Categorias
Destaque Política

Governo prorroga auxílio emergencial de R$ 300 até o fim do ano

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (1º) que o auxílio emergencial será prorrogado em mais quatro parcelas de R$ 300. Ele se reuniu na manhã desta terça-feira (1º) com ministros e parlamentares da base do governo, no Palácio da Alvorada, para alinhar as próximas ações do governo na área econômica.

O auxílio é destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, como forma de dar proteção emergencial durante a crise causada pela pandemia da covid-19. O benefício começou a ser pago em abril, e foi estabelecido em três parcelas de R$ 600.

Em junho, por decreto, o governo prorrogou o auxílio por mais duas parcelas, no mesmo valor. E agora, com mais quatro parcelas, em valor menor, o benefício vai se estender até o final do ano.

“Resolvemos prorrogá-lo, por medida provisória, até o final do ano”, disse Bolsonaro, em declaração à imprensa após a reunião. “O valor, como vínhamos dizendo, R$ 600 é muito para quem paga e podemos dizer que não é o valor suficiente para todas as necessidades [das famílias], mas basicamente atende”, disse.

Com Informações: Agência Brasil

Categorias
No Barquinho da Paciência

Em análise

Completando quase 5 meses de quarentena é inadmissível, assistir diariamente o cotidiano de milhares de brasileiros, ainda nas filas para receber a primeira parcela do auxílio emergencial. Um benefício criado polo governo federal, cujo objetivo principal era matar a fome da população durante a pandemia, virou um pesadelo para muitos.
O projeto anunciado em março, atenderia cerca de 65 milhões de brasileiros, porém até o momento, ainda existem 850 mil trabalhadores informais e desempregados aguardando informações e justificativas pelos mais variados erros no sistema. Para muitos, o processo ainda continua em análise ou inadimplência, no cadastro, que por muitas vezes é improcedente.
Por outro lado, 620 mil brasileiros receberam indevidamente o auxílio, dentre eles 400 mil funcionários públicos. Outra parte, eram militares, presidiários e brasileiros que moram no exterior.
Na quarta-feira (22), o governo anunciou que excluiu do auxílio emergencial 565 mil pessoas. Na lista estão presos e brasileiros que moram no exterior. O grupo de quem recebeu indevidamente tem quase 400 mil funcionários públicos.
Em 22 de julho, foi liberado o pagamento da 4ª. Parcela, que muitos ainda almejam receber a primeira. A falta respeito com o cidadão, ultrapassa todos os limites da ética e da cidadania. A fome tem urgência para , centenas, milhares que além de não estarem nos cálculos da estatística do país, continuarão passando despercebidos e sofrendo na pele, todas as inconsequências das políticas de governo do Brasil, que busca favorecer somente aos bilionários esquemas de corrupção, liderados por meia dúzia de políticos influentes do país.

Categorias
Social

Como arrumar comida para alimentar tanta gente?

No Rio, voluntários criaram um grupo de WhatsApp chamado Reação e União, cujo intuito, é amenizar os impactos da pandemia do coronavírus na cidade. Os participantes têm se movimentado para agir, com a premência e a abnegação que o assunto exige.

O Reação e União tem feito uma convocação aos artistas para que gravem vídeos e compartilhem em suas redes, direcionados às favelas. A ideia é informar e conscientizar sobre o problema. Quem quiser participar pode enviar o filme pelo número (21) 98107-2342. Deve-se usar a hashtag #todentro.

Veja algumas instituições para você ajudar:

  • O centro comunitário Casa Amarela Providência, criado pelo artista plástico francês JR, tem recebido doações financeiras para compra de cestas básicas e produtos de higiene para os moradores do Morro da Providência. Pessoas de confiança da favela vão recepcionar o material e distribuí-lo para os moradores. As doações podem ser feitas para Casa Amarela, Banco Bradesco, agência 0448, conta corrente 12520-2, CNPJ: 25.144.594/0001-35.
  • A ONG Rio de Paz, de Antônio Carlos Costa, distribuiu três toneladas de alimentos na quadra da Escola de Samba do Unidos Jacarezinho. A ideia é doar mais. Para isso, pedem contribuições para Rio de Paz, Banco Itaú, agência 1185, conta 44820-4, CNPJ 09.551.891/0001-49.
  • A CUFA está com o bloco na rua, neste momento de tensão. São milhares de voluntários. Contato no tel.: 21-969411515.

Foto: Reprodução