Categorias
Destaque Sociedade

Mudança de comportamento humano é chave contra crises

Da Redação

Diante das crises mundiais, um grupo de pesquisadores das ciências humanas e sociais divulgou recentemente o lançamento de uma iniciativa intitulada Painel Internacional de Mudanças no Comportamento (IPBC, na sigla em inglês). O objetivo da iniciativa é ajudar a enfrentar, ao longo do tempo, as crises sociais e ambientais atuais e futuras.

Para o professor Eduardo Bessa, membro da diretoria do IPBC e professor de Comportamento Animal da Universidade de Brasília (UnB), a pandemia da covid-19 está incentivando a sociedade a repensar diversas ações. “Talvez seja o momento de aproveitar para mudar outros tipos de atitude que nos possibilitem um mundo melhor, tanto em termos ambientais quanto sociais”, explica o professor.

A ideia do projeto é obter resultados por meio de relatórios com informações recentes e importantes sobre como aplicar novos hábitos no dia a dia e atualizações sobre gatilhos e obstáculos que podem aparecer durante um processo de mudança de comportamento. “Nos relatórios faremos uma síntese do que se sabe sobre o assunto e desenvolveremos estudos para preencher as lacunas sobre o que ainda não se sabe”, esclarece Bessa.

O painel, que já conta com o apoio de 1.023 pesquisadores de mais de 75 áreas e 76 países, ouvirá a sociedade civil e os tomadores de decisões para produzir os relatórios. Para Eduardo Bessa, o diferencial do projeto é a atuação direta no comportamento das pessoas.

“Existem outros painéis focados em problemas ambientais na Organização das Nações Unidas (ONU), como o IPCC, sobre mudanças climáticas, e o IPBES, sobre biodiversidade. Ambos são excelentes em apontar os problemas e até as mudanças necessárias para reduzi-los, mas para realizar essas mudanças é fundamental atuar nos comportamentos das pessoas. Isso é o que nos propomos a fazer”, acrescenta.

    Membros do IBPC: painel já conta com o apoio de 1.023 pesquisadores (Foto: Divulgação)

Mundo mais sustentável

O Painel Internacional de Mudança de Comportamento é, dessa forma, composto não só pelos cientistas que irão gerar os produtos, mas também por empresas, pela sociedade e associações, que auxiliarão a focar o conteúdo dos produtos de forma que sejam relevantes para todos. Esses grupos não são membros oficialmente dentro do IPBC, mas a eles está delegada a missão importante de expressar o que a sociedade precisa, como educação, saúde, agricultura, etc. “Ter as ferramentas certas para promover isso é o que espero do IPBC”, diz Bessa, que revela também ter grandes expectativas com o projeto contra as crises.

O painel surgiu após o lançamento de um manifesto pela criação de um grupo formado por especialistas em torno da necessidade de mudanças comportamentais para um mundo mais sustentável em âmbito econômico, ambiental e social.

O IBPC, entidade internacional, interdisciplinar, independente e apolítica, hoje é formada por profissionais dos mais diversos campos, como psicologia, neurociências, sociologia, economia, ciência política, comportamento animal, biologia, ciências da saúde, educação, direito, marketing e administração.

Categorias
Destaque Notícias do Jornal Sociedade

Criança e adolescente em perigo? Denuncie!

Por Sabrina Campos, advogada

Sabrina Campos (Divulgação)

Inicialmente, recorda-se que, em 2020, alertou-se para a necessidade de protegermos crianças e adolescentes em dois momentos de grande mobilização no país. Quais foram? O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado em 18 de maio e instituído pela lei nº 9.970, de 17 de maio de 2000, e, de mesmo modo, o Dia Internacional das Crianças Inocentes Vítimas de Agressão, celebrado em 4 de junho, data criada pela ONU em 1982.

Constata-se que os índices de violência contra crianças e adolescentes, em especial de cunho sexual, através de crimes de abuso e estupro de vulnerável, têm crescido enormemente ao longo dos anos em razão especialmente da erotização infanto-juvenil e do processo de hipersexualização do menor enquanto indivíduo na sociedade.

A pandemia causada pela covid-19, e seu consequente isolamento, propiciou um aumento considerável de casos em que crianças e adolescentes são vítimas de violência dentro dos seus próprios lares, agredidas por quem deveria lhes defender.

Tem sido comum que muitas pessoas recebam por internet, através de e-mails e grupos em redes sociais, mensagens com conteúdo de mídia de crianças, adolescentes e até bebês como vítimas de agressão.

Com o suposto intuito de ajudar a vítima, que muitas vezes aparece sofrendo torturas físicas, estupro, abusos sexuais explícitos, estimula-se que a mensagem com este conteúdo seja compartilhada pelo maior número de pessoas possível. Sempre instigando aqueles de boa fé a repassarem e divulgarem ao máximo, sob pretexto de que, assim, encontrar-se-á mais facilmente o criminoso em questão.

Verifica-se que em praticamente todas estas mensagens não há nenhum meio de encontrar o agressor de maneira prática, isto é, não há indícios, pistas que identifique quem cometeu, onde ou quando o crime ocorreu. Geralmente, somente a vítima é exposta, bem como a sua humilhação e sofrimento aterradores.

Na verdade, criminosos, criadores deste tipo de material, desejam alcançar outros criminosos, que, por sua vez, pagam por mídias de crianças e adolescentes sofrendo todo o tipo de violência. Nem sempre eles se escondem através da ‘deep web’ ou ‘dark web’: eles usam pessoas como você e a sua boa vontade em ajudar o próximo para esconder os rastros deles enquanto agressores.

Quando uma mensagem de vídeo contendo um bebê sofrendo abusos chega ao seu celular por um grupo de Whatsapp ou outra rede social, por exemplo, logo os membros mais sensíveis a ajudar começam a repassar para todos os seus contatos aquele vídeo terrível, repetindo que quanto mais pessoas compartilharem, maiores são as chances da vítima de obter ajuda e seu agressor ser punido.

Todavia, o que acontece é exatamente o oposto. As pessoas de boa fé acabam por atrapalhar as investigações das autoridades competentes que, de fato, estão em busca dos criminosos. Além disto, estas pessoas, mesmo acreditando estarem fazendo o bem, acabam por cometerem crimes contra estas mesmas vítimas.

Toda vez que um vídeo, foto e mensagem são postados, seja em rede social pelo computador ou celular, há um endereço como caminho definido de sua origem. Mas quem recebe este material e o abre também mantém um endereço de identificação do local onde acessou o arquivo mencionado. Toda vez que as autoridades competentes para investigar crimes, especialmente cibernéticos, buscam esta linha reta entre o criminoso criador do material nocivo e o criminoso receptor deste mesmo material, as pessoas que, solidárias às vítimas, compartilham, divulgam, reenviam estes arquivos a outros inúmeros terceiros na verdade criam uma barreira que age como escudo a proteger essencialmente os criminosos. Portanto, impedem a identificação da origem do arquivo ou o seu real destino, obstruindo e atrapalhando o trabalho policial, cuja operação pode ser completamente perdida após esta intromissão.

Atente para toda vez que receber um vídeo ou foto de algum menor em situação de vítima de algum tipo de violência, especialmente de caráter sexual, para imediatamente entrar em contato com as autoridades competentes a respeito do material recebido.

Jamais compartilhe, divulgue, publique, encaminhe, envie ou reenvie, ou sequer mantenha em sua posse arquivo, vídeo ou foto de menores em situação de vítimas de violência, posto que o Código Penal Brasileiro deixa claro que é crime disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio ─ inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática ─, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha cena de estupro ou que faça apologia ou induza a sua prática, ou, sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia (artigo 218-C).

É preciso esclarecer que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) também determina que é crime reproduzir, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente (artigo 240). É crime disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente.

Também é crime adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. Comete crime quem disponibiliza, distribui, publica ou divulga por qualquer meio, adquire, possui ou armazena o material produzido na forma do artigo 241-B.

O ECA compreende que a expressão “cena de sexo explícito ou pornográfica” diz respeito a qualquer situação que envolva criança ou adolescente em atividades sexuais explícitas, reais ou simuladas, ou exibição dos órgãos genitais de uma criança ou adolescente para fins primordialmente sexuais (artigo 241-E).

ONDE DENUNCIAR

Violação de Direitos Humanos
Ligue 100
www.disque100.gov.br
Polícia
Ligue 190
www.dedic.pcivil.rj.gov.br
Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV)
Rua do Lavradio, 155, Centro, Rio de Janeiro
(21) 2332-4442 / 4330 / 4332 / 4468
Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)
Rua do Lavradio, 155, Centro, Rio de Janeiro
(21) 2334-5104 / 5632 / 5635
Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI)
Av. Dom Hélder Câmara, 2.066, Jacarezinho, Rio de Janeiro
(21) 2202-0277 /0278 / 0281 / 0282 / 0285
Delegacia Legal
Procure a do seu bairro
Disque-Denúncia
(21) 2253-1177

Categorias
Notícias do Jornal Sociedade

Afinal, home office é passageiro ou veio para ficar?

Da Redação

Quando o primeiro caso de coronavírus foi confirmado no Brasil, em fevereiro, apenas 25,6% dos trabalhadores do setor de serviços eram adeptos do trabalho remoto. Menos de três meses depois, este número saltou para 76,3%, segundo pesquisa realizada pela consultoria Talenses Group e pela Fundação Dom Cabral junto a 375 companhias do país. E a pesquisa revela ainda que mais de 70% das empresas entrevistadas esperam que as novas práticas de home office permaneçam, integral ou parcialmente, após a crise da covid-19.

Esse formato de trabalho é considerado uma tendência há tempos. Algumas empresas já haviam adotado a prática, que era considerada um grande diferencial na atração e retenção de talentos. Apesar disso, nunca poderíamos imaginar que essa migração aconteceria em tão curto prazo devido ao distanciamento social.

Uma coisa é certa: nem as empresas e nem os funcionários estavam preparados para fazer a transição de um dia para o outro. A maior parte das pessoas nunca havia trabalhado de casa, pelo menos por tanto tempo, todos os dias da semana. Então, o trabalho remoto deixou de ser um benefício para se tornar uma obrigatoriedade. Com esta nova dinâmica, profissionais precisaram desenvolver habilidades e capacidades, e de forma muito rápida, para o home office.

A primeira adaptação que tivemos que passar foi referente à tecnologia: aprendemos na prática a pilotar as ferramentas que facilitam e possibilitam o home office, como as de videoconferência, acesso a sistemas via VPN, sites de planejamento, organização, criação colaborativa, entre outras. Apesar de já existirem há um tempo, nem todo mundo as conhecia, muito menos sabia utilizá-las.

A segunda adaptação está relacionada a comportamentos e atitudes: como se manter produtivo sem perder o contato com a equipe, a visão do todo e o foco. Salvo algumas exceções, as pessoas estão conseguindo superar o caos inicial de combinar a vida doméstica e a profissional e estão se sentindo mais produtivas, focadas e trabalhando ainda mais do que antes.

E daqui pra frente?

Estamos vivendo uma das maiores transições da história na forma como trabalhamos, e isso é um caminho sem volta. Para muitos especialistas, a pandemia será como uma virada de chave para o trabalho remoto. As razões incluem o aumento da demanda dos funcionários, a resistência reduzida dos gerentes e a economia com custos imobiliários.

Nesse mundo do home office, Flavia Gusmão, sócia da Be Flexy, dá uma dica valiosa para a empresa se organizar de maneira mais assertiva: além de analisar se as funções do cargo permitem ou não o trabalho remoto, o perfil do funcionário também deve ser levado em consideração – foco, organização, autonomia, disciplina e flexibilidade compõem perfis essenciais para este momento.

A mesma pesquisa da Talenses e da Fundação Dom Cabral mostra que, em média, 70,3% dos funcionários de todos os setores estão trabalhando de casa. “Nós estamos passando por um processo de transformação de maneira forçada, mas a pesquisa indica que parte da experiência e adaptação vivida agora vai se converter em novas rotinas, que serão adotadas posteriormente pelas empresas”, afirma Luiz Valente, CEO do Talenses Group.

Em um tempo ainda tão incerto, é preciso estar aberto ao novo. Adaptar-se é a palavra-chave para encararmos novos normais ainda tão recentes. E você, já se adaptou à nova rotina?

Categorias
Sociedade

Opções de cursos à distância explodiram durante período de isolamento

A impossibilidade da realização de aulas e cursos serem realizados de forma presencial fez crescer de sobremaneira a oferta (e a procura) pelo ensino à distância (EaD). Seja para se atualizar dentro de uma área do conhecimento, aproveitar o tempo ocioso gerado pelo isolamento social ou para encontrar um diferencial no currículo, estudar é um investimento que todos devem fazer em suas vidas.

Agora, dentro desse oceano de oportunidades, como definir o curso a ser feito? Preço? Instituição de ensino? Relevância do tema? Duração? Gera ou não certificado? Cursos gratuitos tem algum real valor em dias atuais?

Para responder a uma pergunta tão complexa, conversamos com o professor da ESPM Bruno Peres para clarear tantas dúvidas:

Qual seu objetivo?

Tudo depende do que está procurando em sua carreira. Você está procurando se especializar em alguma área específica ou busca um conhecimento genérico sobre o tema? Precisa colocar a mão na massa, aprender sobre um sistema específico?

Pense em seu objetivo antes de se matricular em dezenas de cursos, mesmo os gratuitos. Se tempo é dinheiro, é errado investir boa parte de seus dias em cursos que não passam nem perto do que você quer para seu futuro.

Grátis ou Pago?

No que diz respeito à objetividade de cursos gratuitos, muitos deles curtos e rasos demais, apenas em busca de seu e-mail para uma futura venda. E isso não é um problema, longe disso. Existem ótimos conteúdos gratuitos em vídeos de YouTube, em lives, e-books e artigos por toda a internet.

Porém, eles jamais trarão a profundidade e consistência de muitos cursos pagos. O que também não exime cursos caríssimos de possuírem bibliografias medíocres e métodos duvidosos.

Aqui vai uma lista que talvez ajude:

Comece com um rascunho do que deseja para sua carreira;

Pesquise sobre esses temas, verifique fontes e resultados para evitar conteúdos inverídicos e falsos gurus milagreiros;

Cursos gratuitos e outros materiais livres podem ajudá-lo a conhecer mais sobre um assunto ainda tido como novo;

Cursos pagos, com professores renomados, que apresentam um conteúdo mais profundo e com mais horas para a transmissão de conhecimento entre alunos e professores serão o caminho para efetivar esse aprendizado.

Vale a ressalva:

Quaisquer cursos – sejam pagos ou gratuitos – não lhe farão um expert em algo, independente do tema abordado. Serão, sim, um bom start para que decida por escolhas maiores dentro da área que deseja trabalhar.

Categorias
Destaque Sociedade

Como serão as viagens pós-pandemia?

Por Alessandro Monteiro

O mundo está mudando em diversos sentidos, e o turismo é um deles. Com restrições de entrada em muitos países, novas regras sanitárias em aviões e hotéis e a necessidade de ficar em casa, as pessoas que amam conhecer novos lugares estão se perguntando como será embarcar em uma nova aventura.

O novo cenário do turismo ainda está se desenhando e há várias incertezas. No entanto, algumas tendências já podem ser observadas. As viagens nacionais voltam primeiro, pois os turistas estão se mostrando mais confortáveis em planejar viagens pelo Brasil neste primeiro momento.

Os motivos vão além da economia e instabilidade das moedas estrangeiras. As opções domésticas são vistas também como mais seguras, por haver a possibilidade de se deslocar de carro até o destino ou em um voo curto.

Outras formas de viajar surgirão ou ganharão destaque. As viagens para pequenos grupos de pessoas conhecidas, como amigos ou familiares, por exemplo, são uma das apostas do momento. Os roteiros que privilegiam um ritmo de viagem mais lento também terão ainda mais força neste período.

Se, anteriormente, as pessoas analisavam o conforto, localização e café da manhã oferecido pelos hotéis, além de bagagem permitida pelas companhias aéreas e o tempo de conexão nos aeroportos, agora os passageiros estarão atentos aos cuidados das empresas de turismo com a higienização de espaço e protocolos sanitários adotados.

Categorias
Sociedade

Degase investe na leitura em tempos de pandemia

A comunidade socioeducativa tem se debruçado sobre os mais variados projetos que sejam viáveis de implementar no sistema. Um dos mais eficientes, que garantem os protocolos preventivos à Covid-19, é a oferta de obras literárias aos adolescentes.

No Centro de Atendimento Intensivo (CAI) Belford Roxo, o CAI Baixada, a bibliotecária Simone Barros tem aproveitado ainda mais o espaço de leitura reinaugurado esse ano com as mediações de leitura para os internos, que podem ser seguidas de debates sobre o texto lido em rodas de conversas ou mesmo estimular a criação de desenhos ou outros textos.

As atividades de estímulo à leitura dão continuidade ao trabalho desenvolvido nas salas de leitura no Cense Dom Bosco, EJLA e Cense Ilha, PACGC, Cense Volta Redonda e GCA, Cense Friburgo, Criaad São Gonçalo e Criaad Ilha, Cecel e Cai Belford Roxo. Onze unidades que foram inauguradas ou revitalizadas nos últimos meses, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).

Categorias
Destaque Notícias do Jornal Sociedade

Previsões para o mês de junho de 2020

Por Sarah Zaad, taróloga e astróloga

Salve sua Estrela! O mês de junho traz aspectos astrológicos que vão balançar a política nacional e mundial. Escândalos no Brasil envolvendo o atual presidente da República trará para ele dias difíceis, além de um processo instaurado de impedimento. Muita coisa oculta vindo à tona. Muitos escândalos envolvendo nomes até agora desconhecidos da mídia em casos de corrupção, uma nova ação dentro da Lava Jato trazendo novos nomes e muita movimentação.

Além deste aspecto, o aumento de vítimas de covid 19 terá seu ápice: muitas cidades e estados terão problemas sérios em nível hospitalar e funerário. Só no final do mês teremos uma diminuição dos casos. Mesmo que os números não caiam, o aspecto é de cura e gradualmente teremos uma diminuição. No final do mês muitas vítimas em estado grave, mesmo aqueles desenganados, conseguirão se curar.

Acidentes com transportes, até mesmo aéreos, serão comuns no mês de junho. Greves no transporte público, mudanças de ministros e movimentação em muitas aéreas do Congresso e discordâncias no STF. Uma praga nas lavouras, que trará muitos problemas em 2021, recomeça a aparecer em junho. Essa questão é preocupante, já que este será um de nossos maiores desafios além da crise financeira em 2021.

No mundo haverá disputa entre países, trazendo um clima tenso, com aumento do dólar e queda na bolsa de valores. Falando em valores, teremos ainda atraso e descobertas de recebimento indevido do auxílio emergencial e muitas pessoas não vão conseguir receber. Um líder religioso tendo sérios problemas de saúde e outro líder religioso conhecido da mídia brasileira envolvido em um escândalo.

Haverá flexibilização do isolamento social, mas sem sucesso. No mês de junho viveremos o luto nacional: pessoas queridas pelo seu trabalho, conhecidas mundialmente, estarão encerrando sua missão neste plano. Muitos políticos tendo problemas sérios de saúde com a covid-19. No Brasil, compras de insumos junto às fontes duvidosas e com superfaturamento novamente serão manchetes.

Estamos em um momento muito difícil em nosso planeta. Será comum tanto no coletivo como no pessoal muita fofoca (fake news). Avalie com critério tudo o que recebe e, principalmente, compartilha. O comércio de bairro terá um fôlego neste mês, muitos empreendedores achando formas criativas de superar a crise. Valorize o comércio local!

A lua nova em gêmeos trará muita agitação nas redes sociais. Vamos ter lançamentos de aplicativos e o início da nova era virtual, que vai colaborar muito com o desenvolvimento do nosso país e do mundo nos próximos anos. A educação e o Ministério da Educação serão assuntos e no futuro a educação à distância já é um fato. Já o Ministério da Educação terá muitos problemas para resolver.

Haverá revolta popular, a intervenção militar em um acontecimento crítico. O ilícito também terá espaço na mídia, desde problemas em presídios a crimes e guerras. Feminicídio e descobertas de abuso infantil cometidos por professores virão à tona. Ou seja, tudo que está sujo aparecerá durante o mês de junho. Os aspectos são totalmente desfavoráveis, porém preciso lembrar que é através da dor que nós iremos salvar nosso país.

Desejo saúde, paz e sabedoria a todos.

Acompanhe Sarah Zaad está em seus três canais no You Tube:
Força Soberana — Vidência Ancestral
Cigana Sara — Tarot de Ouro
Sara Zaad — Signos.

Categorias
Notícias do Jornal Sociedade

Inove com as correntes oversize

Por Franciane Miranda

A moda oversize está reinando no mundo fashion: nas últimas temporadas acompanhamos uma explosão de peças max. Esta vibe segue com tudo no universo dos acessórios. Os estilistas continuam inovando e ampliando cada vez mais estes itens.

Estas novidades chegaram para dar um up a mais à estação. Estamos acostumados a imaginar a primavera com estilos mais delicados e suaves, mas uma tendência, que começou tímida, parece ser a preferida do momento. A queridinha da vez são as correntes mais grossas e grandes.

Elas sempre foram bastante usadas para decorar ou como alças em bolsas, dando aquele ar cosmopolita. A moda está sempre em movimento e se reciclando e estas correntes estão surgindo em tudo, mas de uma maneira um pouco diferente: com volume extra grande.

A griffe Bottega Veneta, que sempre lança tendências certeiras no mundo das passarelas, acertou em mais uma de suas apostas. As badaladas marcas Zimmermann, Moschino e Tom Ford também já mostraram como usar e aproveitar. Se depender dos designers e fashionistas já é sucesso absoluto!

Esta novidade, que na realidade não é tão nova assim, está cada vez mais ganhando espaço com volume extra em jóias, cintos, sapatos e claro, as bolsas. Os detalhes inspirados no universo heavy metal surge com uma pegada mais forte, mostrando como usar estas correntes oversize com atitude, sem medo de ousar e na medida certa.

Se inspire e monte looks cheios de estilo, deixando suas composições sofisticadas. Esta tendência combina com quase tudo e, de quebra, finaliza com aquele toque de glamour. Pode ser usada nos mais variados estilos, desde os mais românticos até os cheios mais audaciosos. Você pode usar de várias formas, no período do dia, de maneira descontraída e casual , ou mais chique e sensual durante à noite, com uma roupa mais justa.

Já pensou em pôr com vestidos delicados em renda? Os tecidos leves e fluídos são excelentes e combinam bem com um colar ou até mesmo um cinto de corrente. Para você que é antenada e gosta de ousar, pode adicionar estes artigos volumosos com peças em couro ou um jeans com blusa básica. Estas composições ficam super descoladas. Com certeza vale a pena investir neste novo hit. Eu já estou amando! E vocês?

Categorias
Rio Sociedade

Moradores de Santa Teresa caminham por saúde

Por Franciane Miranda

Durante o período de quarentena, muitos moradores aproveitam para colocar a saúde física e mental em dia. A corrida e a caminhada, que já faziam parte da rotina dos moradores de Santa Teresa, se tornaram mais presente. Qualquer hora do dia, na Rua Almirante Alexandrino, uma das vias mais movimentadas do famoso bairro carioca, você encontra pessoas se exercitando, mas sem aglomerações.

Localizado às margens da floresta da Tijuca, Santa Teresa encanta seus moradores e turistas de todas as partes do mundo. Cercado de um verde esplendoroso, com lindas vistas para vários pontos do Rio e também para os principais cartões postais da Cidade Maravilhosa.

Para quem curte uma vida saudável, o bairro oferece um estilo de vida mais calmo, com uma conexão única entre a natureza e a prática de exercícios. O local é ótimo para aliviar o estresse causado pelo isolamento, respirar ar fresco e limpo. Ideal para renovar as energias e nos dar uma injeção de ânimo para seguirmos em frente com nossas vidas.

Além de ser um programa saudável, o passeio se torna cheio de surpresas: são micos, tucanos, pássaros, cachoeiras, fontes e claro, muita história, contada nas placas sobre o local. Admirar e contemplar a majestosa floresta faz parte do pacote gratuito. Para os mais aventureiros que conhecem à área, opções não faltam: trilhas e ciclismo também são esportes muito praticados.

Clima agradável

Edineide Silva sempre caminha com sua prima Ivanilda, pois se sente mais segura estando acompanhada. Para ela, a atividade tem ajudado a viver menos estressada, distraindo a mente. “Caminhar melhora tudo em mim: a forma física e metal, me deixa mais leve”. A secretária diz que adora andar em Santa, pois é um lugar calmo. “Chama a minha atenção a linda paisagem, o ar fresco e os animais que se encontram ao redor da floresta”, detalha.

O público de várias idades não se intimida com os buracos da pista. Para os que não estão acostumados com o percurso longo, há vários bancos no decorrer da via para descansar. Quem sabe uma pausa para aquela linda foto? Para os animais, a diversão também está garantida: é comum encontrar donos de pets correndo com seus bichinhos de estimação.

Um exemplo de superação! Assim ficou conhecido Igor Silva, que no início não costumava se exercitar. Ele lembra que foi obeso e já chegou a pesar 120 kg, mas graças aos exercícios conseguiu emagrecer 40 kg em oito meses. Sempre correndo só, ele nos informa que há sete anos esta é sua paixão. O técnico de refrigeração diz que o esporte tem ajudado muito neste período, pois não consegue ficar muito tempo preso dentro de casa. “A corrida para mim é uma terapia”, afirma.

“Visual e o clima agradável”, detalha Igor sobre o trajeto que faz. Ele também está consciente sobre os riscos da pandemia e tenta usar máscaras, mas elas dificultam a respiração, fazendo com que tome outras precauções. “Procuro mudar de lado quando vou passar por alguém que esteja caminhando ou correndo”, finaliza o jovem.

Categorias
Notícias do Jornal Sociedade

As máscaras vieram para ficar

Por Franciane Miranda

Bastante usadas por profissionais da área da saúde e por pacientes, estes acessórios se tornaram essenciais devido à pandemia do novo coronavírus. As máscaras em tecido ganharam as ruas e hoje, além de servirem de proteção, estão com um ar mais fashion e uma pitada de estilo. São produzidas por microempreendedores ou autônomos, que juntaram a necessidade de ganhar dinheiro com a grande demanda dos dias atuais.

A produção artesanal dos artigos faciais caiu na graça da população, com milhares de estampas para todos os gostos e idades. O sucesso foi tanto que vários usuários do Instagram postam todos os dias muitas fotos usando diferentes modelos: bolinhas, super-heróis, frutas, animais, cores diferentes, animal print, times do coração, desenhos animados, feitas com o uso da famosa técnica tie dye. Há também as com frases de superação e, para as mais românticas, a renda é aplicada ao tecido, deixando a peça bem sofisticada.

As máscaras, além de protegerem, estão sendo usadas de forma criativa por muitas empresas para divulgar suas marcas. As peças contêm o seu nome ou slogan escrito e, assim, fazem o seu marketing de forma positiva e com baixo custo.

A empreendedora Lidianne Oliveira lembra que começou a produzir máscaras em 2019, para o seu sobrinho que fazia tratamento de leucemia. “Então fiz para ele e para toda a família que tinha contato”. Ela afirma que produz cerca de cem máscaras por dia e, desde o início de abril, vendeu em média mil unidades. Para dar conta dos pedidos conta com a ajuda de duas pessoas para a confecção e uma para entregas, que é combinada com o cliente para sua melhor segurança durante esta fase. Lidianne detalha que usa sua página ─ innovarestudio.arte ─ como aliada para vender e mostrar as peças aos interessados.

Moradora de Niterói, Lidianne está atenta ao mercado da moda e também atende clientes que queiram peças exclusivas. “Mas, para quem deseja algo personalizado, fazemos também com um valor diferenciado, além de produzir kits pré-selecionados”, avisa. A jovem passa a dica dos temas que mais vendem: estampas neutras e lisas como listras, poá, chevron e xadrez para homens. As preferidas das mulheres e crianças são as de bichinhos e florais.

De olho neste mercado crescente, algumas marcas também estão apostando em designs diferenciados. Para as it girls, que não abrem mão da segurança e do estilo, já é possível encontrar algumas com edição limitada. São dezenas de modelos para combinar com qualquer look. Escolha o seu e arrase!

Geralmente, as pessoas usam por algumas horas e o conforto é essencial, não apenas o estilo, e existe toda uma preocupação com a produção. Fique atento: ela precisa ser em tecido duplo e resistente. Observe a estrutura do elástico, pois ele pode machucar. Pensando nisso, alguns produtores estão vendendo junto com uma tiara ─ o elástico é fixo na tiara para evitar incômodos.

Infelizmente, parece que vamos precisar as máscaras por mais um tempo. É importante termos em casa ou na bolsa. O ideal é que elas façam parte do nosso dia a dia, pois outras doenças virais são comuns, sendo uma questão de higiene e uma forma de cuidar do próximo. Fica a dica!