Categorias
Cultura Diário na Folia Fica a Dica

VI Rio Harp Festival a todo vapor no carnaval

 

Nem mesmo a pandemia do novo coronavírus no mundo impediu que o XV Rio Harp Festival fosse realizado em 2020. E o seu sucesso de crítica, mídia e público determinou na sua continuidade em 2021, que segue firme em pleno Carnaval. Graças à Lei Aldir Blanc, o XVI Rio Harp Festivla – versão latino-americana-virtual está sendo realizado desde o dia 29 de janeiro e segue até 22 de fevereiro com sua programação, tendo como foco os harpistas do nosso continente. A ideia é que a edição completa possa voltar a ser feita ainda em 2021, incorporando harpistas do mundo todo.

Esta versão virtual e compacta servirá de abertura e manutenção do evento, mas destacando os harpistas latino-americanos. Além do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Colombia, Venezuela, Peru, Equador e México estarão representados no evento.

São 15 músicos de 9 países, incluindo importantes artistas brasileiros e orquestras de projetos sociais.Apoiado pela Lei Aldyr Blanc da Secretaria Estadual de Cultura e Economia criativa, o evento está inserido no projeto “Música no Museu”, que em 24 anos de atividades ininterruptas de janeiro a dezembro de cada ano atinge o Brasil de norte a sul, além de sua vertente internacional, e há 16 anos dedica um mês à harpa.

                                      PROGRAMAÇÃO

17 de fevereiro – quarta-feira – 13hs.

Palestra: A história da harpa.

Newton Nazareth, pianista e pesquisador.

País: Brasil

18 de fevereiro – quinta-feira – 13hs.

Músico: Trio D`Ambrosio: Maria Helena Andrade, piano, Maria Célia Machado, harpa e Aizik Geller, violino.

País: Brasil.

 19 de fevereiro – sexta-feira – 13hs.

Músico:Lucas Petroni, harpa.

País: Argentina

20 de fevereiro – sábado – 13hs.

Músico: Clarp Ensemble/ Ecos Latinos, Patrice Fischer, harpa e Carlos Valadares, percussão.

País: Colombia, Guatemala

21 de fevereiro – domingo – 13hs.

Músico: Yns Even, harpa -Camerata do Uerê. Yins Even, harpa.

País: Peru/Brasil.

22 de fevereiro – segunda –  13hs.

Burning Symphony. Jonathas Faganello, harpa.,

País: Brasil

Por onde os concertos serão transmitidos:

www.musicanomuseu.com.br

www.radiomusicanomuseu.com

– Cedro Rosa Youtube
https://www.youtube.com/channel/UC25sT7ofudoMWTDOx5T2DdQ

– Cedro Rosa Facebook
https://www.facebook.com/cedrorosadigital.com.br/ )

– Cedro Rosa Twitter
https://twitter.com/cedrodigital )

Foto: Divulgação

Categorias
Cultura Notícias do Jornal

MOSTRA COMPETITIVA DO FESTIVAL DE CINEMA DE ALTER DO CHÃO 2020 

Foram selecionados em todas as categorias 121 filmes do Brasil e de países de todos os continentes. Destes, 80% são inéditos  demonstrando  que a produção cinematográfica é fértil e alinhada, no seu âmago, ao tema do festival : “Um olhar para a Amazônia, os povos do mundo, a valorização do cinema, das artes, o reconhecimento dos direitos globais e da natureza”. Dos selecionados, 51 filmes são de temáticas indígena, ambiental e amazônica.

Segundo o diretor-geral  do FESTALTER 2020 Locca Faria (cineasta, fotógrafo, produtor e diretor) , – “Teremos na Mostra Competitiva 42 horas de filmes da mais alta qualidade, ricos em conteúdos, com temáticas e olhares variados, trazendo informações diversas, fazendo de Alter do Chão e da Amazônia o palco do cinema brasileiro e mundial”.

coordenação da curadoria foi realizada pelo diretor e cineasta Anselmo Duarte Jr. , que trabalhou incansavelmente com uma equipe de curadores da mais alta qualidade formada por cineastas, jornalistas, profissionais do cinema, do audiovisual, produtores, diretores, roteiristas de várias regiões do Brasil, da Amazônia e do exterior, que analisaram os 2072 filmes de 105 países inscritos,  seleção que trouxe uma enorme dificuldade de escolha pela qualidade excelente dos filmes.

Troféu Muiraquitã

O júri do festival formado por grandes nomes como Pedro Bial, Célia Maracajá, Zezé Motta, Indaiá Freire, Marcelo Tas e Xavier de Oliveira (presidente) terá a árdua tarefa de dar aos vencedores, em suas categorias, o troféu Muiraquitã criado pelo artista artesão Rony Borari de Alter do Chão.

 Alguns filmes selecionados são de diretores conhecidos, outros de diretores novos, tanto do Brasil quanto do exterior como: “Amazônia – Sociedade Anônima” de Estêvão Ciavatta (Brasil), “Fio da Meada” de Silvio Tendler (Brasil), “Dança da Vida” de PeymanZandi (Irã), “O Doce Sabor do Pão Salgado e Cuecas” de Che Espiritu (Filipinas), “Mestre Cupijó e seu Ritmo” de Jorane Castro (Brasil), “Maquis” de Rubén Bure (Espanha).

Categorias
Alessandro Monteiro | Circuito Carioca Destaque

Festival carioca “Ilumina Zona Oeste” realiza sua 4º edição de 06 a 08 de novembro e pela primeira vez de forma virtual

O Rio de Janeiro não é somente o terceiro estado mais populoso do país, mas também uma das cidades que mais apresenta diversidade cultural. Dentre seus bairros, a Zona Oeste, é a região mais populosa do Rio, e recebe do dia 06 a 08 de novembro de 2020 a quarta edição do ’Festival Ilumina Zona Oeste’, evento que promove a visibilidade das iniciativas culturais e sociais com a realização de oficinas, debates e apresentações artísticas. A pandemia da COVID-19 fez com que o Instituto Rio, realizador do festival desde 2017, transformasse a quarta edição do evento – que já faz parte do calendário do Rio – em formato virtual, ampliando o acesso para quem nunca pode estar lá pessoalmente e que agora terá a oportunidade de fazer parte desse universo multicultural.

O Ilumina Zona Oeste é uma realização do Instituto Rio em parceria Instituto Phi, e conta ainda com o apoio de diversos artistas e parceiros independentes. Este ano, o Festival foi selecionado no edital da empresa Via Rio, que patrocina o projeto com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura (ISS) por meio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Serão ao todo 03 dias dedicados a uma programação intensa de atividades que possuem os objetivos de: fortalecer a rede criativa e dar visibilidade às iniciativas socioculturais da Zona Oeste do Rio.

 

Foto: Ilumina Zona Oeste – Feira de economia criativa(Divulgação)

Conhecer todos esses projetos da Zona Oeste do Rio de Janeiro nos fez ter a certeza de que essas riquezas precisavam ser compartilhadas e reconhecidas por todo mundo, e assim nasceu o Festival, que a cada ano ganha novos parceiros e formatos e esse ano poderá chegar a mais e mais pessoas. “. Explica Luiza Serpa, fundadora do Instituto Phi, criadora e cogestora da iniciativa.

Neste formato virtual, o evento trará cerca de 20 apresentações artísticas das seguintes áreas: música, dança, artes visuais, teatro e literatura, além de oficinas e bate-papos para incentivar a criatividade, as trocas de experiências e a reflexão de todos os participantes.

O Festival esse ano priorizou artistas e projetos “iluminados” e que, em alguma medida, “iluminam” o seu entorno, ou seja, impactam positivamente em seus territórios de origem, utilizando a cultura como ferramenta para colaborar com um Rio socialmente justo e sustentável. O Ilumina é uma oportunidade de integrar a cena sociocultural da maior região da cidade. Um monte de artistas que não se conheciam passam a atuar em rede a partir deste encontro. A Zona Oeste é o pulmão da cultura carioca. O Festival é um canhão de luz e vida, um respiro meio ao caos da pandemia”. Afirma Pablo Ramoz, curador do Festival.

Temas relevantes para o território e seus habitantes, tais como:  sustentabilidade (Os ativos naturais da Zona Oeste do Rio: da Floresta do Camboatá ao Parque da Pedra Branca, do Parque do Mendanha à Baía de Sepetiba), economia criativa, comunicação popular, protagonismo negro, escrita criativa, entre outros farão parte do evento.

As transmissões acontecerão pelas redes sociais do Festival (Facebook, Instagram e Youtube), que este ano ganhou também um site exclusivo, reunindo diversas informações sobre a Zona Oeste e seus principais atores no campo sociocultural. A visão de longo prazo é que se torne uma plataforma para difundir conteúdo e facilitar a criação de redes colaborativas na região.

SERVIÇO: Ilumina Zona Oeste

 Realização: Instituto Rio

Curadoria: Pablo Ramoz

Produção: Motriz Sociocultural

Data: 06 a 08 de novembro

Classificação etária livre

Acesse a programação no site: www.iluminazonaoeste.org.br

Categorias
Cultura Destaque

“Renovar”, nova composição de Mauro Marcondes está na semifinal da Rádio MEC

Por Alessandro Monteiro

Mauro Marcondes, em parceria com Guto Marques, teve sua nova canção RENOVAR,  selecionada entre mais de 1000 músicas, no Festival de Música da Rádio MEC” https://radios.ebc.com.br/festivalradiomecna categoria de “Música Popular”.

No Brasil, dificilmente artistas populares ganham o destaque merecido e bons créditos à sua obra. Portanto, é importante o engajamento e o voto de todos, para que artistas nobres como ele, possam ter a cada dia, mais notoriedade de composições tão especiais, que merecem nossa atenção e reverência.

Atualmente, gerar conteúdo de qualidade para as mídias sociais tem sido a base da agenda de trabalho do cantor e compositor Mauro Marcondes, nos últimos anos, e é parte fundamental da estratégia de divulgação de sua obra e de seus parceiros.

https://www.facebook.com/MAUROMARCONDESCOMPOSITOR https://www.instagram.com/mauromarcondes.compositor/

https://www.youtube.com/channel/UCMDCQSyCLnI8rzf3OuaRAeQ?view_as=subscriber

 

Categorias
Fica a Dica

Megafestival online arrecada fundos contra o coronavírus

Quase uma centena de artistas e celebridades de diferentes nacionalidades confirmaram a participação no festival online One World: Together At Home (do inglês, Um Mundo: Juntos em Casa), que ocorre a partir das 15h (horário de Brasília) de hoje (18).

Além da brasileira Anitta, o evento criado pela organização não governamental (ONG) Global Citizen, em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS), terá apresentações musicais de Andrea Bocelli; Billie Eilish; Chris Martin (vocalista da banda Coldplay); Eddie Vedder (do Pearl Jam); Billie Eilish; Elton John; Jack Johnson; Jennifer Lopez; Juanes; Paul McCartney; Pharrel Williams; Rolling Stones; Stevie Wonder; The Killers, entre outros.

O objetivo é arrecadar recursos que serão doados para o combate ao novo coronavírus (covid-19) e reforçar a importância das pessoas permanecerem em casa para tentar conter a disseminação do vírus enquanto um remédio para a doença não é encontrado.

Além de se apresentar, a cantora e atriz norte-americana Lady Gaga ajudou a organizar as apresentações – que também incluem a participação de celebridades como o dono da Microsoft Bill Gates; o piloto de Fórmula 1, Lewis Hamilton; a apresentadora Oprah Winfrey e os atores Ellen Degeneres, Lupita Nyong’o e Samuel L. Jackson.

Cada convidado participará do evento de sua própria casa. As atrações musicais devem ser, em grande parte, acústicas ou pré-gravadas. Todas as intervenções serão retransmitidas pela internet e por emissoras de TV em vários países. No Brasil, as opções para acompanhar o pré-show, a partir das 15 h, incluem os canais da Multishow na TV e no Youtube, e a Globoplay, cujo sinal estará aberto.

As principais atrações musicais, no entanto, se apresentarão a partir das 21 h. Além de Multishow e Globoplay, a TV Globo exibirá o show completo logo após o programa Altas Horas.

Na internet será possível acompanhar desde o pré-show pela página da ONG Global Citizen na internet, e também nas redes sociais da ONG (YouTube, Twitter, Instagram e Facebook).

Segundo os organizadores, as contribuições de parceiros corporativos serão repassadas a um fundo da OMS para que a organização ajude a equipar com equipamentos de proteção individual (EPIs) profissionais de saúde em todo o mundo. “A OMS está melhor posicionada para liderar e coordenar a resposta global em todos os 194 países-membros”, diz a ONG.