Categorias
Brasil Saúde

Verão, crianças e pandemia: 12 cuidados para adotar no período de férias

Estação preferida da garotada, o verão traz dúvida aos pais e atenção redobrada com a saúde e a segurança
Férias, calor, alegria e diversão. Todos esses substantivos são sinônimos do verão, estação que costuma ser a preferida da garotada em todo o país.

O período, no entanto, é repleto de perigos que demandam atenção redobrada de pais e cuidadores, como riscos de afogamento, queimadura solar, desidratação, infecção gastrointestinal, micoses de pele e outros.

Dr. Paulo Telles, pediatra pela Sociedade Brasileira de Pediatria, lembra ainda que neste ano cheio de desafios por conta da COVID-19, as crianças estão ansiosas e precisando de espaço e liberdade.

“E por isso vale ressaltar mais uma vez: não se esqueçam dos cuidados que ainda devem ser tomados pela pandemia, como evitar aglomerações, uso de máscara em espaços públicos e higiene frequente das mãos. Prefira sempre lugares abertos e ventilados, como parques, praças e praias”, destaca o médico.

Para manter as crianças seguras o pediatra pede que pais e cuidadores fiquem atentos às seguintes dicas:

Risco de afogamento

Crianças na piscina e mar devem sempre estar assistidas, usando boias e coletes adequados para a idade e tamanho, caso não saibam nadar. “Mas fique de olho o tempo todo, cuidado com distrações como o celular e bebidas alcoólicas!”

Atenção ao excesso de sol

Pode causar insolação, além dos riscos das queimaduras solares em médio e longo prazos.

Use muito protetor solar: “FPS 50 ou mais e repasse sempre que a criança for na água ou suar muito e/ou a cada 3 horas. Evite exposição nos horários de maior risco, entre 10h e 16h, em que o sol está mais forte. Chapéus e roupas com proteção UV são sempre bem-vindos”, ensina o médico.

Picadas de Inseto
Cuidado com as picadas de inseto, especialmente nas regiões endêmicas, em que insetos transmitem doenças graves. Dr. Paulo recomenda o uso de maneira adequada do repelente, conforme instruções do produto e idade da criança, e sempre por cima do protetor solar quando for usar ambos.

Beba bastante líquido
Atenção à desidratação! “Cabe aos pais, de maneira ativa, insistir para que as crianças tomem muita água ao longo do dia de diversão.”

Alimentação
Fiquem atentos à alimentação: prefira alimentos mais leves, como frutas, legumes e grelhados e evite frituras e comidas prontas na praia e parques. Lave sempre as mãos antes das refeições porque as viroses intestinais e intoxicações alimentares também são mais comuns no verão.

Atenção redobrada nas brincadeiras
Os acidentes em parquinhos aumentam no verão: cuidado com escaladas, escorregadores e brinquedos altos.

Se for pegar barcos e embarcações, deixem as crianças sempre com colete salva-vidas.

Ao usar bicicleta, patins, skate e patinete, lembre-se sempre de usar equipamentos de proteção de maneira adequada, como capacete, joelheira e cotoveleira.

Cuidado com os fungos
As infeções fúngicas de pele aumentam muito no calor. “Prefira calçados ventilados e troque as roupas úmidas com mais frequência. Dê preferência a roupas leves e claras”, ensina Dr. Paulo.

Bom sono
Mesmo nas férias, atenção ao sono e descanso adequados dos pequenos, porque de manhã precisam estar com as baterias recarregadas para mais um dia de diversão.

Atenção aos automóveis
Faça sempre a revisão do carro antes de viajar, descanse antes de dirigir e use sempre cadeiras de transporte adequados para cada faixa etária.

“Às vezes, medidas simples, como trocar o tênis pelo chinelo, passar repelente e protetor solar podem fazer toda a diferença na saúde e no bem-estar da criança e na tranquilidade e no descanso de pais e cuidadores”, conclui o pediatra.
Categorias
Brasil Destaque

Como fica o período de férias em caso de suspensão de trabalho na pandemia

Este ano vem sendo atípico e o resultado desse chamado ‘novo normal’ é que os impactos são sentidos nos mais variados pontos relacionados ao contrato de trabalho. Assim, uma dúvida que fica é: como será as férias para quem teve redução ou suspensão da jornada de trabalho?

Em relação a esse ponto, é importante entender que o direito às férias é adquirido a partir da soma de doze meses de trabalho pelo empregado. Assim, no caso de redução de jornada, não se tem o que contestar, o período segue normalmente neste ano. O ponto que pode ser discutido é sobre a soma do período para aquisição das férias quando o contrato de trabalho esteve suspenso.

Infelizmente não existe na legislação nenhuma fundamentação expressa que preveja o cômputo do período ao qual o contrato de trabalho esteve suspenso. Essa falta de fundamentação pode levar a empresa a pagar as férias sobre o período ao qual o contrato estava suspenso. Assim, se o contrato estava suspenso e as férias têm o cunho de descanso, o empregado não estava trabalhando e nem à disposição da empresa, não parece razoável a contagem desse tempo para fins de período aquisitivo de férias, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil (www.confirp.com), Richard Domingos.

Contudo, ele explica que, como não há definições claras, alguns especialistas defendem a contagem desse período na contagem das férias e outros já se posicionam pela não contagem.

Há uma terceira linha que alguns especialistas defendem, que o período suspenso não deve ser considerado como período aquisitivo e reforçam que a empresa deve pagar as férias desse período de forma proporcional dentro do prazo estabelecido na legislação para evitar a dobra (a empresa pode incorrer na penalidade de pagar o dobro das férias quando paga em atraso).

Assim, se um empregado ficou suspenso 180 dias, logo teria que receber 15 dias de férias e não 30, e essas férias devem ser pagas e aproveitadas até o 11º mês de completado os 12 meses de contrato (sem a interrupção da suspensão).

Infelizmente, em muitos casos, apenas o judiciário dirá quem está certo. Nosso direcionamento para nossos clientes é que, em relação a esse tema, a forma da empresa não ter nenhum questionamento sobre o assunto é computar o período suspenso como período aquisitivo, não alterando a programação de férias do trabalhador, explica Richard Domingos.

Como se pode observar,  o campo é bastante abrangente e o tema é bastante fértil. Embora muitos especialistas se posicionam de forma conservadora e a favor de que a empresa tenha que pagar toda a conta, muitos outros defendem o lado oposto. O ponto é que a insegurança jurídica e falta de clareza na legislação causam esse tipo de discussão. Por falta de um posicionamento pontual por parte do poder executivo e legislativo, caberá ao judiciário a decisão final sobre a questão.

Categorias
Destaque Sociedade

Como serão as viagens pós-pandemia?

Por Alessandro Monteiro

O mundo está mudando em diversos sentidos, e o turismo é um deles. Com restrições de entrada em muitos países, novas regras sanitárias em aviões e hotéis e a necessidade de ficar em casa, as pessoas que amam conhecer novos lugares estão se perguntando como será embarcar em uma nova aventura.

O novo cenário do turismo ainda está se desenhando e há várias incertezas. No entanto, algumas tendências já podem ser observadas. As viagens nacionais voltam primeiro, pois os turistas estão se mostrando mais confortáveis em planejar viagens pelo Brasil neste primeiro momento.

Os motivos vão além da economia e instabilidade das moedas estrangeiras. As opções domésticas são vistas também como mais seguras, por haver a possibilidade de se deslocar de carro até o destino ou em um voo curto.

Outras formas de viajar surgirão ou ganharão destaque. As viagens para pequenos grupos de pessoas conhecidas, como amigos ou familiares, por exemplo, são uma das apostas do momento. Os roteiros que privilegiam um ritmo de viagem mais lento também terão ainda mais força neste período.

Se, anteriormente, as pessoas analisavam o conforto, localização e café da manhã oferecido pelos hotéis, além de bagagem permitida pelas companhias aéreas e o tempo de conexão nos aeroportos, agora os passageiros estarão atentos aos cuidados das empresas de turismo com a higienização de espaço e protocolos sanitários adotados.