Categorias
Destaque Rio

Réveillon em Copa sem fogos ou multidão na areia

 

Este ano não foi igual ao que passou. A Praia de Copacabana, símbolo da festa da virada do ano no país, que chega a reunir 3 milhões de pessoas no réveillon, recebeu ontem, 31 de dezembro apenas pequenos grupos para passar a meia-noite. Com a festa oficial cancelada na cidade do Rio de Janeiro, sem a tradicional queima de fogos nem palcos com atrações musicais em diversos pontos da cidade, os moradores e turistas respeitaram a recomendação de ficar em casa e evitar aglomerações.

O objetivo é diminuir o contágio da covid-19, que nos últimos dois meses voltou a aumentar em todo o Brasil e já está na casa das 195 mil vítimas fatais. Ontem (31), um laboratório de São Paulo confirmou a identificação de uma variante do novo coronavírus que, além de ser mais transmissível, já é amplamente encontrada na Inglaterra e nos Estados Unidos.

Mesmo assim, durante o dia, houve grande movimento nas praias, como no Leme. Na hora da virada no entanto o movimento foi bem menor, especialmente depois de uma pancada de chuva que caiu na Zona Sul. De acordo com a Polícia Militar, não houve um número expressivo de ocorrências. “Nossas equipes passaram a noite atuando no intuito da conscientização, dialogando com a população e dispersando pequenos e médios grupos de pessoas”. A corporação informou que essas ações não geram registros.

Praia do Leme recebeu grande número de banhistas durante o último dia do ano, apesar do cancelamento da festa de Réveillon (Foto Fernando Frazão/ABr)

Este ano não foi igual ao que passou. A Praia de Copacabana, símbolo da festa da virada do ano no país, que chega a reunir 3 milhões de pessoas no réveillon, recebeu ontem, 31 de dezembro apenas pequenos grupos para passar a meia-noite. Com a festa oficial cancelada na cidade do Rio de Janeiro, sem a tradicional queima de fogos nem palcos com atrações musicais em diversos pontos da cidade, os moradores e turistas respeitaram a recomendação de ficar em casa e evitar aglomerações.

O objetivo é diminuir o contágio da covid-19, que nos últimos dois meses voltou a aumentar em todo o Brasil e já está na casa das 195 mil vítimas fatais. Ontem (31), um laboratório de São Paulo confirmou a identificação de uma variante do novo coronavírus que, além de ser mais transmissível, já é amplamente encontrada na Inglaterra e nos Estados Unidos.

Mesmo assim, durante o dia, houve grande movimento nas praias, como no Leme. Na hora da virada no entanto o movimento foi bem menor, especialmente depois de uma pancada de chuva que caiu na Zona Sul. De acordo com a Polícia Militar, não houve um número expressivo de ocorrências. “Nossas equipes passaram a noite atuando no intuito da conscientização, dialogando com a população e dispersando pequenos e médios grupos de pessoas”. A corporação informou que essas ações não geram registros.

Menos lixo na orla

Segundo o presidente da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), Flávio Lopes, o monitoramento feito pela companhia e pelo Centro de Operações Rio (COR) mostrou uma redução drástica de pessoas nas orlas, em comparação com o réveillon do ano passado. De acordo com ele, a primeira parte da limpeza em Copacabana ocorre entre 22h e 3h e este ano foi recolhido apenas 12% do lixo de costume.

“O primeiro número que a gente tem é da operação noturna de Copacabana, é um bom grau de comparação. No ano passado a gente recolheu 50 toneladas de lixo e esse ano recolhemos 6,5 toneladas, ou seja, um pouco mais de 12% do volume de lixo gerado no ano passado”.

A segunda parte da operação, que começou às 6h, também seguiur a mesma proporção, segundo Lopes. “Ano passado tivemos um pouquinho mais do que 750 toneladas. A Expectativa é que a gente fique em volta de 20 toneladas [este ano]”.

A Comlurb trabalhou com 70% do efetivo normalmente escalado para o réveillon.

Fotos:ABr

Categorias
Cidade Pelos Bairros Rio

Fim de ano: condomínios reforçam medidas de segurança com proximidade das festas

Diante da proximidade das festas de fim de ano e a determinação da Prefeitura do Rio de fechar áreas comuns de condomínios onde não são usadas máscaras, como saunas e piscinas, muitos condomínios vêm tomando medidas para reforçar as ações de segurança interna. Com o aumento dos casos de Covid-19 em todo o Estado do Rio de Janeiro, muitos condomínios já vinham aumentando as medidas restritivas de convívio interno. Segundo o coordenador Síndico da Cipa, Bruno Gouvêa, todos os protocolos de segurança foram reforçados.

Cada condomínio tem sua convenção interna própria, mas, de forma geral, reforçamos todas as ações de segurança sanitária. É um dever do síndico zelar pela saúde e segurança de todos os condôminos.

O representante da Cipa afirma que a principal arma do síndico é aprimorar a comunicação interna.

Precisamos, num momento crítico como este, orientar sempre. Explicar as medidas podem ajudar a evitar ou diminuir possíveis conflitos. O papel do síndico é o de encontrar uma saída razoável, buscando moderar possíveis argumentações distintas, mas tendo os fatos como princípios balizadores de qualquer decisão – afirma Gouvêia.
Categorias
Destaque Rio

Réveillon do Rio: Prefeitura decide fazer festa sem fogos, com live e jogos de luz

A Prefeitura do Rio, por meio da Riotur, publicou a Convocação do Caderno de Encargos e Contrapartidas para o Réveillon Rio 2021 nesta quinta-feira, dia 10, no Diário Oficial do Município. Os interessados poderão obter o documento e seus anexos na sede da Empresa de Turismo, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca (Avenida das Américas, nº 5.300, 3ª andar – Diretoria de Operações) ou através do e-mail [email protected] As empresas interessadas em apresentar proposta deverão comunicar até às 17h do dia 22 de outubro de 2020 também no e-mail [email protected] Depois, as propostas serão apresentadas unicamente no dia 27 de outubro 2020.

“O Réveillon Rio 2021 terá um novo modelo, devido ao cenário que o mundo se encontra com a pandemia da Covid-19, e o formato será diferente do que já tivemos na cidade. Teremos um réveillon da responsabilidade social e não incentivaremos as pessoas a irem às ruas. Além disso, a iniciativa privada terá uma oportunidade única para criar um réveillon que seja marcante, traduzindo o sentimento de esperança e desejo de que tenhamos um ano melhor. A ideia é que este novo réveillon seja de renovação e reflexão e tenha um ato de respeito e uma homenagem às vítimas e aos profissionais que estão na linha de frente de combate à pandemia. Agora, com o Caderno de Encargos e Contrapartidas já publicado, aguardamos as propostas das empresas que queiram fazer parte dessa virada de ano especial com projetos criativos e que estejam em harmonia com a realidade atual”, afirmou Fabrício Villa Flor de Carvalho, presidente em exercício da Riotur.

A ideia da Riotur é que os principais pontos turísticos da Cidade do Rio de Janeiro tenham atrações musicais, de grandes artistas da cena nacional e internacional, e acendimento de luzes a laser de efeitos visuais. Portanto, o evento da virada de 2020 para 2021 não terá presença de público, como tradicionalmente acontece, e será transmitido ao vivo pela internet no canal oficial da Empresa de Turismo no Município no Youtube http://www.youtube.com/rioturoficial , com intérpretes de libras em todas as apresentações. Está prevista, ainda, a possibilidade de transmissão também pela TV aberta ou fechada.

A empresa organizadora eleita apta para realizar o evento será encarregada de toda a sua organização, desde o desenvolvimento do projeto, que será julgado dentre outros itens pelo seu ineditismo e criatividade, passando pela infraestrutura até a pós-produção do evento da virada. Além disso, a empresa ficará responsável por viabilizar financeiramente o projeto. Sendo assim, a empresa organizadora deverá obter patrocínio, sendo no máximo uma marca assinando como “apresentado por” e até oito marcas assinando como “patrocínio”.

Vale lembrar que todos os itens contidos no Caderno de Encargos e Contrapartidas são uma orientação mínima com exigências básicas para as empresas apresentarem os seus projetos e propostas, sendo permitida a apresentação de uma formatação diferente, com estruturas diferenciadas e alternativas, desde que, condizentes com as Regras de Ouro do Plano de Retomada da Cidade do Rio de Janeiro, de modo a possibilitar a realização do Réveillon Rio 2021.

Categorias
Destaque Rio

Réveillon 2020 é cancelado no Rio

A tradicional festa de fim de ano na cidade do Rio de Janeiro, com milhões de pessoas reunidas na praia de Copacabana para presenciar o show de fogos de artifício, foi cancelada, devido à pandemia de coronavírus – informou a prefeitura do Rio.

“Esse modelo tradicional [de Réveillon] que conhecemos e que praticamos na cidade há anos, assim como o carnaval, não é viável neste cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina”, explicou a agência de turismo da cidade, a Riotur, acrescentando que também se estuda o cancelamento do Carnaval.