Categorias
Destaque Esportes

Confira o cenário de cada time carioca nas últimas rodadas do Brasileirão

 

Por: Luhan Alves

A penúltima rodada do Campeonato Brasileiro 2020 promete bastante. E dos clubes do RJ, o único que apenas cumpre tabela é o Botafogo, que foi rebaixado pela terceira vez em sua história. Flamengo, disputa o título do Brasileirão, Fluminense busca vaga direta na fase de grupos da Libertadores e Vasco luta contra o rebaixamento, o que aconteceria pela quarta vez em sua história.

 

Flamengo

O rubro-negro carioca vai jogar uma de suas partidas mais importantes dos últimos anos neste domingo (21), contra o Internacional, às 16h, no Maracanã. Se quiser continuar sonhando com o octacampeonato, o Flamengo vai precisar vencer o Colorado e na última rodada o São Paulo, no Morumbi. A derrota acaba com o sonho do título brasileiro. Willian Arão, que sofreu uma fratura no dedo do pé direito, em acidente no banheiro do Ninho do Urubu, tem poucas chances de jogar contra o time gaúcho. Gustavo Henrique deve ser o substituto.

Gabigol é uma das esperanças de gol na partida decisiva contra o Internacional Foto: Alexandre Vidal/CRF

 

Fluminense

Já garantido na próxima edição da Libertadores, após ficar 8 anos sem frequentar a competição, o tricolor carioca ainda tem chances de classificação direta na fase de grupos. Para terminar no G4 do Brasileirão, o Fluminense precisa vencer os seus dois últimos jogos e torcer por tropeços de São Paulo e Atlético-MG, algo difícil, porém não improvável. Outra possibilidade é se caso o Palmeiras, atual campeão da competição intercontinental, conquistar a Copa do Brasil, a vaga iria para o Flu, caso termine em 5° no Campeonato Brasileiro.

Nenê vem se destacando nas últimas partidas do Fluminense que luta por vaga direta na fase de grupos da Libertadores Foto: Lucas Merçon/FFC

Vasco

O Cruzmaltino vive mais uma vez o drama da luta contra o rebaixamento. O Vasco é o atual 17º colocado no Brasileiro, com 37 pontos. O Bahia, o primeiro fora do Z-4, tem um ponto a mais. A partida contra o Corinthians neste domingo (11), às 16h, na Neo Química Arena, será como uma final de campeonato para os vascaínos. Se perder este jogo e o Bahia vencer o Fortaleza, o Vasco será rebaixado mais uma vez em sua história. Um provável desfalque importante para equipe carioca é o meia Benítez, que faz tratamento por sentir dores musculares em uma das coxas. Apesar de não ter participado de todos os treinos da semana, ele viajou com a delegação.

A presença de Benítez na equipe titular diante do Corinthians ainda é incerta Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Botafogo

Já rebaixado para a Série B 2021, o alvinegro carioca está aproveitando estes últimos jogos da primeira divisão para testar jogadores da base, visando à próxima temporada. Fora de campo, a diretoria já começa o planejamento para a disputa da segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O clube segue buscando um treinador de peso para comandar o desafio que o Botafogo terá pela frente. Alguns reforços também podem chegar como o lateral-direito Jonathan, o volante Matheus Frizzo e o atacante Ronald. O Glorioso ainda negocia com o zagueiro Gilvan e o atacante Robson. A ideia inicial é de buscar atletas para compor o elenco e reforçar posições carentes.

Botafogo tem testado alguns meninos da sua base nos últimos jogos Foto: Vítor Silva/ BFR

 

Categorias
Destaque Esportes

Flamengo e Vasco se enfrentam em jogo decisivo pelo Brasileirão

 

O Clássico dos Milhões sempre foi tomado pela disputa, tensão e clima decisivo. E nesta quinta-feira (04), às 21h, no Maracanã, não será diferente. Flamengo e Vasco se enfrentam pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para a equipe rubro-negra, em segundo lugar com 61 pontos, o jogo vale para continuar na cola do líder, que é o Internacional, na luta pelo título. Já para o Vasco, os três pontos são importantes para se distanciar da zona de rebaixamento.

No lado do Flamengo, a mudança em relação ao jogo contra o Sport, fica por conta de Hugo Souza no lugar de Diego Alves, que novamente teve uma lesão na coxa direita e será desfalque. Gerson, que teve um entorse no pé direito, é dúvida. Há, no entanto, otimismo sobre sua presença. O volante foi relacionado para o clássico. No geral, o time deve ser o mesmo que vem jogando sob o comando de Rogério Ceni.

O volante Gerson é dúvida para o clássico contra o Vasco Foto: Alexandre Vidal/CRF

 

Provável Escalação: Hugo Souza, Isla, Arão, Gustavo Henrique e Filipe Luís; Diego, Gerson (Pepê ou Gomes), Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol.

Pendurados: Gabigol, Diego, Gustavo Henrique, João Lucas, João Gomes e Rogério Ceni.

 

Já no lado vascaíno, o desfalque fica por conta do zagueiro e capitão da equipe, Leandro Castán, que foi expulso na última partida diante do Bahia. Ricardo Graça começa entre os titulares. Outra alteração que Luxemburgo indicou no time é a entrada de Gabriel Pec na vaga de Talles Magno. O atacante trabalhou como titular no treino de terça.

Gabriel Pec deve começar a partida como titular Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

 

Provável Escalação: Fernando Miguel, Léo Matos, Marcelo Alves, Ricardo Graça, Henrique; Bruno Gomes, Léo Gil, Benítez, Pikachu, Pec e Cano.

Pendurados: Benítez, Gabriel Pec, Léo Matos, Ricardo e Yago Pikachu.

Arbitragem

Árbitro: Raphael Claus(Fifa/SP)

Árbitro Assistente 1: Danilo Ricardo Simon Manis (Fifa/SP)

Árbitro Assistente 2: Alex Ang Ribeiro (SP)

VAR: Jose Claudio Rocha Filho (SP)

 

Retrospecto do Confronto

Os números recentes favorecem o Flamengo, que não perde para seu rival há 16 jogos: sete vitórias e nove empates. A última vitória do Vasco foi no Carioca de 2016. Em 2020, o Rubro-Negro venceu as duas partidas: 1 a 0 pelo Carioca (quando atuou com reservas) e 2 a 1 no Brasileirão, em São Januário, de virada.

A sequência atual de 16 jogos sem derrota é a maior do Flamengo na história do Clássico dos Milhões. Antes dela, o Rubro-Negro teve outras três séries invictas de 11 jogos: entre 1941 e 1943, entre 1971 e 1973 e entre 2012 e 2015. Do lado vascaíno, a maior série invicta é de 20 jogos entre 1945 e 1951

Considerando apenas o Campeonato Brasileiro, o Flamengo não perde para o Vasco desde 2015. Desde então, foram 3 vitórias e 4 empates. Na história da competição, desde 1967, quando se enfrentaram pela primeira vez ainda no antigo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, a vantagem é do Flamengo. Em 63 jogos, foram 22 vitórias do Rubro-Negro, 23 empates e 18 vitórias do Vasco.

No retrospecto geral, o domínio no clássico também é do Flamengo. Em 411 jogos, foram 156 vitórias do Flamengo, 137 do Vasco e 119 empates (contando jogos amistosos). Apenas em jogos oficiais são 326 partidas com 124 vitórias do Flamengo, 100 empates e 102 vitórias do Vasco.

 

Disputa pela artilharia

Outro detalhe interessante deste clássico é igualdade dos artilheiros da equipe. Cano, Gabigol e Pedro estão com 23 gols na temporada. O camisa 9 do Flamengo jogou 38 vezes (35 como titular) das 65 partidas rubro-negras, enquanto Pedro atuou em 49 (24 vezes como reserva). Desfalque em apenas 10 partidas das 56 partidas do Vasco na temporada, Cano foi titular nos 46 jogos que disputou.

Foto: Ge.com

Onde Assistir

A partida terá transmissão do Premiere para todo país.

 

Por: Luhan Alves

Categorias
Carlos Augusto | Opinião

Opinião: “não se faz Copa do Mundo construindo hospitais”

 

Ronaldo, o Fenômeno, que nos deu várias alegrias exibindo seu fabuloso futebol, deu uma escorregada em 2011, durante os preparativos para realização da copa do mundo em 2014, em pleno governo Dilma “PT”.

O Ronaldo, que não é político, mas ex-jogador de futebol, escorregar em certas manifestações, é até razoável ou compreensível. Mas não dá para aceitar argumento nefasto como o do ex-presidente, como no caso do Lula, que se expressou da mesma forma que o Ronaldo, ao dizer que: “a realização da Copa do Mundo é uma grande oportunidade, e que ser contra por falta de hospitais é um retrocesso enorme.” Para Lula, “as pessoas querem fazer de uma coisa boa uma coisa ruim.”

Pesquisando os gastos com a Copa do mundo, chegamos a números estarrecedores, a saber: A  Copa do Mundo realizada no Brasil foi a mais lucrativa da história da FIFA, que faturou US$ 5,7 bilhões, equivalente a R$18.6 bilhões de reais entre 2011 e 2014. Os custos das obras divulgados pelo secretário-executivo do Ministério do Esporte foi de R$ 28 bilhões de reais; R$ 8.333 bilhões foram investidos nas construções dos 12 estádios de futebol; R$ 3,815 bilhões saíram do BNDES. O estádio Mané Garrincha foi o mais custoso, consumiu R$ 1.4 bilhão, seguido da Arena Corinthians, que consumiu R$ 1.080 bilhão e o Maracanã, que consumiu R$ 1.050 bilhão.

Tudo isso segundo dados do Tribunal de Contas da União (TCU), após consolidadas as fiscalizações relacionadas às obras preparatórias para a Copa do Mundo, nos meses de junho e julho de 2014. A conta final foi fechada em R$ 25,5 bilhões, de acordo com o relatório consolidado. Do total, R$ 7 bilhões foram gastos em mobilidade urbana e R$ 8 bilhões em estádios.

Vale lembrar que a maioria da população brasileira, que não votou no PT de Lula e Dilma, expressou sua indignação com os gastos exorbitantes com o Mundial, e durante as manifestações, que levaram mais de 1 milhão de pessoas às ruas a palavra de ordem  era: “Não queremos estádios. Queremos escolas e hospitais” no padrão Fifa”. A ideia de que o dinheiro público estava sendo desperdiçado alimentou a ira popular a tal ponto que Dilma Rousseff negou, em rede nacional, o uso do Orçamento da União nas obras de estádios. Obviamente, nessas manifestações ficaram de fora os eleitores do PT, aí incluídas as entidades organizadas, artistas e a grande imprensa.

Observando esses exorbitantes e desnecessários gastos na realização da Copa de Mundo de 2014, comparando com a atual pandemia ocasionada pelo Coronavírus, que levou a óbito mais de 200 mil cidadãos brasileiros, nos faz refletir o quanto nós estamos órfão de políticos honestos nesse país. O quanto os ditos poderes constituídos harmônicos entre si, estão contaminados de corrupção.

A voz do povo, da maioria que vai às ruas se manifestar contra a corrupção, contra um poder legislativo e contra um judiciário corrupto, precisa ser ouvida e acatada. Quando, naquele momento, se foi às ruas contra os exorbitantes gastos com a Copa do Mundo em detrimento de investimentos na saúde (hospitais), educação, emprego e moradia, tivessem nossos governantes a sensibilidade de abraçar os anseios populares, certamente estaríamos hoje preparados para o enfrentamento dessa maior crise sanitária humanitária mundial.

Os governantes corruptos estão dando uma demonstração de que desprezam solenemente a vida humana, pois continuam a meter a mão no erário público, como se tem notícias. Compra de respiradores superfaturados e centenas desses impróprios para uso. No Rio, a situação é  tão drástica que temos o prefeito e o governador detidos e investigados.

Agora, sem sombra de dúvidas, nesse momento a situação do povão do Amazonas /Manaus, infelizmente é desesperadora. Em 21/04/2020, o site G1 informou: “o Ministério Público de Contas do Estado do Amazonas iniciou uma investigação e cobra respostas do governo sobre a compra de 28 respiradores pulmonares para a rede pública de saúde no valor de R$ 2 milhões e 970 mil.”  E agora, a conta está sendo paga com a vida dos amazonenses.

Finalizo essa análise me perguntando onde estão os supostos defensores do Estado Democrático de Direito. Me refiro aos mandatários dos três poderes: Executivo, Legislativo e principalmente o Judiciário, que se mantém totalmente inerte diante dessa desenfreada corrupção orquestrada pelos mandatários dos estados e municípios. Aliás, com o aval dos onze deuses do olimpo.

É o que eu penso.

Carlos Agusto (Carlão)

Sindicalista, advogado e jornalista – MTb 38577RJ

Categorias
Destaque Esportes

Opinião: Fluminense precisa corrigir os erros o mais rápido possível

 

Mais um jogo que termina sem vitória do Fluminense sob comando do Marcão. Nos três jogos que o treinador esteve na beira do campo, desde a saída de Odair Hellman, o tricolor carioca empatou contra o Vasco e perdeu para o Atlético-GO e São Paulo. É claro que quem pediu para sair, por conta de uma proposta irrecusável, foi o Odair, mas até o momento a escolha pelo Marcão não vem surtindo efeito na equipe.

Analisando esses três jogos do Marcão, dá para perceber que o time do Fluminense até tenta trabalhar mais a bola, ter a posse, mas esbarra na falta de criatividade, tendo dificuldades de levar perigo ao gol adversário. O tricolor vem jogando com dois pontas abertos, para tentar sair em velocidade para o ataque, mas os atacantes estão atuando muito distantes, totalmente espaçados, faltando aproximação no ataque e movimentação dos jogadores.

Fluminense perde mais uma partida e vai se distanciando da parte de cima da tabela Foto: Luhan Alves

Já na parte defensiva, alguns erros de posicionamento acabam atrapalhando o time. Os laterais são facilmente dominados quando o time adversário tem pontas com qualidade e velocidade, principalmente se atacar pelo lado direito, onde joga Egídio ou Danilo Barcelos. Os zagueiros precisam estar mais atentos à movimentação dos jogadores adversários e cobrir melhor os espaços.

O Fluminense, agora, terá mais 10 dias para treinar, corrigir os erros e encaixar o novo estilo de jogo. A estreia de 2021 será contra o Flamengo, dia 06 de janeiro, às 21h30 (de Brasília), no Maracanã, pela 28ª rodada do Brasileirão. O tricolor carioca precisa voltar a vencer para não se distanciar de uma vaga na próxima Libertadores.

Por: Luhan Alves

Categorias
Destaque Esportes

Flamengo e São Paulo se enfrentam em jogo decisivo na Copa do Brasil

Flamengo e São Paulo se enfrentam nesta quarta-feira, às 21h30, no Morumbi, no segundo confronto das quartas de final da Copa do Brasil. A partida promete ser bastante intensa e mesmo sem a presença da torcida, terá um clima de decisão por tudo que envolve esse jogo. A vantagem é do Tricolor, já que venceu por 2 a 1 no Maracanã. O time paulista joga por um empate para garantir a vaga. Já o Rubro-Negro precisa vencer por dois gols de diferença para se classificar no tempo normal. Uma vitória do Fla por um gol de diferença leva a decisão aos pênaltis.

O Flamengo tem diversos desfalques por questões físicas. Rogério Ceni terá que fazer algumas mudanças no time por conta dessa situação. Em relação aos titulares escalados no Maracanã, Gabigol é a ausência. A provável novidade é a presença de Arrascaeta desde o início, apesar de não estar na condição física ideal. Everton Ribeiro e Isla, que jogaram por Brasil e Chile na terça-feira (17), tiveram os nomes incluídos na relação do jogo. Ambos foram titulares. Isla jogou o tempo inteiro. Everton foi substituído aos 91 minutos do segundo tempo.

Rogério Ceni observa Gerson no último treinamento antes da partida contra o São Paulo Foto: Reprodução Flamengo/ Alexandre Vidal

Já no São Paulo, a situação é melhor do que a do seu adversário. Com praticamente todo o elenco à disposição, Fernando Diniz deverá manter o time que venceu o Flamengo no jogo de ida. A equipe paulista vai com força máxima para essa partida decisiva na Copa do Brasil.

Fernando Diniz vai com força máxima para a partida decisiva contra o Flamengo Foto: Reprodução/São Paulo FC

Importância da classificação no aspecto financeiro

A Copa o Brasil de 2020 se aproxima de sua reta final e além da vaga para a Libertadores de 2021, outro motivo que dá a importância e a valorização da classificação para a próxima fase é a alta premiação. O campeão vai receber pelo título R$ 54 milhões, R$ 2 milhões a mais que o Athletico-PR recebeu no ano passado. No total, somando todas as fases, o campeão pode arrecadar até R$ 72,8 milhões, dependendo da fase que ele entrar.

Confira a premiação da Copa do Brasil

  • *1ª fase: R$ 1,1 milhão (Grupo 1), R$ 950 mil (Grupo 2) e R$ 540 mil (Grupo 3)
  • *2ª fase:R$ 1,3 milhão (Grupo 1), R$ 1,03 milhão (Grupo 2) e R$ 650 mil (Grupo 3)
  • 3ª fase: R$ 1,5 milhão
  • 4ª fase: R$ 2 milhões
  • Oitavas:R$ 2,6 milhões
  • Quartas:R$ 3,3 milhões
  • Semifinal: R$ 7 milhões
  • Vice-campeão: R$ 22 milhões
  • Campeão: R$ 54 milhões

*Grupo 1, 2 e 3 (a CBF paga mais para quem está melhor ranqueado).

Prováveis Escalações

Flamengo: Diego Alves, Matheuzinho, Gustavo Henrique, Léo Pereira e Renê; Arão, Gerson e Arrascaeta; Vitinho, Michael(Pedro Rocha) e Bruno Henrique. Técnico: Rogério Ceni

São Paulo: Tiago Volpi, Juanfran, Bruno Alves, Diego e Reinaldo; Luan, Daniel Alves, Gabriel Sara e Igor Gomes; Brenner e Luciano. Técnico: Fernando Diniz

Arbitragem

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (Fifa)

Assistente 1: Fabricio Vilarinho da Silva – GO (Fifa)

Assistente 2: Cristhian Passos Sorence – GO (CBF)

VAR: Wagner Reway – PB (CBF)

Por: Luhan Alves (com supervisão de Cláudia Mastrange)

 

Categorias
Destaque Esportes

Templo do futebol brasileiro, Maracanã completa 70 anos de história

Palco de inúmeros episódios da história do futebol brasileiro e sede de duas Copas do Mundo, o estádio Mário Filho, o Maracanã, completa 70 anos nesta terça-feira (16).

No dia 16 de junho de 1950, o Maracanã era inaugurado. Na época, era o maior estádio do mundo, com capacidade 200 mil espectadores, cerca de 10% da população do Rio de Janeiro da época, segundo censo. Além de um dos templos do esporte nacional, o local é hoje também um ponto turístico da capital fluminense.

A história do Maracanã começa bem antes de 1950. Após visitas do até então presidente da Fifa, Jules Rimet, o Brasil foi escolhido em 1946 para sediar a Copa de 1949, mas, em 1947, a entidade máxima do futebol optou por adiar a competição em um ano para que as seleções, em especial da Europa, pudessem se reestruturar após a Segunda Guerra Mundial.

A obra demorou cerca de dois anos para ser concluída e estima-se que o seu custo foi de 250 milhões de cruzeiros.

Um dia após a abertura oficial, o estádio já recebeu sua primeira partida. Uma seleção do estado de São Paulo enfrentou uma seleção carioca. Os paulistas venceram por 3 a 1. Uma semana depois, Brasil e México fizeram a estreia do Mundial daquele ano. A Seleção goleou os mexicanos por 4 a 0.

Ao longo das sete décadas, o Maracanã passou por inúmeras reformas para se tornar o que é hoje. A última foi para ser sede de uma segunda Copa do Mundo- a de 2014. Agora com capacidade para quase 80 mil pessoas, o estádio é moderno e atende ao “padrão Fifa”. A reestruturação mais recente é avaliada em mais de R$ 1 bilhão.

Além das duas Copas, o ‘Maraca’ recebeu uma série de partidas emblemáticas, como dos Mundiais de Clubes de 1963 e 2000, e as conquistas do Brasil das Copas América de 1989 e 2019. O campo também foi palco dos Jogos Pan-Americanos de 2007 e das Olimpíadas de 2016.

Hoje, o Maracanã abriga um hospital de campanha para combate do coronavírus. A Conmebol havia escolhido o estádio carioca para a final da Libertadores 2020, mas em meio a pandemia, não é possível afirmar se isso será possível.

Categorias
Alessandro Monteiro | Circuito Carioca

A corrida para salvar vidas

O hospital de campanha do Maracanã foi inaugurado neste sábado (9). O hospital, na área externa do estádio, foi construído em 38 dias. A princípio, serão abertos 170 dos 400 leitos. Desse total, 50 são de unidade de terapia intensiva e 120 de enfermaria. A promessa é que mais de mil leitos estejam disponíveis em todo estado, até o final de maio.