que as doações podem ser feitas por qualquer pessoa por meio do site https://www.movimentouniaorio.org.

Categorias
Notícias Política Rio

Deputados querem acabar com furto, roubo e receptação de combustíveis

 

A Alerj aprovou hoje 16/12, em regime de urgência, em discussão única, o Projeto de Lei Nº 462/2019, de autoria dos Deputados Martha Rocha, Chicão Bulhões, Bruno Dauaire, Subtenente Bernardo, Waldeck Carneiro e Rosenverg Reis, que dispõe sobre a aplicação de penalidades administrativas para combater o roubo, o furto e a receptação de combustíveis ou dutos no Estado do Rio de Janeiro. O texto seguiu para sanção do governador em exercício, Cláudio Castro.

De acordo com o deputado estadual Waldeck Carneiro, um dos co-autores da proposta, o projeto é oriundo da Frente Parlamentar que trabalhou sobre o tema do roubo de carga e da receptação de produtos no Rio de Janeiro por comerciantes que se beneficiam deste artifício para realizar uma concorrência desleal no mercado. “Este projeto busca coibir este crime, que é muito comum no estado. Assim como outro projeto advindo desta mesma Frente Parlamentar – o que buscava evitar este mesmo procedimento delituoso em relação ao roubo de cabos, fios e placas – que se aplique à questão dos combustíveis, que é um produto valioso, tem alto valor no mercado e, por isso, é preciso proteger as pessoas que trabalham de forma correta com este material, em observância à lei, coibindo todo tipo de delito e deslealdade nesta área”, afirmou o parlamentar.

Na proposta, a pessoa física ou jurídica que adquirir, distribuir, armazenar, estocar, portar, transportar, revender ou expor à venda combustível proveniente de ilícito, inclusive seus dutos de movimentação de combustíveis, de que resulte no derramamento ou não de petróleo ou produto derivado, álcool etílico, hidratado carburante e demais combustíveis líquidos carburantes, bem como do escapamento de gás natural, produto de crime, estará sujeita às penalidades

As penalidades aplicadas serão multa, apreensão e perda do produto, interdição total ou parcial do estabelecimento e cancelamento a inscrição no cadastro de contribuintes do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, da pessoa jurídica ou de seu conglomerado econômico, com aplicação de multa ou não aos seus sócios, além da suspensão da prerrogativa dos sócios do conglomerado econômico envolvido por constituírem empresa para os fins vedados pela Lei, por um período mínimo de cinco anos, no Estado do Rio de Janeiro.

Poderão ser penalizados pela lei as pessoas física e jurídica, os sócios, os administradores e o conglomerado econômico. A multa será fixada em montante não inferior a dez mil e não superior a dez milhões de vezes o valor da Unidade Fiscal de Referência (UFIR-RJ).

Categorias
Destaque Notícias

TETO BRASIL PROMOVE EVENTO PARA PRESSIONAR CANDIDATURAS POR CIDADES JUSTAS PÓS PANDEMIA

Muito se fala sobre como a pandemia escancarou as desigualdades presentes na nossa sociedade, mas ainda pouco se propõe sobre o que fazer para transformar essa realidade escancarada. Por isso, em outubro, mês urbano e véspera de eleições municipais, a TETO Brasil promove o Cidade em Foco. O evento tem como compromisso, além de promover debates e reflexões sobre Direito à Cidade, construir uma carta-proposta convocando candidatos e candidatas a priorizarem o básico em seus mandatos: direito à moradia, acesso à água, saneamento, segurança alimentar e participação popular.

A carta terá como base a precarização do Direito à Cidade, que foi agravada e evidenciada pela pandemia da COVID-19, e será escrita a muitas mãos, a partir da fala e perspectiva das comunidades, com o apoio do voluntariado da TETO Brasil. Após o encontro, para que ela chegue até as candidaturas, a organização se compromete a enviá-la via plataformas digitais e conta com o apoio de outras organizações sociais para isso.

Essa iniciativa é também uma forma da TETO potencializar um movimento maior que tem acontecido durante o período eleitoral, no qual diferentes organizações vêm se mobilizando na formulação de cartas e recomendações que apoiem governantes e futuros governantes na construção de cidades verdadeiramente justas e democráticas. Entre essas iniciativas, fazem parte, por exemplo, Agenda Marielle FrancoEleições pelas Cidades JustasConselho Nacional da Saúde, e Programa Cidades Sustentáveis.

O Cidade Em Foco 2020 acontecerá no sábado, 31 de outubro. Será um evento virtual com tema principal “As Cidades que queremos no pós-pandemia”, e contará com voluntários e referências comunitárias de todos os estados em que a TETO Brasil atua (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Bahia e Pernambuco).

Além disso, guiarão as reflexões do evento:

  • Tauá Pires – Oxfam
  • Bethânia Boaventura – University College London (UCL)
  • Rodrigo Faria Iacovini – Escola da Cidadania, Instituto Pólis
  • Rafael Poço – Despolarize

Os quatro objetivos estratégicos do Cidade em Foco são:

  1. Produção de uma carta-proposta a ser entregue para candidatos/candidatas às  eleições municipais de 2020.
  2. Formar e abrir espaços de reflexão com os moradores e moradoras das favelas, acerca da problemática do Direito à Cidade.
  3. Fortalecer a imagem institucional da TETO Brasil como uma organização que incide politicamente, lado a lado com a comunidade.

Para inscrever-se no Cidade Em Foco 2020, evento gratuito, acesse: http://bit.ly/cidadeemfoco

As cartas propostas estarão disponíveis para a pressão do público através da plataforma de pressão do NOSSAS/Bonde a partir do dia 31/10. 

Sobre a TETO Brasil:

Por meio de uma metodologia de trabalho própria, a TETO apoia o fortalecimento de capacidades comunitárias, engajando moradores que vivem em comunidades precárias e jovens voluntários a trabalharem em conjunto na geração de soluções concretas que proporcionem melhorias nas condições de moradia e habitat destes territórios.

A pandemia do novo coronavírus intensificou a desigualdade. O medo de contrair, transmitir e morrer pelo vírus também trouxe famílias cada vez mais isoladas de direitos básicos como água, saneamento e até mesmo alimentação. Por isso, revisamos nosso jeito de trabalhar. Atualizamos nossos projetos. E, lado a lado das comunidades, nos comprometemos a construir muito mais do que moradias de emergência. Vamos construir projetos de infraestrutura e prevenção sanitária que atendam às necessidades levantadas.

Para saber mais sobre o trabalho da TETO Brasil na mitigação dos efeitos da COVID-19 visite www.tetobrasil-covid19.org.br

Categorias
Destaque Notícias

Ciclone pode causar tempestade e alagamento em vários pontos do país

Um ciclone com características subtropicais deve alterar as condições meteorológicas em vários pontos do país, provocando fortes chuvas e rajadas de vento. Em virtude do fenômeno, a Marinha do Brasil emitiu hoje (26) alertas de perigo de tempestade para os três estados do Sul e para Mato Grosso do Sul. Já para Bahia e Minas Gerais, o aviso é de perigo de chuvas intensas.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), nas últimas horas deste domingo (25), o ciclone ganhou força, sendo classificado como Tempestade Subtropical Mani. No  município de Marilândia, foi registrado um volume pluviométrico 169,8 milímetros (mm), entre a manhã do último sábado (24) e a manhã de ontem, valor muito acima da média mensal, que é de 96,7 mm. Em Vitória, o total foi de 80,2 mm.

“De acordo com a Defesa Civil do Espírito Santo, houve ocorrência de alguns deslizamentos. Pedras rolaram nas encostas e segundo o órgão mais de 400 pessoas ficaram desabrigadas”, informou o Inmet, em nota, destacando que o alerta de chuva ocasionalmente forte é válido até a manhã de hoje, principalmente para o centro-norte do estado.

Apesar de os efeitos serem sentidos de modo mais imediato no Espírito Santo, em Minas Gerais e algumas áreas do Rio de Janeiro, até o início da manhã desta segunda-feira há probabilidade de chegarem mais tarde em outros locais. No Mato Grosso do Sul, o comportamento deve se repetir durante a tarde, segundo a Marinha. Para a Bahia, a notificação de perigo vigora até as 10h de terça-feira.

Para todos os estados, podem ocorrer precipitações de 30 a 60 mm por hora, combinadas com ventos intensos, de 60 a 100 quilômetros por hora, motivo pelo qual a população deve ficar atenta para riscos de apagões de energia elétrica, queda de árvores e de alagamentos. Há, ainda, previsão de chuva de granizo.

Em nota divulgada no domingo, a Marinha ressaltou que os ventos provocados pelo ciclone poderão ocasionar agitação marítima com ondas, em alto-mar, com alturas de até 4,5 metros, até a manhã desta terça-feira (27). “Também há condições favoráveis à ocorrência de ressaca, com ondas de direção Sul a Sudeste, com até 2,5 metros de altura, na faixa litorânea entre os estados do Rio de Janeiro, ao norte de Arraial do Cabo, e do Espírito Santo, ao sul de Regência, até a madrugada do dia 27”, emendou.

O Inmet menciona, ainda, que o ciclone irá se afastar do continente, nos próximos dias. A avaliação é de que rume para o leste.

Com informações: Agência Brasil

Categorias
Destaque Notícias

Pandemia acelera processos de certificação e coloca Brasil à frente no fornecimento de alimentos seguros para o mundo

Para atender as exigências do consumidor não basta produzir um alimento de qualidade. É preciso ir além e comprovar que todos os processos da cadeia foram executados de maneira correta e sustentável. E, se anteriormente, as certificações que comprovavam a procedência e denominação de origem traziam valor agregado ao produtor rural, com a pandemia o processo foi acelerado. A nova tendência foi um dos assuntos que vieram à tona durante o sexto episódio do projeto “Caminhos do Agro SP”, realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo em conjunto com a TV Cultura, InvestSP, Fundag e a iniciativa privada.

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Gustavo Junqueira, o desafio para o setor público, em conjunto com a iniciativa privada, está em organizar o caminho do campo até a mesa para garantir que todos os produtos cheguem conforme as normas definidas pelos órgãos reguladores e pelos mais exigentes mercados internacionais.

“A confiança do consumidor com relação à segurança dos alimentos é devida ao trabalho bem feito por cada um dos elos da cadeia produtiva. Na pandemia, o agro brasileiro mostrou o quanto é confiável e que não tem tempo ruim: faça chuva ou faça sol, trabalhamos para sermos provedores de segurança alimentar para o mundo. E, isso só é possível porque seguimos rigorosamente os protocolos sanitários; uma agricultura muito organizada!”, enfatizou Junqueira.

O processo de certificação dos alimentos é um caminho sem volta e desmistificar a complexidade é uma das frentes em que atua o gerente de Certificações e Projetos do Serviço Brasileiro de Certificações (SBC), Matheus Modolo Witzler. Segundo ele, a certificadora exerce o papel do elo de confiança entre o produtor e o consumidor, além de levar segurança à ponta da cadeia, auxilia para melhorar os processos da “porteira para dentro”, criando padrões produtivos.

“Se há algum tempo as certificações eram um plus oferecido pelo produtor, com a pandemia isso acelerou. Agora não tem mais volta e passou a ser um padrão mínimo para atender mercados mais exigentes. Um exemplo é a União Europeia, pois além de atender todos protocolos que nos demandam a legislação brasileira, é necessário cumprir as normas de padrões internacionais. Os produtores vão ter que mostrar mais porque o mercado quer segurança”, ressaltou.

Para que a segurança dos alimentos seja garantida é preciso unir os esforços de empresas, produtores, institutos de pesquisa e laboratórios. Exemplo disso é a iniciativa do “Aplique Bem”, que é resultado de uma parceria da Secretaria de Agricultura e Abastecimento e a empresa UPL. O programa já capacitou 72 mil trabalhadores rurais por meio de treinamentos, garantindo a aplicação segura e eficaz de defensivos agrícolas nas propriedades.

O pesquisador do Centro de Engenharia e Automação do Instituto Agronômico da Secretaria, Hamilton Humberto Ramos, acredita que é preciso transformar os conceitos científicos em linguagem de fácil entendimento. E, levar a tecnologia a campo, capacitação aos agricultores, utilizando-se de equipamentos e recursos da sua própria cultura de cultivo nos treinamentos, facilita a adoção de boas práticas e disseminação do conhecimento.

“A certificação virá cada vez mais forte por exigência do consumidor. E o agricultor é um empresário que trabalha pelo lucro. É ilógico quando ouvimos falar que o agricultor ‘envenena’, pois é prejuízo. Desperdiçar produto e má aplicação onera o seu custo de produção. Se ele souber que pode produzir melhor e mais barato, por que não faria?”, questionou.

“Levar o conhecimento aos produtores e apoiar para que ele se beneficie das tecnologias de maneira correta é, de maneira intrínseca, também levar segurança ao consumidor, que está cada vez mais inteirado de como o alimento é produzido e todo processo envolvido para chegar à mesa. Uma agricultura holística e projetos como o ‘Aplique Bem’ são peças fundamentais nos processos de certificações”, completou João Mancine, Head Marketing Cultivos Especialidades da UPL Brasil.

“Caminhos do Agro SP” 

O projeto “Caminhos do Agro SP” é resultado de uma parceria entre InvestSP, Fundag, TV Cultura, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e a iniciativa privada. Os episódios podem ser acompanhados nos canais do YouTube da Secretaria de Agricultura e Abastecimento: https://www.youtube.com/agriculturasp e da TV Cultura: https://www.youtube.com/cultura

AGENDA CAMINHOS DO AGRO SP

28 de outubro: Live 5 – Citricultura

04 de novembro: Episódio 7 – Comercialização

11 de novembro: Live 6 – Papel e Celulose

18 de novembro: Episódio 8 – Consumo

25 de novembro: Live 7 – Olericultura

02 de dezembro: Episódio 9 – Exportação

09 de dezembro: Live 8 – Soja

16 de dezembro: Episódio 10 – Conectividade

Categorias
Notícias

Aumenta o número de crianças leitoras entre 5 e 10 anos, aponta pesquisa

O último levantamento da pesquisa Retratos da Literatura no Brasil, realizada pelo Instituto Pró-Livro, identificou um aumento no número de leitores entre 5 e 10 anos. Desde março, mês em que a COVID-19 foi enquadrada como pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde), as crianças têm estado fisicamente distantes da escola. Para a diretora da Catapulta Editores no Brasil Carmen Pareras, esse é um movimento que acompanha a chegada do e-commerce mais próximo do dia a dia das famílias.

“Todos nós tivemos de nos reprogramar para transformar nossas casas em escritórios digitais, refeitórios, escolas de ensino à distância e salas de lazer”, explica Pareras. Nesse sentido, a diretora da Catapulta Editores entende que o livro infantil pode ter ganhado um espaço especial nas atividades em casa, entre pais e filhos.

As medidas adotadas para conter a pandemia do novo coronavírus envolveram o isolamento social em diversas regiões do país. Com isso, lojas em diferentes áreas do comércio se mantiveram fechadas e distantes do público, principalmente entre os meses de março e julho deste ano. “Dessa forma, tivemos de acelerar o processo de comercialização por meio de canais eletrônicos. As mídias online nos aproximaram do nosso público, oferecendo um canal de comunicação que nos permite ouvir suas opiniões e sugestões”, explica Pareras.

Foto: Divulgação

Dia a dia em casa

A diretora da Catapulta Editores ressalta a quantidade de pais que relataram a mudança no comportamento infantil no período em casa, sob isolamento social. “Esse foi um dos momentos em que nós, inclusive, lançamos títulos no mercado literário, que têm tido boa aceitação”, acrescenta Pareras.

Um dos lançamentos foi a coleção Timóteo, composta por quatro livros. Indicadas para crianças a partir de quatro anos, as obras apresentam temas do cotidiano e rotina de maneira bastante lúdica. Ao final de cada título, há um jogo para que os pequenos memorizem o que a narrativa os mostrou.

Receber itens de compra em casa se tornou mais comum no período da pandemia. Segundo Pareras, esse é um dos fatores que aproximou toda a família aos livros infantis. “Anteriormente, as crianças se isolavam e ficavam concentradas em jogos eletrônicos. Quando se cansavam, mostravam-se irritadiças e passavam às travessuras, tentando atrair a atenção dos pais.  Com a facilidade de receber nossos livros em casa, pais e filhos se aproximaram e melhoraram a interação. ”

Obras interativas

A boa aceitação do e-commece durante a pandemia indica que a editora segue no caminho certo. “O objetivo da Catapulta Editores é promover a participação da família e estimular as crianças a reconhecer os livros como um meio de informação divertida, desde a idade mais tenra”, acrescenta Pareras.

Cores vibrantes, texturas relevos e sons fazem parte do acervo de títulos da editora. São obras que aguçam o tato, a visão e a audição – o que contribuem para o aprendizado infantil. “Além de estimular e desenvolver a coordenação motora, ao promover a curiosidade e prender a atenção”, afirma Pareras.

A coleção Abremente é a mais importante da Catapulta Editores. Os livros que a compõem foram desenvolvidos por psicopedagogas e já venderam mais de 50 milhões de cópias pelo mundo. “Por conta do conteúdo das obras, elas foram incorporadas a listas de livros paradidáticos. A coleção tem oito livros, que abrange crianças de 3 aos 11 anos”, celebra a diretora.

O período em casa, devido a pandemia, exige que adultos se reinventem para manter as crianças entretidas e se desenvolvendo. A Catapulta Editores oferece alguns títulos voltados para a culinária infantil, como o Chef Mirim, que apresenta receitas de diversos países. São pratos simples de serem elaborados e promovem um momento de interação entre a família.

“Outro ponto positivo é ajudar as crianças a entender sobre a importância de organizar tarefas passo a passo. Com a obra, os pequenos a partir de oito anos têm acesso a utensílios de cozinha, como batedor de metal, fôrma para tortinhas e pão duro, que acompanham o livro”, finaliza Pareras.

Qualidade das atividades em casa é uma característica percebida pela diretora da Catapulta Editores e que encontra outro dado da pesquisa Retratos da Literatura do Brasil. Além do aumento de leitores entre 5 e 10 anos, o levantamento aponta a boa variedade, a qualidade da literatura infantil no país e o investimento das famílias na mediação do livro com os filhos.

Categorias
Destaque Notícias

Escritor e pastor Henrique Vieira lança podcast “Esperançando” que debate sobre espiritualidade, diversidade, vida e relações humanas

Tendo ganhado notoriedade por sua postura reflexiva e atual, Henrique Vieira alça novos voos e embarca no universo dos podcasts com o “Esperançando”, disponível com exclusividade na Orelo.

O título, que reflete a ideia de esperançar, ou seja, a esperança como verbo no sentido de fazer a esperança acontecer tem como objetivo a troca de experiências, histórias, autoconhecimento, além de trazer reflexões sobre a vida, diversidade, espiritualidade em um conteúdo leve e reflexivo sobre as relações humanas.

O conteúdo do podcast será focado em três frentes principais, sendo: espiritualidade, como busca na contra posição do fundamentalismo, ou seja em tirar a espiritualidade de um campo bélico transformando em uma espiritualidade generosa, com a busca por si e pelo outro e reforçando que ela não se prova pela doutrina, mas sim pelo amor; saúde mental com o objetivo de discutir sobre o autoconhecimento e o autocuidado, para entender e aprender a gostar e cuidar de si; e o bem viver que busca falar sobre temas diversos como agricultura familiar, alimentação saudável, diversidade sexual e de gênero, dentre outros, de um ponto de vista que visa a construção objetiva de uma sociedade na qual as pessoas sejam mais engajadas social e politicamente.

“Nós devemos sempre olhar de forma atenta e empática para todas as nossas relações, sejam elas quais forem. Em tempos difíceis pelos quais estamos passando, essas reflexões são ainda mais importantes. Nós temos obrigação de aprender com estes momentos, buscando sempre encontrar a esperança e fazendo a esperança acontecer. O meu objetivo com esse podcast é tocar o coração das pessoas”, afirma Vieira.

Recebendo grande atenção e apoio do público por sua forma de pensar e ideias defendidas, o pastor, escritor e ator Henrique Vieira procura de forma bastante reflexiva ajudar na busca pelo autoconhecimento, defendendo a liberdade e escolha individual de cada um, tendo o amor e esperança como principais fios condutores. O podcast também propõe uma reflexão sobre o conceito de bem viver, associado à construção de uma sociedade justa, solidária, pautada na dignidade humana e na sensibilidade ecológica. E para essa missão ele também contará com entrevistas com personalidades de diversas áreas como religiosas, políticas e do meio artístico.

Os episódios são semanais (às segundas) e o primeiro deles já estará disponível no dia 26 de outubro, na Orelo, novo aplicativo de podcasts que pode ser baixado na Apple Store e Google Play.

  • Livro novo

Além do podcast, Henrique acaba de lançar o seu segundo livro: “O Monge e o Pastor – Diálogos para um mundo melhor”, mostrando que a quarentena segue trazendo boas inspirações. A obra vai contar a história de um monge beneditino e um pastor evangélico que trocam mensagens durante a quarentena abordando temas como espiritualidade, fé, engajamento político e o medo da morte. Dividem histórias sobre a vida e a experiência do isolamento social. Deste fraterno diálogo surgem preciosas reflexões que apontam caminhos para um futuro mais solidário.

A novidade já está disponível nas principais livrarias do Brasil.

Categorias
Destaque Notícias

Justiça Eleitoral e WhatsApp atuam juntos em regras para campanha eleitoral

As eleições 2020 marcam um ano bastante intenso e diferente por conta da Covid-19. Algumas mudanças estão acontecendo nesse período de eleição. Dentre os novos elementos de campanha, a Justiça Eleitoral definiu pela primeira vez, regras para a utilização do WhatsApp na campanha eleitoral. Uma das principais é a proibição do disparo em massa de mensagens durante esse momento. Elas são caracterizadas como conteúdo alarmista e também impessoal.

Apesar de algumas proibições, o aplicativo pode ser usado para fazer campanha. Não é proibido o uso do WhatsApp, e sim o disparo de mensagens em massa, muitas vezes repletas de desinformação. Outro impedimento é o uso de robôs para realizar esse envio de mensagens, os eleitores precisam receber a opção de saírem de uma lista de transmissão da qual não desejem fazer parte. Vale ressaltar também que os envios de mensagem devem ser feitos pelo candidato ou pelo partido, utilizando a lista de contatos e cadastrados dos próprios.

A Justiça Eleitoral tem incentivado as pessoas a denunciarem mensagens suspeitas recebidas de contatos desconhecidos ou de diversos grupos ao mesmo tempo. Para isso, foi criada uma página na internet com um formulário de denúncia, onde o eleitor pode reportar mensagens que tenha recebido em seu WhatsApp. Basta entrar, preencher alguns dados pessoais e explicar qual o conteúdo da mensagem e o motivo da denúncia. O objetivo é impedir a disseminação de fake news e campanhas de ódio contra candidatos e instituições.

Confira Também: Aplicativos da justiça eleitoral facilitam eleitores e mesários