Categorias
Destaque Política Rio

Edson Torres confirma que entregou R$ 980 mil a Witzel

O Tribunal Especial Misto (TEM), que julga o processo de impeachment contra o governador afastado Wilson Witzel, realizou nesta quarta-feira (13) uma sessão decisiva para o futuro do ex-juiz. O depoimento do empresário Edson Torres, arrolado como testemunha pelo deputado estadual Waldeck Carneiro, relator do processo, foi detalhado e devastador para as pretensões de Witzel de se manter no cargo.

 
Torres, que disse ao Ministério Público ter participado de desvios do governo, confirmou que entregou pessoalmente a Witzel recursos da ordem de R$ 980 mil antes mesmo de ele assumir o cargo, em pergunta feita por Waldeck na sessão. Este valor seria utilizado para as despesas pessoais do governador afastado após largar a magistratura.
 
Disse ainda que a “caixinha” da corrupção chegou a um montante aproximado de R$ 55 milhões. Sobre a divisão dos valores, revelou aos integrantes do Tribunal Especial Misto: “15% eram para mim , 30% para o Edmar (Santos) , 15% para o Vitor Hugo e 40% para (Pastor)Everaldo, que repassava parte a autoridades do governo”.
Contou também que indicou Hélio Cabral para presidir a Cedae e chancelou a nomeação do ex-subsecretário de Saúde do Rio, Gabriell Neves, preso e investigado, para o cargo.

 
Wilson Witzel alimenta a esperança de retornar ao Palácio Guanabara através de chicanas jurídicas para se beneficiar do decurso de prazo. Mas o depoimento de Edson Torres pode ter colocado uma pá de cal em suas pretensões.

Recurso

Em recurso protocolado no fim de dezembro, a defesa de Witzel argumentou que a contagem do prazo de 180 dias não podia ter sido interrompida, como determinou o Tribunal Especial Misto, e que os limites de 180 dias de afastamento e 120 dias para a conclusão do processo, que se encerram nos meses de maio e março, respectivamente, precisavam ser respeitados.
Os prazos foram suspensos no último dia 28 de dezembro, após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar que Witzel só fosse ouvido após a delação do ex-secretário de Saúde Edmar Santos se tornar pública.
Isso acontecerá quando a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), que tem por base a delação de Edmar, for aceita pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), decisão que a corte não tem prazo para tomar.
Categorias
Cultura Rio

Cia Livre de Dança, da Rocinha, realiza audição para selecionar bailarinos para espetáculo de dança afro brasileira

“Brasileirices” será apresentado em março no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro

Hoje (15 de janeiro), a professora dança e coreógrafa Ana Lúcia Silva realizará uma audição para selecionar cinco dançarinos para o espetáculo “Brasileirices”, da Cia Livre de Dança, que será apresentado em março no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro. A seleção, que acontecerá a partir das 18h na sede da Cia., na Rocinha, está aberta para dançarinos maiores de 18 anos que tenham base de jazz, dança afro e teatro musical. A Cia Livre de dança foi contemplada pela Lei Aldir Blanc.

Com coreografia de Ana Lúcia Silva, “Brasileirices” é um espetáculo de dança afro brasileira que reúne canto, dança, interpretação e percussão ao vivo para contar a história de um jovem que descobre de nasceu no dia em que a Lei do Ventre Livre foi promulgada, mas que passou a vida inteira como escravo.

“A audição será uma aula de dança afro brasileira, com percussão ao vivo; portanto descansem na véspera”, recomenda a professora e coreógrafa Ana Lúcia Silva. “É para levantar a poeira do chão!”, adianta.

Para a audição, os interessados devem comparecer à sede da Cia Livre de Dança (Via Ápia 44, sala 301 – Rocinha) às 18h desta sexta-feira. Devido a medidas de prevenção ao novo corona vírus, não será permitida a entrada com calçados da rua e todos dançarinos devem levar sua própria garrafa de água, além de máscara e de álcool gel.

Ana Lúcia e a Cia Livre de Dança

Nascida e criada na Rocinha, Ana Lúcia Silva está à frente da Cia Livre de Dança, escola e Ponto de Cultura que criou na comunidade em 1999. Ela desenvolve uma série de produtos sociais com o objetivo de lecionar danças para crianças e jovens da comunidade. Graduada em Licenciatura Plena em Dança pela Universidade Cândido Mendes e pós-graduada em Psicomotricidade Clínica e Relacional, ela acredita na dança como veículo transformador, e por isso a importância de sempre estudar. Valorizando sempre suas origens, Ana Lúcia Silva tem orgulho de  ter representado a Rocinha em eventos nacionais e internacionais, como também ter sua biografia apresentada em uma exposição para mulheres negras nos Estados Unidos.

Mais informações:

www.instagram.com/cialivrededanca

www.facebook.com/cialivrededancadarocinha

Categorias
Brasil Educação Rio

Espaço 4.0 será implementado em Belford Roxo

Com investimento de R$ 300 mil do Governo Federal, unidade deve capacitar mais de 400 jovens por ano

A implementação de 23 unidades do Espaço 4.0 foi firmada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) em 2020. Com investimento de R$ 6,9 milhões, o Governo Federal vai levar o projeto para 10 estados brasileiros. Os municípios que recebem as unidades são equipados com tecnologia de última geração para a capacitação de jovens em vulnerabilidade social.

As unidades serão efetivadas em Alagoas, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins. Os espaços poderão atender 6,5 mil jovens por ano com cursos de curta duração, isto é, com cronograma de 20 a 40 horas. Todos os jovens são previamente selecionados e recebem certificado após a conclusão da carga horária.

Nos espaços podem ser ofertados cursos de desenho 2D, desenho e impressão 3D, introdução à programação web, desenvolvimento de aplicativos, montagem e manutenção de computadores e análise e interpretação de esquemas elétricos de notebook, por exemplo. Além disso, os jovens podem ser capacitados em instalação e configuração de redes de computadores, eletrônica básica e robótica educacional.

O projeto é desenvolvido por meio da Secretaria Nacional da Juventude (SNJ), que integra a estrutura do MMFDH. Para a titular da Pasta, Emilly Coelho, a iniciativa mostra a preocupação da gestão com o futuro dos jovens, já que muitos vão trabalhar com profissões que ainda não existem. “Esse é o nosso trabalho chegando na ponta para qualificar os jovens para o mercado que irão entrar nos próximos anos”, afirma.

De acordo com ela, os cursos foram definidos com base em material prático e pensados para serem rápidos, promovendo rotatividade no atendimento à juventude brasileira. “Assim, os jovens terão acesso ao conhecimento tecnológico e vivenciarão experiências que facilitem sua inserção no mercado”, ressalta.

O programa da SNJ leva em consideração os desafios e oportunidades da Agenda 4.0 por meio da capacitação profissional, acesso ao conhecimento e desenvolvimento de habilidades que sejam capazes de aumentar a empregabilidade dos jovens no atual mercado de trabalho. Os recursos para implementação dos espaços são aplicados por meio alocação de emendas parlamentares.

Unidades

O estado de Santa Catarina foi contemplado com seis unidades, sendo que duas serão entregues no município de Itapema, uma em Garuva, uma em Guaramirim, uma em Lages e uma em São Miguel D’Oeste. Outros quatro espaços serão montados em João Pessoa (PB).

O Rio Grande do Sul vai contar com três unidades, uma em Cachoeira do Sul, uma em Esteio e uma em Lajeado. Já os municípios de Boca da Mata (AL), Belford Roxo (RJ), Arujá (SP), Boquim (SE) e Palmas (TO) também terão uma unidade em cada cidade.

Além disso, serão implementadas duas unidades em campi do Instituto Federal de Alagoas (Ifal), um no campus de Luziânia do Instituto Federal de Goiás (IFG), uma no campus de Betim do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) e uma na Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Além dos recursos do Governo Federal, as unidades contam com o investimento de contrapartida de estados e municípios. Cerca R$ 162 mil serão destinados por essas unidades da federação para os espaços conforme convênios celebrados com a secretaria. As unidades implementadas em institutos e universidades são montadas por meio de Termos de Execução Descentralizada (TEDs) e não possuem contrapartida.

Com os recursos repassados pelo Governo Federal, cada localidade ou instituição segue um cronograma de entrega previsto em plano de trabalho específico dos convênios e TEDs formalizados.

O Espaço

A estrutura dos Espaço 4.0 tem formato de contêiner. A ideia surgiu para que a população e o Governo Federal apostem na economia, rapidez, sustentabilidade, qualidade, inovação e versatilidade.

O Espaço é equipado com modernos recursos tecnológicos, como computadores de última geração, impressoras 3D e máquinas de cortea laser.

A proposta também é permitir a oferta de cursos, oficinas e atividades que promovam a capacitação profissional, a inclusão digital e o desenvolvimento de habilidades específicas.

Para dúvidas e mais informações:

[email protected]

Categorias
Esportes Rio

Mérito da Secretaria de Esportes do Rio vai se chamar medalha Antônio Carlos de Almeida Braga, em homenagem a Braguinha

Uma pequena homenagem para quem dedicou tanto ao esporte brasileiro. A medalha do mérito esportivo da Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Estado do Rio de Janeiro passará a se chamar medalha Antônio Carlos de Almeida Braga. Uma homenagem idealizada pelo secretário Leandro Alves para Braguinha, um dos maiores incentivadores do esporte brasileiro, que morreu nesta terça-feira, aos 94 anos, em Lisboa, onde vivia.

“Alguns dos maiores ídolos do esporte nacional, como Pelé, Ayrton Senna e Gustavo Kuerten, tiveram o apoio e a amizade do Braguinha. Colocar o nome dele em uma medalha de mérito do esporte será uma retribuição a tudo isso”, explica o secretário Leandro Alves.

A honraria se divide em três categorias (ouro, prata e bronze) e será entregue aos desportistas, atletas e outros profissionais que se destacarem representando o Estado do Rio de Janeiro no território nacional ou no exterior, ou tiverem serviços prestados ao esporte em qualquer modalidade.

Leandro Alves já pediu ao departamento jurídico da secretaria um estudo de viabilidade para a regulamentação com o nome do Braguinha e em seguida vai entrar em contato com a família dele para solicitar uma permissão especial.

O empresário Antônio Carlos de Almeida Braga foi dono da Atlântica Seguros, que viria a se fundir com a Bradesco Seguros nos anos 80, tendo apoiado grandes nomes do esporte nacional, como Gustavo Kuerten, Ayrton Senna, Emerson Fittipaldi e Pelé. Apaixonado por esportes e amigo íntimo de Ayrton Senna, Braguinha comparecia a todas as Copas do Mundo e tinha um camarote cativo em Roland Garros. Sócio-benemérito do Fluminense, patrocinou ainda as seleções brasileiras de futebol e de vôlei.

Categorias
Notícias do Jornal Rio

Troca de cartões Riocard na reta final

 

A troca gratuita dos cartões do tipo Vale-Transporte entra na sua reta final e o prazo para a substituição dos antigos cartões pelos novos modelos, na cor laranja, se encerra em 31 de março. Ela deverá ser realizada em uma das lojas da rede de atendimento ao cliente da Riocard Mais, que foram adequadas para o cumprimento das normas de prevenção à Covid-19.

A medida é necessária para a evolução do sistema de bilhetagem eletrônica – o cartão Riocard Mais é o único aceito em todos os meios de transporte e pode ser utilizado em 43 cidades do estado do Rio. Confira o endereço da unidade de atendimento mais próxima no site do Riocard.

 

Categorias
Destaque Música

EXALTA lança single com participação de Jorge Aragão

 

Nesta quinta-feira, 14 de janeiro, o grupo EXALTA lança nas plataformas e rádios de todo o Brasil o single “Retrato Cantado de Um Amor” com participação especial do cantor Jorge Aragão.  OUÇA AQUI!

A música é uma releitura da obra de autoria de Adilson Bispo e Zé Roberto, e pode ser considerada um dos clássicos do Samba / Pagode, e foi grande sucesso nacional no ano de 1986. Em novembro daquele mesmo ano começava uma nova formação do Grupo EXALTASAMBA, cuja maioria dos integrantes se manteve até fevereiro de 2012, quando alguns deles optaram por seguir em carreira solo.

Em 2021 essa história completará 35 anos, e para dar início às comemorações, o EXALTA (assim denominado a partir de janeiro de 2017) e que conta com os integrantes remanescentes da formação original de 1986: Thell e Brilhantina, somados aos dois atuais intérpretes Jeffinho e Italo Magrão, resolveu convidar “O MESTRE, JORGE ARAGÃO” para participar desse novo single.

“Para mim, nascido e criado nos Altos da Favela da Serrinha, foi a maior emoção de minha vida até aqui, poder participar desse Single, junto com meu Ídolo maior no Samba, o Mestre Jorge Aragão”, comemorou Ítalo Magrão.

“Retrato Cantado de Um Amor”, teve sua produção audiovisual, divididas entre São Paulo e Rio de Janeiro em função da Pandemia da Covid-19 e contou com Arranjos de Base de Jota Moraes, a Direção Executiva de Brilhantina e a Direção de Produção Musical de Naldo de Souza, que também atua com a equipe da Cantora Paula Lima.

“Somente a Alegria de estar participando, mesmo à distância de uma canção com o Mestre Jorge Aragão, poderia acalantar as saudades da presença do público nos finais de semanas, nas dezenas de Rodas de Samba que participei no Parque de Madureira ou da presença e participação das milhares de pessoas que tem acompanhado nos Shows do EXALTA pelo Brasil, nos últimos anos.”, afirmou Jeffinho

O grupo já havia disponibilizado o videoclipe oficial no YouTube. Confira o vídeo. 

Embora o EXALTA originalmente tenha sido considerado um grupo musical de natureza Paulistana, a presença de dois intérpretes cariocas: Jeffinho e Magrão, nascidos e criados no bairro de Madureira no Rio de Janeiro, trouxe um novo conteúdo ao grupo, porém sem descaracterizar musicalmente sua essência histórica.

Categorias
Cultura Destaque

Conheça mais um pouco sobre o projeto “Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo”

 

O “Movimento Ocupa Fazenda do Engenho Novo” é uma ação popular voltada para o resgate histórico, humanitário e cultural deste que é, inegavelmente, um dos maiores monumentos material e imaterial da história de São Gonçalo. A Fazenda do Engenho Novo está localizada no bairro de Monjolos, cidade de São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro, cujo acesso se dá a partir da Rodovia Amaral Peixoto (RJ-104), seguindo pela Estrada José de Souza Porto, Largo da Ideia e Estrada Rio Frio.

Também nomeada como Fazenda Engenho Novo Retiro e Fazenda do Serrado ao longo do tempo, esse espaço, contendo as ruínas em estilo de casa rural dos séculos XVII e XVIII, foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural (INEPAC) em 1998. O local é conhecido como lote 32, e em 1993 teve suas terras desapropriadas pelo Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro (ITERJ), órgão do Governo do Estado, dando origem ao Assentamento Rural Fazenda Engenho Novo.

O “Movimento Ocupa” tem como objetivo construir uma nova identidade para a cidade de São Gonçalo, transformando ruínas em relíquias, histórias esquecidas em memórias vivas, lembranças da cultura passada em atividades culturais de grande diversidade e interesse, enfim, realizar resgates em vários segmentos, tanto materiais quanto imateriais, essenciais para a preservação da memória. Desde setembro de 2019 as atividades educativas e sociais estão acontecendo no espaço da Fazenda Engenho Novo. A idealizadora do projeto, Daniele Gonçalves, comenta um pouco sobre a sensação de participar do Movimento.

“A sensação é da certeza de estar no caminho certo em relação a nossa historia/ancestralidade na construção da historia de São Gonçalo”

Com a crise sanitária as tarefas de pesquisa estão funcionando de maneira remota. Nesse momento, nosso objetivo central é desenvolver parcerias com as agências de fomento para transformar o espaço em local de conhecimento, tornando-o útil para a comunidade gonçalense. Dessa forma, a Fazenda Engenho Novo proporcionará cursos de capacitação nas modalidades Ead e presencial para a comunidade em diversos níveis. Em termos econômicos, a reconstrução e criação do museu atrairão muitos turistas para São Gonçalo, e aumentará a demanda de serviços e vendas de produtos na região de Monjolos e arredores. O funcionamento do espaço revitalizado possibilitará a oferta de emprego e crescimento para os comerciantes residentes. Daniele falou um pouco também sobre os projetos para este ano.

“A ideia para este ano é nos instrumentalizar em relação a Fazenda, oferecendo cursos online sobre a história da Fazenda e após a vacina atuar de maneira presencial no espaço,  oferecendo visitas guiadas e futuramente cursos para a comunidade local”

Atualmente, a Fazenda Engenho Novo, apesar de catalogada e tombada como patrimônio cultural brasileiro está abandonada e necessita urgentemente de uma intervenção em sua estrutura material. O projeto “Museu Histórico e Cultural da Fazenda Engenho Novo” tem o propósito de preservar a cultura histórica material e imaterial na cidade de São Gonçalo. A ação do “Movimento Ocupa” consiste na revitalização do espaço com a oferta de práticas educacionais para os moradores da comunidade, estudantes, e turistas. Com a revitalização da Fazenda Engenho Novo a população gonçalense terá os seguintes benefícios:

  • Aproximação dos alunos, professores e a comunidade em geral da história da fazenda e dos pesquisadores, auxiliando-os na construção da história oral e da memória local.
  • Visitas guiadas gratuitas as ruínas da Fazenda, destinada aos estudantes das redes públicas estaduais e municipais da cidade de São Gonçalo e região.
  • Promover de fato o turismo em São Gonçalo com visitas mediadas ao público em geral, trazendo a construção sociohistórica da cidade de São Gonçalo e as conexões com a diáspora africana.
  • Recuperar a história do local para além da história do Barão Belarmino Ricardo de Siqueira, visando colocar em destaque os sujeitos da história que foram esquecidos das narrativas oficiais e ressaltar a importância de se recuperar, uma vez que todos têm direito de usufruir de um meio ambiente cultural.
  • Resgatar a história e formação da população gonçalense no sentido de realizar a educação das relações étnico-raciais.
  • Investigar e resgatar junto aos sitiantes e antigos donos da fazenda, possíveis objetos históricos que fizeram parte do local para um futuro acervo do museu.
O Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo conta com um Podcast no Spotify Foto: Reprodução

O “Movimento Ocupa” tem o incentivo da UNEGRO e de coletivos organizados dentro do município de São Gonçalo, assim como o apoio dos residentes locais de Monjolos. As atividades serão realizadas por um grupo de moradores de São Gonçalo. Os integrantes do “Movimento Ocupa Fazenda Novo” possuem vasta experiência em educação museal, pesquisa e ações sócio assistenciais, além disso, todos são residentes do município de São Gonçalo, unânimes na consciência da importância da construção do museu para o acesso e desenvolvimento da cultura histórica da cidade.

Categorias
Brasil Educação Rio

Estudantes da UFRJ conquistam título em campeonato mundial de debates em inglês

Sociedade de Debates da UFRJ é reconhecida entre as melhores do país

O movimento brasileiro de debates, ainda pouco conhecido fora do ambiente acadêmico, está crescendo e se tornando um dos mais importantes do mundo. Na última semana, os universitários Isabella Refkalefsky e Gabriel Guia, membros da Sociedade de Debates da Universidade Federal do Rio de Janeiro (SDUFRJ), conquistaram juntos o título de vice-campeões do Doxbridge Worlds 2021, campeonato mundial de debates em língua inglesa, organizado por estudantes das universidades de Durham, Oxford e Cambridge, todas da Inglaterra.

Disputando na categoria “EFL” (Inglês como Língua Estrangeira), Gabriel e Isabella competiram com mais de 500 equipes de todo o mundo em nove rodadas classificatórias. O título é inédito para a Sociedade de Debates da UFRJ porque é a primeira final de um grande campeonato em língua inglesa.

Gabriel Guia, estudante da Faculdade Nacional de Direito (FND), de 26 anos, considerado um dos melhores debatedores competitivos do Brasil, afirma que a conquista do título representa o esforço e dedicação para o movimento de debates.

“É extremamente satisfatório ver que o tempo que dedicamos ao movimento teve frutos. Conhecemos muitas pessoas, algumas delas consideradas as melhores debates do mundo, e de universidades de elite, como Harvard, Yale, Cornell, entre outras, e tivemos um ótimo desempenho contra elas. Vemos, hoje, que o movimento brasileiro quer dar um novo passo, quer se internacionalizar cada vez mais e participar do circuito internacional em língua inglesa, que é onde acontecem os maiores campeonatos do mundo. O movimento brasileiro tem um potencial imenso e precisamos trabalhar nisso”, diz.

Isabella Refkalefsky, de 23 anos, é estudante de Engenharia Civil e uma das fundadoras da SDUFRJ. Com diversos títulos nacionais e internacionais de melhor debatedora, ela afirma que uma das principais vantagens de participar do debate competitivo é a oportunidade de aprender a debater e argumentar de forma proveitosa.

 “O debate competitivo ajuda muito em relação a falar em público e criar mais confiança em si próprio. Quando você tem os seus sete minutos para discursar na frente de uma plateia ou dos outros participantes, você precisa quebrar a inibição, coisa que a maior parte das pessoas tem. Isso acaba por melhorar a comunicação. Além disso, faz com que a gente precise pensar criticamente sobre vários assuntos. No debate competitivo eu consegui aprender sobre temas que provavelmente eu não abordaria na faculdade, como economia, relações internacionais, culturas diferentes, artes… Por último, uma das grandes vantagens é o aprendizado de saber argumentar e saber debater. Isso é extremamente relevante numa época em que temos cada vez mais debates rasos nas redes sociais e na política”, afirma.

A Sociedade de Debates da Universidade Federal do Rio de Janeiro (SDUFRJ) detém o título de Melhor Sociedade de Debates do Brasil, conferido pelo Instituto Brasileiro de Debates (IBD), além de ser a primeira sociedade de debates da cidade do Rio de Janeiro. Semestralmente são realizados processos seletivos abertos à comunidade acadêmica e ao público externo, assim como cursos de oratória e argumentação. Conheça mais sobre a SDUFRJ: https://www.facebook.com/debatesufrj

Categorias
Notícias do Jornal O Rio que o Carioca Não Conhece

Joia da cultura portuguesa no Centro do Rio

 

Uma casa de leitura e de saber e um símbolo da aliança das culturas de Portugal com o Brasil. Assim pode ser definido o Real Gabinete Portugues de Leitura. Em 14 de Maio de 1837, um grupo de 43 emigrantes portugueses do Rio de Janeiro  reuniu-se na casa do Dr. António José Coelho Lousada, na antiga rua Direita (hoje rua Primeiro de Março), nº 20, e resolveu criar uma biblioteca para ampliar os conhecimentos de seus associados. Assim surgiu o gabinete.

Os fundadores do “Gabinete” possivelmente foram inspirados pelo exemplo vindo da França, onde, logo seguir à revolução de 1789, começaram a aparecer as chamadas “boutiques à lire”, que nada mais eram do que lojas onde se emprestavam livros, por prazo certo, mediante o pagamento de uma determinada quantia.

Seguindo o exemplo dos “gabinetes de leitura” de raiz portuguesa, e ainda na segunda metade do século XIX, surgiram, impulsionados pela maçonaria e pela república positivista, em várias cidades do interior do Estado de São Paulo, instituições semelhantes que também eram denominadas “gabinetes de leitura” e que foram transformadas depois em bibliotecas municipais.

Foto: Reprodução

Para construir uma sede de maiores dimensões e condizente com a importância da instituição, foi adquirido um terreno na antiga rua da Lampadosa. E as comemorações do tricentenário da morte de Camões (1880) vão ser o grande pretexto para motivar a “colônia” portuguesa e levar adiante o projeto, obra assinada pelo arquiteto português Rafael da Silva Castro.

Em 1900 o Gabinete Português de Leitura transforma-se em biblioteca pública – qualquer um do povo pode ter acesso aos livros da sua biblioteca. E logo depois Benjamin Franklin de Ramiz Galvão, um dos mais ilustres intelectuais brasileiros, é convidado pelo Presidente da instituição, Ernesto Cibrão, para organizar um novo catálogo do acervo bibliográfico, tarefa que vai terminar em 1906.

Em 15 de Março de 1935, pelo decreto nº 25.134, o governo português concede ao Real Gabinete o benefício de receber de todos os editores portugueses um exemplar das obras por eles impressas. Esse estatuto permite uma atualização permanente da biblioteca em termos do que se edita em Portugal.

Acervo de raridades

O Real Gabinete Português de Leitura possui a maior e mais valiosa biblioteca de obras de autores portugueses fora de Portugal, com um acervo, inteiramente informatizado, da ordem de 350.000 volumes.

A biblioteca recebe de Portugal, pelo estatuto do “depósito legal”, um exemplar das obras publicadas no país. Além de Macau, agora sob a soberania da República Popular da China, e que até há pouco tempo também era beneficiada com o “depósito legal”, o Real Gabinete é a única instituição, fora do território português, que mantém este privilégio.

Acervo raro e sempre atualizado Foto: Reprodução

Alguns espécimes de obras raras ou manuscritos podem ser consultados por investigadores e especialistas, desde que com autorização especial. Já a consulta ao acervo geral é franqueada aos leitores no salão da biblioteca, com o auxílio das bibliotecárias, enquanto os sócios do Real Gabinete, podem levar até 3 livros – desde que de edições posteriores a 1950 – como empréstimo a domicílio, pelo prazo máximo de 15 dias.

Entre as obras mais raras da biblioteca podemos citar a edição “prínceps” de “ Os Lusíadas”, de 1572, que pertenceu à “Companhia de Jesus”; as “Ordenações de Dom Manuel” por Jacob Cromberger, editadas em 1521; os “Capitolos de Cortes e Leys que sobre alguns delles fizeram”, editados em 1539; “A verdadeira informaçam das terras do Preste Joam, segundo vio e escreveo ho padre Francisco Alvarez”, de 1540.

Há ainda manuscritos autógrafos do “Amor de Perdição”, de Camilo Castelo Branco e o “Dicionário da Língua Tupy, de Gonçalves Dias, além de centenas de cartas de escritores.  Na reabertura das atividades, após a pandemia, vale – e muito – conferir esse tesouro.

Categorias
Destaque Rio

Profissionais e cidadãos que atuaram na tragédia da Região Serrana de 2011 são homenageados pelo estado

 

Cerimônia em homenagem aos profissionais e cidadãos que participaram do resgate a vítimas e auxiliaram a população durante a tragédia causada pelas chuvas na Região Serrana em janeiro de 2011 foi realizada neste domingo (10), no Quartel do Corpo de Bombeiros de Nova Friburgo. O governador em exercício Cláudio Castro, acompanhou o evento

“A nossa missão é a prevenção. Em agosto do ano passado, determinei a criação do Plano de Contingência para as Chuvas de Verão, que traça protocolos para resposta rápida e integrada a emergências, porque precisamos estar preparados para prevenir tragédias como a que aconteceu há dez anos aqui na Serra. O plano conta com recursos de R$ 280 milhões e beneficia todo o estado. Além disso, vamos investir mais de R$ 500 milhões em contenção de encostas, limpeza de rios e infraestrutura na Região Serrana”, anunciou o governador em exercício.

Três militares que morreram durante suas missões também foram homenageados com uma corbélia de flores: o cabo Flávio Uanderson Rodrigues de Freitas; o 2º sargento Marco Antônio Verly da Conceição; e o cabo Victor Lembo Spinelli.

Governador em exercício homenageou com medalhas profissionais que atuaram no resgate, em 2011

Também foi entregue a Medalha Ordem do Mérito de Defesa Civil para 25 personalidades civis e militares, órgãos e instituições que foram de extrema relevância durante as ações de resposta à tragédia. Serão realizadas outras homenagens em Teresópolis, nesta segunda-feira (11/01), e em Petrópolis, na próxima terça-feira (12/01).

“ Dez anos após o desastre, minhas palavras são marcadas pela reflexão. Na época, o trabalho de resgate dos bombeiros foi incansável. Neste período, evoluímos como profissionais para prevenir novas tragédias desta proporção, com ações como o sistema de alerta e alarme por sirenes, capacitações e a implantação do Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Natural”, afirmou o secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Leandro Monteiro.

Em memória às vítimas, o governador Cláudio Castro decretou luto oficial em todo Estado do Rio nos dias 10, 11 e 12 de janeiro. Na manhã deste domingo, foi realizado o hasteamento a meio mastro das bandeiras oficiais no Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado..

Retomada das obras do Hospital de Oncologia

Durante o evento, o governador anunciou a retomada das obras do Hospital de Oncologia de Nova Friburgo. Localizada no bairro Ponte da Saudade, a unidade estadual vai ser referência no tratamento de câncer na região. Para dar início às intervenções, as secretarias estaduais de Infraestrutura e Obras e de Saúde estão finalizando o projeto.

Foto: Governo o Estado o Rio