Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto Notícias do Jornal

DIRETO AO PONTO: eminente x iminente

                    

Mariana e Joaquim acompanhavam o noticiário da televisão quando a repórter leu o depoimento de um político com alto cargo em nosso país.  O político escreveu:

“O início da vacinação em nosso país tornou-se eminente! A cada dia os casos aumentam e os hospitais não conseguem atender a todos os pacientes”.

Mariana comentou com Joaquim:

– Será que este político foi capaz de dizer isto? A vacinação tornou-se eminente??? Será que ele sabe o que quer dizer eminente? A vacinação é ilustre?

Joaquim tentou explicar:

– Certamente ele não escreveu desta forma.  Deve ter havido um erro de digitação! Seria iminente?

– Sim, retrucou Mariana. Apenas uma letrinha muda totalmente o significado da palavra!

 

DIRETO AO PONTO

Errado: O início da vacinação é eminente.

Certo: O início da vacinação é iminente.

 

EMINENTE – O significado está relacionado a algo ou alguém “importante” ou “superior”. A palavra funciona como um adjetivo.

IMINENTE – Significa algo “imediato”, “próximo”. que está prestes a acontecer.. O termo também funciona como um adjetivo que qualifica as situações com risco imediato de se concretizar.

 

MARYNÊS MEIRELLES

Pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI). È sócia proprietária da Essencial Creche Escola na Barra da Tijuca. Trabalha como produtora cultural do programa Sábado é Show na Rádio Bandeirantes onde tem o quadro “Toque Show”, dando dicas da Língua portuguesa.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Projeto ‘Em Tempos de Lives…’

Neste projeto ‘Em Tempos de Lives…’ trarei alguns deslizes que têm sido muito comuns neste período. As lives tornaram-se ferramentas muito utilizadas e atingem o público de uma forma muito simples, rápida e prática. São lives que nos trazem novos conhecimentos ou oportunidades de presenciarmos bate-papos agradáveis, conhecermos outras pessoas, enfim, estreitarmos laços.

Mas, por acontecerem “ao vivo”, as pessoas deveriam tomar alguns cuidados em relação ao nosso Português, mais especificamente, à língua portuguesa. E, para piorar, as lives ainda ficam gravadas, sendo acessadas durante um bom tempo.

Nesta manhã, escutei em uma live sobre harmonização de ambientes a seguinte frase:

─ Você concorda que o seu vídeo SEJE divulgado?

Um vídeo que será divulgado para um número enorme de pessoas e o tal “seje” estará lá!

Portanto, segue aqui o correto:

─ Você concorda que o seu vídeo SEJA divulgado?

Observação: baseado em fatos reais.

DIRETO AO PONTO

Errado: Eu torço para que ele seje feliz!
Correto: Eu torço para que ele seja feliz!

De acordo com o vocabulário ortográfico da língua portuguesa, a palavra ‘seje’, terminada com a letra ‘e’, não existe. Seja é um vocábulo gramaticalmente classificado como verbo. Trata-se do verbo ser, conjugado na 3ª pessoa do singular dos modos subjuntivo e imperativo.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Chego x chegado

Reunião de início de ano na escola de Joaquim. Os responsáveis sentados na sala de reunião aguardando a chegada de um pai que estava estacionando o automóvel. A diretora aguarda para apresentar a equipe. Esbaforido, entra o responsável na sala:

─ Desculpe!Eu tinha chego antes, mas encontrei um amigo e acabei me atrasando!

Olhares trocados! A diretora respira fundo, disfarça e, antes de iniciar a apresentação, diz:

─ Bom dia! Eu vi que você tinha chegado mais cedo, por isso achei melhor esperar um pouquinho.

O pai dá um sorriso meio sem jeito, senta-se e a diretora inicia a reunião.

Direto ao Ponto

Errado: Eu tinha CHEGO antes do horário da reunião.

Correto: Eu tinha CHEGADO antes do horário da reunião.

O particípio do verbo chegar não aceita duas formas, isto é, chegar não é um verbo abundante. A única forma correta, neste caso, é ‘chegado’.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Corona vírus x corona-vírus x coronavírus

Em tempos de pandemia, Carlinhos e Antônia acompanham as notícias e assistem aos programas jornalísticos em diversas emissoras, mudando o canal da tevê constantemente. O controle remoto é o objeto mais disputado. Em tempo de covid-19, não há assunto mais comentado na televisão. Os números da pandemia são divulgados a todo instante. E a audiência sobe a cada momento!

Em uma determinada emissora, Carlinhos verificou que a palavra corona-vírus aparecia escrita de forma separada e com hífen. Em outra, percebeu que estava escrita junta, sem acento.

Carlinhos perguntou para Antônia:

─ Como se escreve esta palavra? Qual emissora está utilizando a palavra de forma correta?

Antônia respondeu:

─ Nenhuma das duas. É uma palavra nova para o nosso vocabulário. Mas, de acordo com as nossas regras gramaticais, o correto é coronavírus, tudo junto, com acento. Precisamos avisá-los! Estão enganados…

Direto ao ponto

Errado: Juntos venceremos a batalha contra o corona-vírus! Juntos venceremos a batalha contra o corona vírus!

Correto: Juntos venceremos a batalha contra o coronavírus!

Na palavra ‘coronavírus’, a sílaba mais forte é a penúltima, ‘ví’. É uma palavra paroxítona terminada em ‘u’ (seguida ou não de ‘s’) e, portanto, segundo a regra gramatical, é acentuada. É exatamente esse o caso de coronavírus.

Outros exemplos: bônus, Vênus.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Se não x senão

A professora Heloísa Helena tinha aplicado a última avaliação do curso de Língua Portuguesa para estrangeiros. A avaliação era uma redação. Já havia corrigido muitas naquela noite. Percebeu que os alunos, ao término do curso, estavam escrevendo e falando muito bem o português. Cometiam poucos erros e isto a deixava muito feliz.

Já quase no final da correção da última redação, deparou-se com a seguinte frase:

“… e para Antônia, minha amiga francesa, a turma preparou uma festa surpresa na varanda da escola. Senão chover, a festa será um sucesso!”.

Heloísa Helena entendeu que ambas as expressões, ‘senão’ e ‘se não’, são semelhantes em relação à pronúncia, mas são distintas na grafia e no sentido. Portanto, é possível que sejam confundidas e aplicadas de forma errada.

Este pequeno engano não comprometeu a redação de Márcia e a aprovação foi imediata.

DIRETO AO PONTO

Errado: Senão chover, a festa será um sucesso!
Correto: Se não chover, a festa será um sucesso!

Escrevemos ‘se não’ separado quando pudermos substituir por ‘caso não’ ou ‘quando não’. Ex: Se não sairmos logo, pegaremos muito trânsito.

Usamos a palavra ‘senão’ (tudo junto) quando significar do contrário, a não ser, porém, de outro modo. Ex: É preciso cuidar das plantas, senão elas não crescerão fortes.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Entre eu x entre mim

Um presidente de um determinado país fez recentemente um pronunciamento na televisão. Todos estavam atentos às suas palavras. Horário nobre, rede nacional.

Em determinado momento, o presidente diz:

─ O povo precisa acreditar nas minhas atitudes até porque entre eu e o povo deste país, não há segredos.

Na mesma hora, o seu assessor engoliu em seco. Escreveu em um cartaz e levantou: “Entre eu, não, entre mim…”.

Mas não adiantou. O presidente voltou a dizer:

─ Entre eu e o povo é preciso haver confiança!

O assessor, que havia escrito o pronunciamento, apenas olhou para o seu colaborador e suspirou.

─ Eu não escrevi assim…

Direto ao ponto

Errado: Entre eu e o povo é preciso haver confiança!
Correto: Entre mim e o povo é preciso haver confiança!

O correto é “entre mim e você”, pois após a preposição usa-se pronome pessoal do caso oblíquo. Da mesma forma será com as demais preposições: para mim e você, para mim e ti, sobre mim e ele, entre mim e ela, contra mim, por mim, etc.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Aberto x abrido

A festa estava muito animada dentro do apartamento. Criança cantando, alegria, correria. A campainha toca e ninguém escuta. Novamente a campainha toca insistentemente.

Maria grita da cozinha:

– Alguém abre a porta, por favor!

Eliane responde:

– Eu já tinha abrido. Deixei a porta destrancada. Acho que a pessoa não percebeu! Ela não entrou.

Maria gritou:

– Você o quê? Por favor, Eliane, aprenda a falar direito. Eu já tinha aberto a porta!

– Ah, você também tinha abrido? Realmente, a pessoa não percebeu…

 

DIRETO AO PONTO

Errado: Eu tinha ABRIDO a porta.

Correto: Eu tinha ABERTO a porta.

O particípio do verbo abrir NÃO aceita duas formas, isto é, abrir não é um verbo abundante. A única forma correta, neste caso, é aberto.

Marynês Meirelles é pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI).