Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto Notícias do Jornal

DIRETO AO PONTO: eminente x iminente

                    

Mariana e Joaquim acompanhavam o noticiário da televisão quando a repórter leu o depoimento de um político com alto cargo em nosso país.  O político escreveu:

“O início da vacinação em nosso país tornou-se eminente! A cada dia os casos aumentam e os hospitais não conseguem atender a todos os pacientes”.

Mariana comentou com Joaquim:

– Será que este político foi capaz de dizer isto? A vacinação tornou-se eminente??? Será que ele sabe o que quer dizer eminente? A vacinação é ilustre?

Joaquim tentou explicar:

– Certamente ele não escreveu desta forma.  Deve ter havido um erro de digitação! Seria iminente?

– Sim, retrucou Mariana. Apenas uma letrinha muda totalmente o significado da palavra!

 

DIRETO AO PONTO

Errado: O início da vacinação é eminente.

Certo: O início da vacinação é iminente.

 

EMINENTE – O significado está relacionado a algo ou alguém “importante” ou “superior”. A palavra funciona como um adjetivo.

IMINENTE – Significa algo “imediato”, “próximo”. que está prestes a acontecer.. O termo também funciona como um adjetivo que qualifica as situações com risco imediato de se concretizar.

 

MARYNÊS MEIRELLES

Pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI). È sócia proprietária da Essencial Creche Escola na Barra da Tijuca. Trabalha como produtora cultural do programa Sábado é Show na Rádio Bandeirantes onde tem o quadro “Toque Show”, dando dicas da Língua portuguesa.

Categorias
Colunas Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Guardiãos x Guardiões

Felipe dirigia tranquilamente para o trabalho enquanto escutava atentamente as notícias pelo rádio. A última notícia era sobre a abertura dos parques da sua cidade. O repórter entrevistava um profissional do parque “Lírio da Paz”.

-Estou aqui com um dos guardiãos do parque “Lírio da Paz”, Sr. Osvaldo. Sua função é proteger e cuidar do parque agora que está voltando a funcionar. O senhor acha que os guardiãos que trabalham nos parques estão prontos para receber a população?

O guardião respondeu:

– Sim. Todos os guardiões dos parques da cidade foram treinados para atender a todas as famílias dentro dos padõres necessários para este momento. Mas, desculpe a minha humilde pergunta, não seriam guardiões?

O repórter falou:

– Não foi o que eu disse? Sim, guardiões. Obrigada pela entrevista, Sr. Osvaldo.

E deu por terminada a entrevista.

Felipe decidiu que iria ao parque “Lírio da Paz” no próximo fim de semana só para conhecer o Sr. Osvaldo.

 

DIRETO AO PONTO

Errado: .Eles são  guardiãos do parque.

Correto:  Eles são os guardiões do parque.

 

O plural de guardião pode ser guardiões ou guardiães.

A grafia guardiãos está errada e não existe no dicionário de língua portuguesa.

Marynês Meirelles é pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI). È sócia proprietária da Essencial Creche Escola na Barra da Tijuca. Trabalha como produtora cultural do programa Sábado é Show na Rádio Bandeirantes onde tem o quadro “Toque Show”, dando dicas da Língua portuguesa.

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Cidadões x cidadãos

Em tempo de corona vírus, um pequeno resfriado pode ser assustador. Em um hospital público, Paula aguardava na fila para ser atendida. Uma funcionária surge no meio da sala de espera e diz: 

─ Os atendimentos estão demorados porque muitos cidadões estão resfriados e nossos consultórios estão lotados. Tenham calma, por favor! 

Paula repetiu, já fazendo a correção:

 ─ Muitos cidadãos estão resfriados, não é isso?

 ─ É, ainda bem que a senhora entendeu. Os cidadões ficam nervosos e querem logo ser atendidos. 

─ Ah, entendi. Os cidadãos ficam nervosos.

 ─ A senhora está com algum problema? Eu já disse isso.

 ─ Ah, está bem. Eu não tinha compreendido…  

DIRETO AO PONTO  

Errado: os cidadões estão doentes.  

Correto: os cidadãos estão doentes.  

O plural de cidadão é cidadãos. O acréscimo apenas do “s”, resultando na terminação ‘ãos’, ocorre em todas as paroxítonas (quando a sílaba tônica, mais forte, da palavra é a penúltima) e em algumas oxítonas (quando a sílaba tônica é a última), inclusive em algumas monossílabas.  

Veja alguns exemplos: órfão – órfãos / bênção – bênçãos / cidadão – cidadãos / irmão – irmãos / sótão – sótãos / mão – mãos / chão – chãos / grão – grãos. 

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Aberto x abrido

A festa estava muito animada dentro do apartamento. Criança cantando, alegria, correria. A campainha toca e ninguém escuta. Novamente a campainha toca insistentemente.

Maria grita da cozinha:

– Alguém abre a porta, por favor!

Eliane responde:

– Eu já tinha abrido. Deixei a porta destrancada. Acho que a pessoa não percebeu! Ela não entrou.

Maria gritou:

– Você o quê? Por favor, Eliane, aprenda a falar direito. Eu já tinha aberto a porta!

– Ah, você também tinha abrido? Realmente, a pessoa não percebeu…

 

DIRETO AO PONTO

Errado: Eu tinha ABRIDO a porta.

Correto: Eu tinha ABERTO a porta.

O particípio do verbo abrir NÃO aceita duas formas, isto é, abrir não é um verbo abundante. A única forma correta, neste caso, é aberto.

Marynês Meirelles é pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI).

 

Categorias
Marynês Meirelles | Direto ao Ponto

Há x a

Em tempos de whatsapp, a nossa língua portuguesa, na forma escrita, está passando por um processo de transformação. Como tudo é muito rápido atualmente, as palavras estão sendo abreviadas para que a mensagem seja breve e a comunicação aconteça rapidamente. Porém, alguns erros nesta escrita podem comprometer a interpretação ou mudar o significado do que a pessoa gostaria de dizer. Temos que tomar muito cuidado.
Nesta semana, Maria enviou o seguinte texto para Clara:
“Daqui há três horas nossa irmã chega. Muita saudade!”
Clara reescreveu o texto e mandou para Maria, dizendo:
Querida,
“Daqui a três horas nossa irmã chega.” Você me confunde!!! A palavra há com h, nesta frase, significa que já se passaram três horas e não é isso. Ainda faltam três horas…

DIRETO AO PONTO

Errado: Eu estou na sua a cinco minutos.
Correto: Eu estou na sua casa há cinco minutos.
Usa-se o verbo haver para se referir a um tempo passado ou decorrido. Ele pode ser trocado pelo verbo “fazer”.
Dica: Use “a” para tempo futuro e “há” para tempo passado.

Foto: Pixabay

Marynês Meirelles é pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada em Educação Infantil e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI).