Categorias
Destaque Notícias

Compostos presentes em chás amenizam os sintomas de gripes e resfriados

Com a chegada do inverno, as temperaturas mais baixas nos convidam a tomar bebidas quentes, que ajudam a relaxar e a aquecer o corpo. Os chás são uma boa pedida nesse período por combinarem sabor e propriedades funcionais que amenizam os sintomas de gripes e resfriados, mais frequentes nesse período do ano. A ciência já comprovou efeitos antitússico, broncodilatador, anti-inflamatório, expectorante, entre outros, em dois grupos desses compostos: os monoterpenos e os monoterpenoides. Porém, nos chás, a concentração deles não é igual às das substâncias purificadas ou dos óleos essenciais estudados.

“Ainda faltam evidências científicas de que os chás feitos de plantas ricas desses compostos possam apresentar os mesmos efeitos, sendo a concentração do princípio ativo o principal limitante”, explica o biomédico Jarlei Fiamoncini, pesquisador associado ao FoRC, e professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF/USP).

Segundo o pesquisador, esses compostos são encontrados em abundância em ervas, temperos e frutas, tais como gengibre, canela, laranja, limão, capim santo, erva cidreira e hortelã. Há, no entanto, uma grande diferença de teores desses compostos, até mesmo em variedades da mesma espécie. “O ambiente onde a planta é cultivada – duração do dia, tipo de solo, irrigação etc. – também influencia muito na concentração do composto”, explica.

Efeitos comprovados – Os mecanismos de ação desses compostos ainda não são completamente compreendidos, mas já se sabe para que eles funcionam: o mentol da hortelã, por exemplo, tem efeitos antitússico e broncodilatador comprovados. “O timol, encontrado no tomilho ou do orégano, tem ação anti-inflamatória e antiviral. E o eucaliptol, presente também no gengibre, por exemplo, tem propriedades mucolíticas e expectorantes.

Além de não ser possível avaliar a eficácia dos chás medicinais, por causa da variação do teor nos compostos, é importante lembrar que o consumo excessivo de produtos fitoterápicos pode ser prejudicial à saúde. “Os remédios naturais, como os chás medicinais, causam menos reações adversas do que os sintéticos e às vezes nenhuma, mas não é possível afirmar que por serem naturais não ofereçam risco à saúde”, ressalta o pesquisador. “Os compostos fitoquímicos bioativos são produtos químicos estranhos ao nosso organismo e, por isso, podem apresentar toxicidade se ingeridos em doses elevadas.”

Para evitar efeitos adversos, ele recomenda ficar atento à forma de preparo dos chás e à quantidade ingerida por dia. “O bom senso deve orientar o consumo dessas bebidas. Consultar fontes científicas e profissionais especializados, como os farmacêuticos e nutricionistas, é sempre a melhor opção quando houver dúvidas sobre a utilização de chás e produtos naturais.”

Categorias
Destaque Economia

Bolsonaro suspende aumento de preços de remédios

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira (31) o adiamento no reajuste de preço de todos os remédios pelos próximos 60 dias. Por meio de sua conta no Twitter, o presidente afirmou que a decisão foi tomada de comum acordo com a indústria farmacêutica. No Senado, tramita projeto que também evita o aumento nos preços dos medicamentos. De iniciativa do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o PL 881/2020, entretanto, congela os preços dos remédios por todo o tempo que durar a pandemia do coronavírus.

O texto suspende eventuais reajustes nos preços de medicamentos durante a vigência do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo 6, de 2020, em virtude da pandemia de covid-19. O PL estabelece também que a vigilância da estabilidade dos preços ficará sob responsabilidade dos Ministérios da Economia e da Justiça e Segurança Pública. As pastas ficam autorizadas a promover convênios com os governos dos estados, dos municípios e do Distrito Federal para  garantir a medida.

Em caso de descumprimento, a autoridade competente aplicará pena de multa no valor mínimo de R$ 500,00 e máximo de R$ 80.000,00, dependendo da estrutura e do porte do estabelecimento. O estabelecimento também poderá ser fechado ou ter as atividades suspensas até a assinatura do termo de ajustamento de conduta.

Fonte: Agência Senado